Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 24 de abril de 2017
Tamanho da letra A +A

Manuel Ricardo Lima

AMOSTRAGEM

A solidão

010599

 

Depois, ao lado da morada, a casa. O quarto, quase. Malogro: amor não tranqüilo. Vem de uma alameda e plátanos, tremores e revés. Degrada a impossibilidade, uma trempe. O que deveria, sexo. A porra devora a palavra não dita. Pudera, pudera: ah! - sensação de abandono.

 

 

 

A solidão

010599

 

Depois, ao lado da morada, a casa. O quarto, quase. Malogro: amor não tranqüilo. Vem de uma alameda e plátanos, tremores e revés. Degrada a impossibilidade, uma trempe. O que deveria, sexo. A porra devora a palavra não dita. Pudera, pudera: ah! - sensação de abandono.

 

 

Manhã

 

Ontem

o canto

da cotovia

 

esta manhã

: canto

de pardal

 

respingo

verão

porta aberta

 

boas vindas

a quem custa

chegar

 

 

 

Quarto

 

1.

A flor

Flor em
beirada de
janela

Bela
alguém
gritou

Falsa
responderam
de lá 
 

3. 

A geometria

Ano bom
passando
pela porta

da frente,
ano ruim
indo embo-

ra. Janela
ao lado
esquerdo

da casa 

2. 

A insígnia

Aprender
o rio Elba

esquecer
a arte da
guerra

andar
nada a
dizer 
 

4. 

A pedra

Desta casa
vai ficar a
memória

embora seja
assim a
pedra

silêncio e
manhã 



Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br