Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 25 de maio de 2017

Os Olhos do Silêncio

CHUVA NA ALMA DO RIO

Correm pelo rio
flores sem perfume
e as faces do silêncio.

Correm as águas de dezembro
e a malícia das margens
germinando inundações.



UTOPIA

Descobri o Brasil
na brasa
que queimou
 as árvores
 da
 E
 S
 T
 A
 D
 A



À SOMBRA DOS COQUEIROS

As ondas na areia
arrastam os ventos áridos
e limpam os olhos das varandas.

As ondas na areia
aposentam o tempo
e o velho garimpa Debussy

  a
 n  s
 l  s
      u      a

das deusas de vidro.



PERIPÉCIA URBANA

No cio do trânsito
o edifício faz travessuras.

As vidraças do prédio
acompanham os dragões
nas blusas das passantes
e das janelas dos apartamentos
a distãncia entre os mundos
curva-se aos breves versos
dos olhares.

Além da fronteira das ruas
o observador conta
nos detalhes da tarde
as pétalas das roas.

 

 



POR-DO-DIA

A cara
e o coração
do sábado
cortam o sabor da avenida.

A cara
O coração
O sábado
A avenida

O coração
O sábado
A avenida

O sábado
A avenida

A avenida



Primeira123456Última

Compartilhar em redes sociais

Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Outras Obras

09.04.2010 - O morro da casa-grande

Poemas | Comentários

16.03.2005 - + Hum Poemas

Poemas | Comentários

17.03.2001 - Sabor dos Sentidos

Poemas | Comentários

16.03.1999 - Os Olhos do Silêncio

Poemas | Comentários

16.03.1997 - Colméia de Concreto

Poemas | Comentários

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br