Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
Tamanho da letra A +A

Teodoro de Carvalho e Silva Castelo Branco

BIOGRAFIA

Aguarde



AMOSTRAGEM

TRANSFORMAÇÃO


    *Teodoro de Carvalho e Silva Castelo Branco ( o poeta-caçador)

 

Não pretendas, ó tu que me interrogas,
Saber a causa porque vivo mudo;
Basta que saibas que dizer-te tudo,
Fora impossível, - tentaria  em vão!
Dir-te-ei apenas que quebrei  a lira...
Que entregues  ao ócio o arcabuz descansa!
Jaz desprezada, para um canto, a lança!
Enferrujou-se o cortador facão!

 

Essa buzina que escutavas pasmo,
De sustos cheio, de terror - tomado,
Já crendo ver-me num momento dado,
Com fero tigre em temerosa ação,
Já não provoca o canguçu potente,
Imitando, alta noite, os seus rugidos;
Nem ao menos responde aos seus bramidos,
Quando nos vales ribombando vão!...

 

Os cães valentes, que comigo viste,
Nas grandes lides de sangrenta guerra,
- um após outro - vi cair por terra,
Vítimas sendo de infernal traição:
- Tremenda onça, em ciladas destra,
Da vida o fio lhes rompeu nas patas!...
Hoje? - campeia, sem temor nas matas,
Nas mesmas matas, que temera então!...

 

Rompi as vestes de macias peles,
Com que nas brenhas penetrava ousado,
Buscando as feras no seu próprio estado,
Onde os mais fortes, mais ferina são!...
Hoje - recordo com pesar acerbo,
Os próprios feitos, que cantei na lira;
Inda minhalma, sem querer suspira
Por essas glórias, que passadas vão!...
...............................................................

 

Para mim tudo mudou-se!
Todo o meu ser transformou-se;
Tomei ao bosque aversão!
Hoje só busco acabá-lo,
A ferro e fogo arrasá-lo,
Torná-lo em cinza e carvão;

 

                                            Com as foices recurvadas
                                            Vão-se as vergônteas delgadas;
                                            Formando lastro no chão;
                                            Depois - dos rijos machados.
                                            Anosos troncos cortados,
                                            Um por um tombando vão!...

 

São alguns dias passados,
Do ardente sol abrasados;
Os ramos secos estão;
É tempo pois de queimá-los,
Tomo de fogo um tição.

 

                                           Já vai o fogo ateando,
                                           E, pouco a pouco, aumentando,
                                           Breve semelha um vulcão!
                                           Sobem chamas pavorosas,
                                           Estrepitantes, ruidosas;
                                           É tudo horror, - confusão!...

 

Vão densas nuvens de fumo,
Para o céu se erguendo a prumo,
- Do sol se abafa o clarão!
Correm feras - pressurosas,
Espavoridas, medrosas...
E muitas queimadas são!

 

                                          O imenso combustível,
                                          As chamas com sanha incrível
                                          Devoram, - famintas são!...
                                          Mas, por fim, vão-se acalmando...
                                          Vão-se pouco a pouco chegando
                                          Da queimada o gavião.

 

Já se nota um grande bando
Diligente, procurando
A sua alimentação;
Lançam-se as serpes queimadas
E as muitas caças - coitadas!
Desfeitas quase em carvão!...

 

...................................................

 


                                           Por longo tempo, pasmado,
                                           O grande estrago causado
                                           Eu notei horrorizado!
                                           Voltei a cãs pensando;
                                           Repassei pela memória
                                           A minha passada glória
                                           Que, só nos fastos da história,
                                           Inda se vai conservando.

 

De dor e mágoa oprimido,
Pelos remorsos - ferido,
De susto e frio transido,
- Vi-me prostrado por terra!
Desperto já do letargo,
Deixei correr pranto amargo!
Desejei ter novo encargo,
Que desse direito à guerra!

 

                                           Ser poeta? - era impossível!
                                           Ser caçador? - nem é crível
                                           Julguei, então preferível
                                           Transformei-me emlavrador;
                                           Havendo nisso assentado,
                                           Voltei de novo ao roçado,
                                           Levando foice, machado,
                                           Saco, enxada e cavador.

 

Desde então vou, cada dia,
Destruindo... quem diria!
Sem pesar, sem alegria,
As selvas que tanto amei!
Foi uma resolução
Tomada de coração,
Que já hoje é vocação;
Se obro mal nisso... não sei.

 

.............................................

 

                                           Mas sei que assim a vida vou passando,
                                           Sem do mundo ocupar-me e seus cuidados;
                                           Buscando tão somente utilizar-me
                                           Dos frutos que me dão os meus roçados.

 

Agora, em conclusão, eu vou dizer-te
Tudo quanto dizer-te acho possível...
O que fica em silêncio a mim pertence:
Não tentes pois saber o impossível!

 

Não temo de cupido a seta ervada:
O travesso menino não me ofende:
Jamais dum falso deus serei ferido,
Que, em Deus, o verdadeiro, me defende!...

 



Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br