Paulo Coelho - Revista Jornal "O Globo" de Domingo- 7 de junho de 2009

C) A maturação. Existe um tempo em que a obra se escreve sozinha na alma do autor - antes que este se atreva a manifesta-la. No caso da literatura, por exemplo, o livro está
influenciando o escritor, e vice-versa. É a esse momento que o poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade se refere, ao dizer que jamais devemos tentar recolher os versos que se perdem, pois eles não mereciam ver a luz do dia. Conheço gente que, durante a maturação, fica compulsivamente tomando notas de tudo que passa pela cabeça, sem respeitar aquilo que está sendo escrito no inconsciente. O resultado é que as notas, frutos da memoria, terminam atrapalhando os frutos da inspiração. O criador precisa respeitar o tempo de gestação, embora saiba que - assim como o agricultor - ele só tem parcial controle do seu campo. Está sujeito a seca ou a inundações. Mas, se souber esperar, a planta mais forte, que resistiu às intempéries, virá à luz com toda sua força.

A Iluminação, é a Veracidade do Trabalho. Seja qual for a missão, o trabalho, sem Luz,
nada resiste ao Tempo. O Tempo, dizem os orientais, não existe, é uma Ilusão. A Luz, sendo a Verdade, é zelada pela Divindade. A Eternidade, da qual não podemos ter ainda uma idéia real, e quando a tivermos, o Eu desaparecerá, porque o homem, enquanto homem, não tem concepção sobre "o que é" a Eternidade. A Eternidade está na Criação,
mas o homem, apesar de "Criado", enquanto homem, não tem como concebe-La. A Iluminação, mostrará outro aspecto, que destruirá muito sofrimento, sofrimento este, fruto
do que é humano.