Livre des Morts des Anciens Egyptiens - Grégoire Kolpaktchy



Bem Aventurados os que, no Lado de Lá,
Contemplando em paz seus restos mortais,
Este dia abençoado onde Osiris, "Deus-do-Coração-Retido",
Desce planando sobre seu despojo!
Na verdade, eu sou aquele
Que caminha para a plena Luz do Dia!
Na presença de Osiris eu me torno o Mestre da vida.
Meu Ser é e sempre inalteravel e eterno;
Eis que abraço o Sicomoro sagrado;
Ele, de volta, me abre seus graciosos braços...
Chegando diante do Olho de Horus, eu tomo dominio.
(Que ele reine em paz sobre os Mundos !)
Eu contemplo Ra se pondo;
Assim que ele aparecer na Aurora,
Eu me unirei ao seu Sopro vivificador...
Puras são minhas mãos, quando eu o adoro.
Possam todas as partes do meu Ser
Guardarem por completo sua coesão.
Que elas não sejam dispersas!
Eis que vôo como um pássaro
E que desço planando sobre a Terra...
Segundo caminho, devo seguir
o traçado dos meus atos anterioes,
Pois eu sou um Filho de Ontem (designando o seu Karma)
As duas divindades Akeru presidem o meu regresso à Vida
Que a poderosa Terra me proteja, no momento do perigo,
Com seu proprio Vigor!
Que o deus poderoso que caminha atrás de mim,
Enquanto me dirijo ao Lado-de-Lá,
Me tenha em sua boa guarda!
De maneira que minha Carne seja cada vez mais forte e sadia,
Que meu Espirito santificado guarde sempre sobre meus membros,
Que minha Alma os cubra e os proteja com suas asas,
E que ela lhe fale docemente, com amizade...
Possam as Hierarquias divinas escutarem minhas palavras!
Possam elas ouvirem minhas palavras!

Se o defunto conhece este capitulo, ele poderá após a morte, sair para plena Luz do Dia;
ele não encontrará obstaculos nas portas do Mundo Inferior seja em lhes penetrando, seja
em lhes quitando. Ele poderá passar a vontade por todas as Metamorfoses. Ele não morrerá (segunda morte). Sua alma irá longe. Por outra, se ele conhece este capitulo, ele será vitorioso tão bem na Terra como no Lado-de-Lá e ele poderá cumprir todo ato que seja capaz um ser humano vivente sobre a Terra. Em verdade, isto é um grande dom dos deuses.
Este capitulo foi encontrado durante o reinado do rei Men-Kau-ra (2.700 a.c. J.C.) na cidade de Khemenu, aos pés de uma estátua do deus Thoth. Ele foi gravado num bloco de ferro e a inscrição incrustada com o verdadeiro lápis-lazuli. O achado foi feito pelo principe real Herutataf durante sua viagem de inspeção dos templos. Um certo Nekht, que o acompanhava, conseguiu decifrar o sentido oculto. Em seguida, o principe, se dando conta do grande misterio contido na inscrição que nenhum olho humano jamais havia contemplado antes, a mostrou ao rei.
Aquele que recita este capitulo, deverá ser ritualmente puro. Ele não deverá comer carne dos animais do campo, nem de peixe, nem ter sexo com mulheres.
Fazer um escaravelho de pedra tendo uma borda de ouro e o colocar no interior do coração do defunto; este amuleto fará por ele como a cerimonia "da abertura da boca".
O untar com a pomada Anti pronunciando a formula magica.

O Vir-A-Ser está oposto à imutavel Eternidade (o plano mental), região muito longinqua, para o antigo Egipcio, de uma experiencia vivida, imediata: ele sentirá mais tarde, ele a recordará, ele a verá como um paraiso perdido. Para perceber o sentido disto, ele precisa comparar a atitude do antigo Hindu tratando o Absoluto e a Eternidade de igual para igual, os olhando friamente nos seus olhos, com o sentido do Egipcio, pleno de saudades nostalgicas, lembranças romanticas, idealismo desenfreado...
...as tentativas de síntese entre Platão e Aristoteles e, finalmente o retorno ao Absoluto em Plotin, que trouxe de seu Egito natal o ensinamento dos santuarios iniciaticos...