UMA NOITE DE LUAR

 

 


Luna contemplava o céu de Pompeia – estrelado e 

Ostentando uma bela lua cheia.

Na noite seguinte, ela seria iniciada na Vila dos

Misterios.

O martírio previsto, a flagelação, lhe sussurava 

Algo morto e desmantelado.
 

Uma lembrança obscura de um quarto em blocos]

De pedra, com uma abertura no teto – uma escada

De degraus baixos – 365 degraus – que levava até

Ao quarto.; trazia-lhe a tranquilidade que a véspera

Dessa Iniciação em Pompeia, lhe deixava tensa. O

Perfume do Céu do Egito fazia de seu coração um

Novo Templo em que o encontro com a Revelação

Quebrava sua vida terrestre em cacos – mas um Foco

Divino, maior que o Sol, expandia os vestígios do

Eu no seu corpo, saciando-lhe uma sêde inesgotável

Do Inaccessivel.

Baco e os outros deuses da Mitologia Romana, que lhe

Trairiam, agora?

O tambor das Bacantes, a levaria a um encontro com

Um deus.

A Flagelação a despiria das culpas que a privavam de

Dançar com os elementais que eram a côrte da Energia

Dos deuses – e após isso, Luna diria: 
 

- Faça-se – e era feito! Clarisse