O Papel da Personalidade



Isso por que trabalhamos o "tempo todo" e defendemos como uma fortaleza a defender, se dissolverá, em "Deus," porque "personalidade" é defendida por nós, e "Deus" não "se interessa" por personalidades.
Nós não evoluimos, são os atributos que evoluem.
Até um certo ponto, é consentido que a "personalidade" comande o espetáculo, mas chega o momento que a "ação", o Sahu, começa a se apoderar da regencia.
O desprendimento de Si Mesmo, passa a ser "apenas uma observação" e a entrega à "Deus" é apenas o zêlo "do que restou" e que ainda necessita um pouco de "nossa Personalidade".
O Buda desaparece; mas, a Essencia despertada não está sem fiscalização.
É para isso que vivemos, Até um Certo Ponto.