O INTERVALO 

     Sou uma mulher do Egito 

     Em minha terra, 
     tudo é governado pelos deuses 
     nossa vida, até no " Antes" 
     depende dos deuses 

     O vento do Deserto 
      passa pelas esquinas das ruas, 
      arredonda as quinas das casas, 
      no seu revoltear violento 
      deixando um rastro de areia 
      entre nossas moradias 

      A água dos poços, 
      que abrimos nas margens do Nilo, 
      nos refresca, 
      salvando nossas idéias 
      para as poesias criadas 
      que escaparam 
      do Governo dos Sentidos 
            dos Deuses 

      Oh, Isis! 
      Deixa-me errar! 
      Deixa-me sorrir! 
      Deixa-me amar, 
      porque no Caminho para Osiris, 
      não sei que face 
      irá valer!