Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
Tamanho da letra A +A

Élio Ferreira

BIOGRAFIA

Aguarde...



FORTUNA CRÍTICA

BIOPOETAGRAFIA Prof. Antonio Wilson A. da Silva (Especialista em Língua Portuguesa) Élio Ferreira de Sousa, poeta piauiense(de Floriano-PI), caracteriza sua poesia com irreverência e simplicidade ao expor as emoções mais comuns, quase como um manifesto ao direito de estar vazio e provocar as musas silenciosas por um longo período de repressão à palavra. Élio marca a sua originalidade por vários meios, tem as emoções presas à terra natal; ouve atentamente a voz dos mais velhos e cultiva-lhes a grandeza e a altivez, face a uma miséria sem dono e sem poder. Nutre de memórias suas crenças na vida e faz do folclore a renda fina que o ferreiro talha na bigorna. “a linguagem é um girassol convergindo para o metal...” É do aprendizado com o pai e a tia flandreira que nasce seu olhar para o mundo de assombrações, lixo, urubus, girassóis, arco-íris nas tardes e nas manhãs em que o homem não se lembra do tempo em que se falava de dias melhores. Obscenidade, pateticidade, beleza, voz de quem ouviu raízes e não teme trazê-las ao sul-maravilha ou ao planalto das mordomias. A violenta aprendizagem do amor às margens do Parnaíba, onde o Riacho-da-onça é mensageiro das podridões dos sobrados para a população da pau-não-cessa. A fala popular, as crendices, faces da violência(o assassino lança ao formigueiro enquanto o morto transforma-se em opressor que vem do além) são elementos que mostram o lirismo do poeta. Élio é o poeta contra-lei, inversor, transgressor, contra tudo e contra todos. “Contra a mentira; a manipulação; as manobras; os esquemas das instituições públicas, privadas e eclesiásticas; contra os zoológicos e o confinamento dos animais no cativeiro; contra os presídios que desumanizam o Homem; conta as academias de letras e o comodismo estéticos dos seus poetinhas e seus elogios recíprocos de merda.” Élio abomina todas as formas de racismo, os neo-nazistas, os fascistas, os maniqueístas e todas as formas de preconceito. Élio representa na literatura piauiense o divisor das águas, a negação de todas as ordens estabelecidas nas artes, na política e na estética. É a negação de todas as verdades absolutas; como ele mesmo afirma: “Somos a falência e o caos de todas as formas de fazer poesia. Estamos p-da-vida com os ensaístas que falam de poesia sem mostrar a poesia do poeta para quem quiser LERcantarVERcantarDANÇAR.” “(...) um poema não é um jogo de azar.” “Somos a geração do medo e da crise mundial, somos o resultado e a falência da lei e dos sete pecados capitais.” A poesia de Élio é como se fosse a volta por cima do Anjo Torto. Élio trava, através da poesia, uma guerra contra os vícios e as baixarias da humanidade. É como uma maldição lançada sobre todas as verdades e erros. E. Ferreira representa a renovação da literatura piauiense, que tem ocorrido nos últimos anos: a fragmentação em múltiplas leituras, dinamitando o interior das palavras para encontrar a sua essência pela utilização de ora uma pirâmide, ora um gráfico eletrônico ou pela mudança brusca das fontes gráficas.



Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br