Pode parecer "uma semente", pois é um "inicio" sem principio e sem fim.
Algo que lateja no Cosmos, no Universo, e "para além" de onde pensamos que vemos, e por onde "começamos", sem que possamos "isolar" para podermos ter ciencia de ter identificado.
Lateja ao mesmo tempo em nós e no Universo.
Lateja em nossa Alma e no Cosmos.
É "uma percepção" cuja identificação não está "diante" de nós, porém em nós, tanto quanto no Cosmos como no "Incriado" para que possa ser identificado, no mesmo instante em que o Eu é anulado.
A anulação do Eu, identifica o Ser com a Divindade.
O "Pulsar" dos Astros, já é percebido, pela potencia do individuo que sabe relacionar o pulsar do Coração, com o Infinito Creado, para crer que a Eternidade Infinita e o Ser, ainda
é a Mesma Coisa.
                                                                             clarisse