Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 19 de dezembro de 2014
Tamanho da letra A +A

Nogueira Tapety

Nogueira Tapety AMOSTRAGEM

O Mocha

À memória do Coronel Luís de Morais Rego

Cristalino a rolar, num rumor de águas claras
Desce o Mocha espumado, em cachões e cachoeiras,
Marulhoso a regar essas paisagens raras
Que são todo o esplendor dos subúrbios de Oeiras

Milheirais e arrozais em sussurrantes searas
Cobrem-lhe fartamente as férteis ribanceiras
Orladas de festões de fidalgas taquaras
E de esbeltos perfis de esbeltas carnaubeiras.

Rio de água lustral como a água de Castália
Que por tudo o que banha um vigor novo espalha
Fecundando e florindo o solo piauiense!

Tu és bem nosso Marne a transbordar de glória,
Cujo nome resume as grandezas da história
Dos heróicos sertões da terra de Mafrense.

Oeiras – 1915

Maio

Coroado de pâmpanos e rosas
Como um Deus formosíssimo da Héllade
Maio chegou com suas vaporosas
Manhãs de transparente claridade.

As mulheres se tornam mais formosas,
Há mais luz, mais amor, mais mocidade,
E dos vales às serras alterosas
Elevam-se hinos à fecundidade.

Maio! os grajaús vão decorando a mata,
E a jitirana a flor azul desata
Para a elêusis da vida vegetal.

Reina o sol, reina o amor por toda a parte,
Em maio a vida é toda um tema de arte
Nesta formosa zona tropical.

Oeiras – 1915

Olhos

Olhos – fonte de luz em que tive o batismo
Da Religião do Amor em que eu era profano,
E hoje acredito, imposta a todo o ser humano
Pela regra geral do cego fatalismo.

Nas horas de lazer, nas horas em que cismo,
Sonho dos olhos teus o clarão meridiano,
Na minh’alma o vazar seu fogo soberano
E doce e sedutor, como atrações de abismo.

Teus olhos para mim são como o sol de inverno
Que fecunda a semente abandonada à cova
E que a terra acolheu no seu seio materno:

Duvidava do amor – eles deram-me a prova
De que existe, e, me impondo este gozo superno,
Acordaram-me n’alma esta virtude nova.

Teresina – 1915

VERÃO

O verão nesta terra é uma apoteose de ouro:
No ar, nos montes, no céu, na terra difundida,
Feericamente acesa, arde a essência de louro
Numa fulguração de flama enfurecida.

Do reino vegetal o pródigo tesouro,
Br ilha febril ao sol, numa messe florida:
Heliantos e paus-d’arco, onde a abelha, o besouro
Se vão nutrir de luz em pólen convertida...

A cigarra sibila o seu chiar penetrante,
E ao longe ouve-se a voz da araponga vibrante
Que estridula e retine a estridente canção;

E seja de manhã, meio-dia ou de tarde,
O sol dominador à cuja ação tudo arde,
Ilumina, flameja:...- é o Senhor do verão.

Oeiras – setembro – 1916

ALELUIA!
Este sol, esta paz, esta serra, este ar puro
Vêm de novo acordar meu Amor pela vida.
Schopenhauer reentrega o lugar de Epicuro
E a alma vibra feliz e rejuvenescida.

Já não sinto do tédio os tentáculos de aço
Qual polvo a triturar-me a origem do prazer,
E, hoje, em tudo o que penso e em tudo quanto faço
Br ilha, canta a alegria heróica de viver.

Despertam no meu ser energias estranhas,
Que vêm dar ao meu sonho asas fenomenais
E me tornam capaz de revolver montanhas
Para a consecução dos meus nobres ideais.

O espírito outra vez abre as asas liberto
Para audaz empreender a escalada da altura,
E, mais perto do sol, das estrelas mais perto
Cantar da vida eterna a eterna formosura.

No homem de espírito há por força qualquer cousa
Que o faz de alguma sorte igual às águias reais
Pois se o espírito de um só n’altura repousa,
A asa da outra somente a altura satisfaz.

É por isto que aqui nesta escarpa de serra,
Na vizinhança azul e sã do éter profundo
Passo o tempo melhor que já vivi na terra
Inteiramente estranho às misérias do mundo.

Oeiras – novembro – 1916

Fonte: http://www.fnt.org.br/

 



Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br