PARA ROGEL SAMUEL

Isaac Melo

 

por ocasião de

seus 72 anos

 

 

O professor, o crítico, o esteta

  amazônida com alma de poeta

Nas veias corre o Amazonas selvagem

  e na palavra, a beleza e a coragem

Filho das águas, das matas e de tupã

  com a ternura indígena e a força alemã

Vai o cronista pelo mundo afora

  plantando sonhos e memórias

Porque a magia não deve cessar

  e o destino do homem é amar

Experiente e altaneiro

  como uma samaúma ou açaizeiro

Percorre as ruas e praias sob as bênçãos

  de são Sebastião do Rio de Janeiro

Poeta a tua nau

  que começou a viagem ainda em Manaus

Tem muito mar para divisar

  porque a vida é eterno caminhar

 

Oh deuses, deem-me a magnitude de uma sinfonia de Brahms

para agora louvar o grande Amante das Amazonas