Miguel Carqueija

Calma, não se assustem. A invasão é real, mas humilde e pacífica. Falo das levas de venezuelanos — milhares, inclusive índios — que atravessaram a fronteira e se refugiaram na região norte de nosso país, fugindo da fome e das perseguições do regime comunista de Maduro.
A grande mídia, que está dando espaço prioritário para as crises da corrupção e do entrechoque entre os cinco poderes da república, tem sido bastante omissa em relação a esse problema. Olhando por esse lado o Brasil ainda é privilegiado: aqui o principal problema, além do combate á corrupção e da deterioração da educação, saúde e segurança, é barrar uma nefasta reforma previdenciária. Problemas seríssimos, sem dúvida. Mas lá na Venezuela o problema agora é ter o que comer. A fome na Venezuela só não chega ainda a igualar a do Sudão do Sul, mas pode chegar lá.
Por que a nossa mídia fala tão pouco no assunto? Porque o Brasil é grande demais, tem dimensões continentais e nós aqui no sul e no sudeste, ou mesmo o pessoal de Brasília, devemos achar o norte muito distante e vago. Mas não era para ser assim. Roraima, Amazonas, Pará, Acre, Rondônia, Amapá, tudo é Brasil.
Nosso governo devia se manifestar, participar da pressão para que seja afastado o governo fascista e ditatorial de Maduro, que inclusive está reprimindo com violência as manifestações de um povo desesperado, e as mortes estão ocorrendo. Não que isso interesse às esquerdas brasileiras, em especial a esquerda do PT. Afinal, Maduro é um dos amiguinhos internacionais dos petistas, de Lula e Dilma. “Dize-me com quem andas e te direi quem és”.
Há muitos anos atrás nosso grande Gustavo Corção, espantado por ver que ainda se dava crédito ao socialismo, perguntou pateticamente quantas esfomeações teriam de haver ainda, para que o mundo se convencesse de que essa doutrina não presta. Corção morreu em 1978; e muita gente ainda não aprendeu.
É preciso entender que o problema é de fato muito sério. O Norte já é assaz pobre. Essas pessoas que vieram para cá não trouxeram empregos com elas. Como absorvê-las se na própria população do Brasil já temos 14 milhões de desempregados?
O que é que o governo Temer está fazendo em relação ao assunto?
Isto precisa servir de alerta ao nosso povo, em especial ao nosso eleitorado! Se o PT voltar ao poder — e o PT é tão comunista quanto Fidel e Raul Castro, Chavez, Maduro e Evo Morales — nós corremos o risco de cair sob o mesmo triste destino dos nossos irmãos venezuelanos. E em mais alguns anos nós brasileiros é que, sem comida, estaremos atravessando em hordas a fronteira da Argentina.
Rio de Janeiro, 23 de junho de 2017.