[Dílson Lages Monteiro]

Poema em homenagem a Barras do Marataoã em seus 177 anos

 

Andastes tão distante

em terras que desconheço:

tua sombra incógnita

trazia contigo

a luz dos mistérios

de tua face fria.

 

Andastes tão distante de ti

que reconhecestes

no espelho da poça d’água

a face em vão perdida.

 

Andastes tão distante

e tão perto de ti

nos olhos circulando

em teu rosto

encontrastes em pedaços

a paz para sempre

descoberta.