Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 23 de junho de 2017

Os Olhos do Silêncio

Por: Ari Lins Pedrosa

"O trato de Dílson com a poesia é mágico. Ele sabe trabalhar a linguagem, sem ficar preso ao exagero lingüístico. Na economia de palavras, apresenta um retrato poético verdadeiro, em que cada palavra busca no leitor a dicotomia de suas imagens poéticas."

Por: Luiz Paulo Bastos Cerejo

"O HOMENZINHO que sou vibra em ser um PASSAGEIRO DO SOL. É bem verdade, O OUTRO LADO DA FACE existe, pois vivemos na dimensão da dualidade. Assim, inicia-se o PRENÚNCIO DA AURORA, do conhecer O MUNDO VISTO POR DENTRO: O ROSTO QUE SE REFAZ, que só mostra o sorriso da aceitação consciencial, como a estar Á SOMBRA DOS COQUEIROS. Nenhuma PERIPÉCIA URBANA é capaz de atravessar um SAMBA NA AVENIDA. O GALOPE DAS ESTRELAS é de tal ordem, de tal magnitude, que mesmo sem tempo de nos vermos, de nos examinarmos, nos sentimos vestidos com uma ROUPA NOVA. Os OLHOS NO INFINITO acompanham a VELOCIDADE MÁXIMA delas.

Nesse estado de êxtase, diante do cosmo, o mental inferior, horizontal, racionalizador e conceituador pára. Nessa dimensão sutil, o CANIBALISMO preconceituoso se extingue. É como se vestisse uma camisa-de-força, a viver numa eterna TARDE NEGRA. Um SONHO ENTRE GRADES de seu inconsciente, produzir-lhe-ia a sensação depressiva, que só O MISTÉRIO DOS DESERTOS é capaz de produzir. Uma ESPERANÇA EM FORMA DE NUVEM, no entanto, pode acenar com um outro MUNDO DIANTE DO SERROTE, a dizer-lhe que o FAROL DO APOCALIPSE tem a função, somente, de amedrontar.

Não há, realmente, nenhum interesse neste TIC TAC desse relógio a marcar um fim de mundo inexistente. Há, sim, FOLHAS QUE CAEM; que se locupletaram com os efeitos psicológicos lançados POR TRÁS DAS PALAVRAS e usadas como um CARROSSEL qualquer, para mais ludibriar. Este CORPO INCANDESCENTE é que morre, tem que explodir, a fim de que o ambiente planetário, neste POR-DO-DIA, sinta a CHUVA NA ALMA DO RIO, do seu rio, de si próprio, na direção do oceano. DE CORPO E ALMA, então, o viajante sente NAS CORDAS DA VIOLA a musicalidade contida em sua profundidade. Tudo de fora se torna qualificado, como se fosse UMA PARADA PARA A PASSAGEM DA MUSA.

Aí, O POETA CONTEMPLA A LUA, sem a SEDUÇÃO DO DESEJO. Ele já é o puro observador, a contemplar a beleza da natureza, onde se acha incluso. Os mínimos detalhes o extasiam. O VAGA-LUME VOA NA TARDE e ele o vê como um ANTÍDOTO PARA RESSACA.

Que (IN)DECISÃO pode ocorrer quando floresce a conscientização? Nenhuma. Afinal, OS OLHOS DO SILÊNCIO de DÍLSON LAGES MONTEIRO, nos ofertaram a decisão, a autenticação, a verdade, a compreensão."



Por: Ronaldo Cagiano

"Mais uma vez, a leitura de sua poesia, neste novo livro, me dá a clara esperança de que há uma nova geração de poetas, preocupada em escrever não apenas com os sentidos, mas com a responsabilidade estética, sem descuidar da técnica, sem menosprezar a forma, sem transigir com relação ao conteúdo. Você tem domínio da linguagem, não se perde em desnecessárias deambulações estilísticas, é signatário de um texto contido, enxuto, que comunica objetivamente. Com Os Olhos do Silêncio, podemos enxergar uma nova fronteira na sua produção, pois como bem realçou o agudíssimo Caio Porfírio Carneiro, és lavrador de uma poesia totalizante, porque autêntico garimpeiro da alma e da vida, alcançando plena universalidade em seus temas."

Por: Írmã Marisa Fillet Bueloni

"Dílson, sua poesia é quase calmaria... Vai despertando nossa alma para aquelas imagens interiores que todos construímos ao longo da vida... Um amanhecer, o céu rasgado de cores, a escuridão, os sinos, as tempestades, as palavras secas, os relógios, as horas e nossa insubmissa ansiedade..."

Por: Fernando Sabino

"Li seu livro de poemas com o maior interesse e encantamento, por se tratar de uma obra de merecido sucesso literário."

Primeira12Última
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Outras Obras

09.04.2010 - O morro da casa-grande

Poemas | Comentários

16.03.2005 - + Hum Poemas

Poemas | Comentários

17.03.2001 - Sabor dos Sentidos

Poemas | Comentários

16.03.1999 - Os Olhos do Silêncio

Poemas | Comentários

16.03.1997 - Colméia de Concreto

Poemas | Comentários

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br