Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 01 de maio de 2017
Tamanho da letra A +A

Alcides Freitas

AMOSTRAGEM

O bambu

 

Exposto ao dia, à noite, à beíra da lagoa,

Onde se miram, rindo, as boninas do prado,

Vive um velho bambu, velho, curso e delgado,

A escutar a canção que o triste vento entoa ...

 

Jamais os leves pés de um trovador alado,

Desses que pela mata andam cantando à toa,

Pousara-lhe num ramo! Apenas o povoa

Alta noite, agourento, um corujão rajado ...

 

E vive, — arcaico monge a gemer solitário,—

­A sua dor sem fim, o seu viver mortuário,

Tristonho a refletir no fundo azul das águas ...

 

Como bambu da mata, exposto ao sol e ao vento,

Do deserto sem fim de meu padecimento,

Triste nos olhos teus reflito as minhas mágoas!. ..

 

(Alexandrinos, 1912)

 

 

Hamlet

 

Não sei que estranha dor meu peito dilacera,

Que esquisito negror meu espírito ensombra!

Tenho sorrisos de anjo e arreganhos de fera,

Sinto chamas de inferno e frescuras de alfombra!

 

Sou malvado e sou bom! Minh'alma ora é sincera,

Ora de ser traidora ela própria se assombra!

Que clamores de inverno e paz de primavera!...

Escarneço da morte e temo a minha sombra!

 

Nervo a nervo, a vibrar, misteriosa e vaga,

Anda-me o corpo todo a nevrose de um tédio,

Que dos pés à cabeça atrozmente me alaga ...

 

Onde um recurso ao mal que me banha e transborda?

Minha dor é sem fim! Eu só tenho um remédio:

O suicídio - uma bala.:. um punhal... uma corda!...

 

(Noturnos/inédito)



Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br