[Maria do Socorro Rios Magalhães]

Elmar Carvalho, poeta com vários livros publicados, apontado pela crítica como autor de poemas dos mais inventivos e inovadores da literatura   piauiense, surpreende os admiradores da sua obra poética, ao publicar sua primeira obra de ficção em prosa, o romance Histórias de Évora.

Embora não seja incomum escritores exercitarem-se em ambos os gêneros - lírico e narrativo - trata-se de diferentes posições de expressar uma visão de mundo, posto que, na poesia, o eu lírico envolve-se com aquilo que expressa, predominando, portanto a subjetividade, enquanto na narrativa, o sujeito narrador busca distanciar-se do objeto narrado, almejando apresentar com objetividade a sua visão de mundo. (STAIGER, 1975)

Nos seus estudos de estilística sociológica, Mikhail Bakthin (1990) aponta que o romance e a poesia têm estilos radicalmente opostos. O romance representa esteticamente o dialogismo da linguagem e arrasta para seu estilo características estilísticas de outros gêneros, enquanto a poesia prima pela pureza estilística, não permite que o dialogismo da linguagem se manifeste e só deixa falar uma única voz: a voz do eu lírico. Aristóteles, (1998) muito antes de Bakhtin, já dizia que na poesia lírica, o poeta fala em seu nome expressando a si mesmo, enquanto na narrativa, o autor se manifesta também através de personagens. Esta ligeira referência à teoria do romance de Bakhtin tem como justificativa apenas destacar que Histórias de Évora, de Elmar Carvalho atende àquilo que o teórico russo estabelece como uma obra romanesca, ou seja, para reconhecer que o poeta escreveu um romance.

Lendo a lúcida apresentação do livro, escrita pelo crítico e professor Cunha e Silva Filho, que faz uma análise muito pertinente do romance de Elmar, identificando, neste, características tipológicas do romance de formação, percebe-se que, de fato, o autor aproveitou-se da tradição alemã do Bildungsroman, transportando o modelo idealizado por Goethe para o seu Wilhelm Meister. González (1997, p.177) assim compreende a origem e propagação desse gênero:

[...] o romance alemão iria assumir o ideário da Ilustração na obra de Goethe, Wilhelm Meister. De imediato, a crítica iria fundir o conceito de Building à forma narrativa que exemplificava sua realização, para criar a noção de um novo gênero, o Bildungsroman ou romance de formação.

Essa modalidade de romance, com larga difusão na Europa, tem, no Brasil, também os seus seguidores, uns mais outros menos fiéis. O maior expoente é, sem dúvida, Raul Pompeia com o seu famoso O Ateneu. Contudo, José Lins do Rego, com Menino de engenho Moleque Ricardo, Graciliano Ramos com Infância e até mesmo Angústia, que narra a trajetória do atormentado Luís da Silva incluem-se entre os romances brasileiros inspirados no Bildungsroman europeu. De autoria feminina, Perto do coração selvagem, de Clarice Lispector, poderia ser classificado como romance de formação, assim como muitos outros que acompanham o ideário de Wilhelm Meister, com maior ou menor fidelidade ao original.

Já no caso da Literatura Piauiense, pelo menos dois romances de formação podem ser registrados: Ulisses entre o amor e a morte, de O.G Rego de Carvalho, e Caminho de perdição, de Castro Aguiar.

            Este tipo de romance tem como principal característica apresentar um protagonista em uma jornada de crescimento espiritual, político, social, psicológico, físico ou moral. É o que ocorre com o personagem Marcos Azevedo, de Histórias de Évora, como muito bem observou Cunha e Silva Filho na sua Apresentação, pois o enredo acompanha o período que vai da adolescência do protagonista até a entrada na maturidade. Paralelo ao aprendizado do amor, vai se dando o aprendizado da literatura, pelo jovem Marcos Azevedo. À medida que vai depurando sua forma de amar, o protagonista vai depurando também a sua forma literária, perseguindo o ideal de perfeição que sempre move o personagem do romance de formação.

Concordando com Bakthin ao afirmar que o romance é gênero que permite maior liberdade criativa, misturando vários gêneros na sua estrutura, constata-se em Histórias de Évora a representação de vários outros gêneros, como bilhetes, letras de canções, poemas, anedotas, folclore, entre outros. Esse recurso que alguns chamam de intertextualidade, Bakhtin (1990) denomina como hibridismo, ou seja, mistura de gêneros, fenômeno estilístico próprio do gênero romanesco.

Na ânsia de abarcar o maior território narrativo possível, Histórias de Évora não se contenta com apenas um narrador. A narração é feita por um narrador em terceira pessoa que acompanha a evolução do jovem protagonista até a idade adulta. Porém, ao chegar ao décimo primeiro capítulo, este narrador em terceira pessoa dá a palavra ao protagonista Marcos Azevedo, que passa também a exercer a função de narrador, utilizando a primeira pessoa, de modo que os dois narradores vão conduzindo o processo narrativo até o final do romance. Enquanto o narrador em terceira pessoa dá conta da trajetória de crescimento do protagonista, o narrador em primeira pessoa assume um tom memorialístico, anunciado, logo de início, pela citação de Marcel Proust. Assim, não deixa dúvida de que esse narrador recorre à memória para contar, em paralelo com a sua própria história de vida, a história da cidade onde vive, ou seja “as histórias de Évora”. Temos, portanto, justapostas, duas narrativas, que compõem a estrutura do romance de Elmar Carvalho.

O espaço do romance é a fictícia cidade de Évora, referência à histórica cidade lusitana, conhecida como a capital do Além Tejo, reconhecível, entretanto, para os leitores piauienses como a Princesa do Igaraçu, a também histórica cidade da Parnaíba do estado do Piauí. A cidade está toda lá, com seus casarões, o Porto das Barcas, o meretrício à beira do rio, as grandes casas comerciais de importação e exportação e muitos outros pormenores que identificam a Parnaíba dos anos 70 e 80 do século passado.

O discurso da história socioeconômica do Piauí se entrecruza com o discurso romanesco, seja na fala do narrador em terceira pessoa, seja na fala do outro narrador, em primeira pessoa. Desse modo, Histórias de Évora, se mostra como texto pluriestilístico, pluridiscursivo e plurilíngue,características, que, segundo Bakhtin, definem o gênero romance.

Concluindo esta breve notícia da publicação Histórias de Évora, só resta assinalar que o romance de Elmar Carvalho enriquece a literatura piauiense, ousando retomar a temática da formação de um jovem, apropriada da tradição europeia e ainda pouco desenvolvida por autores piauienses. Mas não só por isso, também pelo estilo, que rompe com a linearidade e inova o processo narrativo, recriando formas de contar histórias que prendem o leitor e deixam a impressão de ter vivido também a experiência existencial do jovem herói que narra e é também narrado nasHistórias de Évora. 

REFERÊNCIAS

ARISTÓTELES, HORÁCIO E LONGINO. A Poética. Clássica. São Paulo:  Cultrix, 1998

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 1990

CARVALHO, Elmar. Histórias de Évora. Teresina: Academia Piauiense de Letras, 2017. Coleção Século XXI.

GONZÀLEZ, Mario M. Romance de formação e romance picaresco: uma questão de identidade. In: REIS, Lívida de Freiras (coord.) Estudos &Pesquisas: fronteiras do literário. Niterói-RJ: Universidade Federal Fluminense, 1997

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975