Dilson Lages Monteiro Sábado, 24 de junho de 2017
Tamanho da letra A +A

Alberto de Oliveira

BIOGRAFIA

Alberto de Oliveira foi, junto com Raimundo Correa e Olavo Bilac, um dos grandes nomes do Parnasianismo no Brasil. Conviveu pessoalmente com os maiores escritores de sua época e, tendo envelhecido tranquilamente, pôde ver a influência que sua obra teve sobre outros artistas e o fim do movimento literário de que fez parte.

Nascido em Saquarema (RJ), cursou depois humanidades em Niterói e formou-se em farmácia. Cursou por três anos a faculdade de medicina, onde foi colega de Olavo Bilac. Trabalhou como farmacêutico e chegou a cursar em São Paulo a faculdade direito. No Rio de Janeiro, foi oficial de gabinete do presidente do Estado e exerceu o cargo de diretor geral da Instrução Pública do Rio de Janeiro. Também foi professor da escola normal e da Escola Dramática e colaborou com diversos jornais.

Ficou famoso a casa onde residia na Engenhoca, em Niterói, com sua esposa. Era freqüentada, na década de 1880, pelos mais ilustres escritores brasileiros, entre os quais Olavo Bilac, Raul Pompéia, Raimundo Correia, Aluísio e Artur Azevedo, Afonso Celso, Guimarães Passos, Luís Delfino, Filinto de Almeida, Rodrigo Octavio, Lúcio de Mendonça, Pardal Mallet e Valentim Magalhães. Nessas reuniões, só se conversava sobre arte e literatura. Sucediam-se os recitativos. Eram versos próprios dos presentes ou alheios. Heredia, Leconte, Coppée, France eram os nomes tutelares, quando o Parnasianismo francês estava no auge.

Em seu primeiro livro, Canções Românticas, ainda era influenciado pelo Romantismo. Os traços da transição, porém, não passaram despercebidos por Machado de Assis, que em um ensaio famoso de 1879 assinala os sintomas de uma nova geração. Foi o próprio Machado que escreveu a introdução do segundo livro de Alberto de Oliveira, Meridionais, onde já estão todas as características do Parnasianismo: o forte pendor pelo objetivismo e pelas cenas exteriores, o amor da natureza, o culto da forma, a pintura da paisagem, a linguagem castiça e a versificação rica.

Tudo isso só se acentuou nas suas obras posteriores. Alberto é considerado um dos maiores cultores do soneto na língua portuguesa. Publicou o último de seus dez livros de poesia, Poesias Escolhidas, em 1933 e faleceu em Niterói, aos 80 anos, em 1937. Além de Póstimas, de 1944, outros livros com sua obra reorganizada foram lançados após a sua morte.

Principais obras:

Canções Românticas;

Meridionais;

Sonetos e Poemas;

Versos e Rimas;

Poesias completas;

Ramo de Árvore;

Poesias escolhidas.
AMOSTRAGEM

A VINGANÇA DA PORTA

 

Era um hábito antigo que ele tinha:

entrar dando com a porta nos batentes

— "Que te fez esta porta?" a mulher vinha

e interrogava... Ele, cerrando os dentes:

 

— "Nada! Traze o jantar." — Mas à noitinha

calmava-se; feliz, os inocentes

olhos revê da filha e a cabecinha

lhe afaga, a rir, com as rudes mãos trementes.

 

Uma vez, ao tornar à casa, quando

erguia a aldrava, o coração lhe fala

— "Entra mais devagar..." Pára, hesitando...

 

Nisso os gonzos range a velha porta,

ri-se, escancara-se. E ele vê na sala

a mulher como doida e a filha morta.

 
APARIÇÃO NAS ÁGUAS
 

Vênus, a ideal pagã que a velha Grécia um dia

Viu esplêndida erguer-se à branca flor da espuma

– Cisne do mar iônio

Desvendado da bruma,

Visão filha talvez da ardente fantasia

De um cérebro de deus:

Vênus, quando eu te vejo a resvalar tão pura

Do largo oceano à flor,

Das águas verde-azuis na úmida frescura,

Vem dos prístinos céus,

Vem da Grécia, que é morta,

Abre do azul a misteriosa porta

E em ti revive, ó pérola do Amor!

