GULLAR

 

É quando a vida se imiscui do humano

que todas as cores cintilam inteira luz

 

      e se alumiam os porões mais íntimos do existir

      tal fachos de relâmpagos sobre as tempestades

 

loucas do desejo de sentir o vulcão da beleza

transbordando o puro na impureza do feto

 

         que traz consigo placenta, soluços e esperança.

 

Quando não há mais limite entre o horrendo e o belo:

ambos siameses da poesia esmerilada em amarelo-girassol:

 

     fogo escorrendo em larvas grossas na temperatura exata

     em que os metais se fundem em danação e total doçura.

 

E o vento é tanto que se abrem portas, baús, memória:

       se arrebentam lençóis e cheiro de alfazema,

 

na  maresia dentro de uma ilha para além de rios e mares

                  a desembocar no insólito e indizível,

 

onde mesmo a voracidade da poesia diz tão pouco,

mas só ela pode penetrar com tanta cumplicidade

        e tentar, uma vez mais, iluminar o humano:

 

          eis o reino a descobrir: tudo é tão novo:

 

o que se tem é a fala, a prosa, o vulgar, a vida menor a pulsar:

       a matéria-prima com que a poesia há de construir o belo.

 

Neste lençol encardido, nestes dias de nódoas profundas,

nesta sujeira entranhada, nascerá o sublime, o cristal,

 

         uma sinfonia límpida soprando alucinada

                        e reinventando o mundo.

                                                       (Weliton Carvalho)

 

 

                                      LIVRO

                                            a Anthony Leahyr

 

          Folhas que o outono guarda

          para as solidões dos invernos:

 

lareira que aquece os calafrios mais sombrios,

          confessor de pecado e santidade,

 

           onde as palavras se reconhecem plenas

           de amor, beleza e angústia, que tudo nele

                       se (re)inventa mistério

 

             e nada se decifra por completo,

                 porque tudo prenhe de vida

       – fina sinfonia que rege todo universo:

 

                  o mundo não basta em si,

                     é preciso reinventá-lo.

          (o mundo, simplesmente, transborda)

 

          Não seria o livro um modo de negar a morte?

 

Por agora e ainda converso com Shakespeare e Cervantes

   e os apresento aos meus filhos, que se encantam tanto.

   

Gutenberg inventou a máquina de sonhar em vigília

   e recolheu as folhas do outono para a primavera –

   quando no verão o livro plana à flor do vento lilás,

 

        porque o livro guarda o mundo em colorido,

           que os homens perdem a cada instante.

                                                         (Weliton Carvalho)

 

                      PESSOAS COMUNS MUDAM O MUNDO

                                                                                                             a Ivo Dantas

 

                                                                                                           Eu sou a flor que o vento jogou no chão

                                                                                                           Mas ficou um galho

                                                                                                           Pra outra flor brotar

                                                                                                           A minha flor o vento pode levar

                                                                                                           Mas o meu perfume fica boiando no ar.

                                                                                                                  [João do Vale. In. A voz do povo]

 

 

                                          O povo

             – não o conceito clássico da ciência política –

                    nem o alcance opaco das constituições:

 

               menos ainda o significante dos discursos políticos.

 

                                              Mas o povo,

 

                     tal meu vizinho,

                o irmão do teu amigo,

                            teu filho

 

                 – tomaram as ruas do Brasil em junho de 2013

                 e escreveram um poema datado para o futuro.

 

                                        De repente,

 

                             o povo redescobriu a praça,

                     os protestos na internet não bastavam:

                     no mundo virtual a vida não transpira:

                     almas precisavam dos corpos presentes.

 

 

                  A praça é do povo!

                como o céu é do condor.

 

                É o antro onde a liberdade

                   cria águias em seu calor

 

                – relembra o poeta condoreiro.

 

                       E o povo sempre recita os poetas

                – que os verdadeiros poetas cantam o povo.

 

                           E de há muito o poeta sabe:

                  pessoas comuns mudam o mundo,

                   porque o fazem girar em sonhos.

 

 

E o governo atônito convoca os burocratas,

que nada sabem do povo além das estatísticas

e que bestificado – essa massa sempre amorfa –

recebeu o Império e assistiu a República.

 

                    O que é o povo?

                – indagam os palácios.

 

Os cientistas sociais se debruçam sobre Siéyes.

 

A praça, a velha ágora grega,

     – não mais censitária –

nada mais público e popular

ferve num turbilhão de desejos

 

               a dizer: o povo existe.

                                       E agora?

 

                            (Weliton Carvalho)

 

                         HOMILIA

 

                                   TENHO um encontro com Deus:

                                                  ─ José!

                                                 onde estão tuas mãos que

                                                 eu enchi de estrelas?

                                                  

                                                 ─Estão aqui, neste balde

                                                de juçaras e sofrimentos.

                                                         (José Sarney)

 

Não almejo meu texto lido nos púlpitos das igrejas

                mormente das igrejinhas literárias,

 

                            onde Narcisos

                 recitam ladainhas laudatórias

                 refletindo mil espelhos de ego:

 

nascem panegíricos bumerangue quase constrangedores

e os condoreiros se arvoram em salvar a pátria e as letras:

 

ninguém se ocupou em colocar o ouvido ao nível do relés,

do puído sol cintilante de todos os dias sobre a morte,

 

              destino derradeiro das vaidades veladas

 

    sobre o vulgar da vida que arde ao sonhar ser pétala,

    borboleta, sol alaranjado sobre buzinas a hora do rush.

 

            Ou a tarde devaneando nas asas do dia letargo,

            que sucumbiu ao burburinho das máquinas,           

    humanas algumas, tocadas a salários e contas a pagar.

 

Também não quero ser ovacionado entre copos de chopes

        e anedotas entrecortadas por nobres confrades.

 

Desejo ardentemente ser lido pelos adversários mordazes

não na esperança da restauração de sentimentos esgarçados,

mas para nos reconciliarmos ante a tentativa da beleza,

quando uma palavra toque a fímbria do azul dilacerado.

 

Senhor Stendhal, política também é sonho embebido em poesia

e como tal – por vezes – se perde macerado na lida crua da vida.

(bem sei: politica e poesia tocam a alma em carne viva, puro fogo:

sabe o senhor, em França, o que seja ferroada de marimbondo)?:

poesia é a alma em carne viva – ah, como disso sei, senhor Stendhal!

OS OLHOS DE CLARICE LISPECTOR

 

 

Oblíquos, transversais, desconcertantes

    da quântica vida que transborda:

 debalde esforço: ao óbvio me lanço.

 

    Os olhos de Clarice nos clareiam,

Lispector assim, introspectivos, indagam

   e eu mudo e impotente os admiro.

 

Se eu capaz de descrever os olhos de Clarice,

                       seria erudito;

      se capaz de descrever seu olhar,

                      seria mago.

 

              Mas felizmente só consigo

               contemplar esse mistério.

 

Welinton Carvalho é juiz, poeta e professor universitário. Lança em novembro o livro de poema "Ócio do Ofício". É autor, entre outros, de Sustos do Silêncio.