Miguel Carqueija

 

Resenha da novela “Feroz simetria”, de Roberto de Sousa Causo. Nova Coleção Fantástica 4, fevereiro de 2004. Edições Hiperespaço, São Bernardo do Campo - SP. Capa: Cerito. Prefáco : Cesar Silva.

 

            Um livro mais do que surpreendente, na verdade um conto extenso e publicado originalmente no exterior, em inglês, como narra o autor em seus agradecimentos, e ornado com ilustrações de Jin Gruss (República Checa) e Petri Hiltimen (Finlândia).

            O protagonista-narrador é um agente federal brasileiro, amigo de um tigre siberiano falante. Sim, porque nesse mundo de um incerto futuro os animais passaram a falar, tornados inteligentes por obra e graça de misteriosos alienígenas que sequer aparecem na história. Esses assim chamados Novos Bichos, por contrariarem poderosos interesses, são perseguidos em vários países porém protegidos no Brasil, e ajudam a combater o tráfico de animais e outras mazelas da civilização humana.

            É preciso lamentar que o livro não tenha sido revisado, pois está repleto de erros de digitação que truncam o texto. A mensagem, porém, é muito válida, inclusive ao apontar a corrupção das autoridades, que abandonam a quem deveriam defender. Causo trabalha com a consciência do dever, mesmo se for à custa da própria vida. O diálogo com a corrupta agente Melinda — envolvida na emboscada contra Nadezhda, o tigre, é esclarecedor:

            “Está cometendo um grande erro, amante dos animais. (...) Você não pode ficar no caminho das forças que estão em jogo agora. (...)

            — (...) Se cometi um erro nas minhas escolhas foi há muito tempo atrás. Você não entendeu isso, e nem Ribeiro. Este é o seu engano.”

            Para os aficcionados de uma ficção científica consciente e engajada é livro qye recomendo e aplaudo.

 

Rio de Janeiro, 12 e 13 de julho de 2010.