São muitos os que voam, os que voam
Tomando várias direções;
Pássaros noturnos, pássaros aquáticos.
Voam gaivotas, voam jacutingas,
Voam pernaltas, voam socó-bois. . .
Às vezes avançam em bandos cerrados
Fugindo da noite.

Voam garças em linhas cruzadas
Como se saíssem juntas de um ninho
Como se fossem pousar na esfera entrecortada
E fazer surgir um voo maior.


Voam garças ao alto
De agudo bico, como os das gaivotas.
Voam planando, as asas ao vento pairando.
Na retaguarda vem um voo mais alto
Seguindo os pássaros que passam


As asas desse voo vão fugindo
Muito longe e muito altas.
No seu voo sereno
Há um canto de elegia:
A elegia dos pássaros voando.

 

 

Do livro O interior da matéria