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.

 

 
VASO GREGO
 

Esta, de áureos relevos, trabalhada

De divas mãos, brilhante copa, um dia,

Já de aos deuses servir como cansada,

Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.

Era o poeta de Teos que a suspendia

Então e, ora repleta ora esvazada,

A taça amiga aos dedos seus tinia

Toda de roxas pétalas colmada.

Depois... mas o lavor da taça admira,

Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas

Finas hás de lhe ouvir, canora e doce,

Ignota voz, qual se de antiga lira

Fosse a encantada música das cordas,

Qual se essa a voz de Anacreonte fosse.

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.

 

 
LUVA ABANDONADA
 

"Uma só vez calçar-vos me foi dado,

Dedos claros! A escura sorte minha,

O meu destino, como um vento irado,

Levou-vos longe e me deixou sozinha!

Sobre este cofre, desta cama ao lado,

Murcho, como uma flor, triste e mesquinha,

Bebendo ávida o cheiro delicado

Que aquela mão de dedos claros tinha.

Cálix que a alma de um lírio teve um dia

Em si guardada, antes que ao chão pendesse,

Breve me hei de esfazer em poeira, em nada...

Oh! em que chaga viva tocaria

Quem nesta vida compreender pudesse

A saudade da luva abandonada!"

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.

 

 
NOTAS DE UM VERANISTA
 

(fragmentos)

7 de fevereiro

O meu último pensamento

Ontem, antes de adormecer,

Não foram nem podiam ser

Os morangos que nos serviu o hotel sempre avarento.

Não foram dessa guerra assombros

Que se contam descomunais;

Eu hoje dou a tudo de ombros,

Pouco me importam paz ou guerra, e não leio jornais.

O meu último pensamento,

Fique bem anotado aqui,

Foi ela, o meu doce tormento:

Vinte vezes disse o seu nome – Élena – e adormeci.

17 de fevereiro

Nunca lhe disse o que por ela sinto,

Nunca lho hei de dizer,

E digo-o a tudo, digo-o ao seu perfume

Que fica por onde ela passa;

Disse-o a uma flor que lhe caiu do cinto

Na varanda, ao escurecer;

A um rude banco onde ela esteve, disse-o;

Digo-o, supondo-os ser seu rir que esvoaça,

A toda borboleta ou vagalume;

Digo-o – ela é meu enlevo e meu suplício!

Em calma ou em excitação

Digo-o, falando ou mudo,

Digo-o em sonho e acordado,

A tudo o tenho dito e o digo a tudo...

A ela, não.

27 de fevereiro

Vim

E achei vazio de hóspedes o hotel.

Haviam todos ido

Em tropel

A ver um destemido

Aviador que do Rio, em ascensão estranha,

Viera ter num só vôo a este alto de montanha.

Toda a cidade agora enche-a um nome, um rumor:

O aviador!

No hotel, desde o jardim à sala e ao corredor,

Não se fala senão na glória do aviador.

E nas ruas e aqui dentro é o mesmo clamor:

O aviador! O aviador!

6 de março

Mais cedo hoje me ergui quede costume.

Vinha clareando o dia,

Saio do quarto, entro no corredor;

Uma porta se abria

Próxima e vi um vulto – era o aviador –

Passar; passou, deixando o seu perfume,

O cheiro dela, pelo corredor...

O cheiro dela, o cheiro seu de flor!

10 de março

Fui despedir-me de Élena, à saída;

Interrompeu o riso breve instante,

Disse-me adeus, mas, quando não ainda

De seus olhos distante,

Via-a tornar à mesma alacridade,

Ria-se, ria-se aloucada e linda.

No trem.

Embora a alma desiludida,

Enlevam-me a grandeza e formosura

Da serra. Vou descendo, vou descendo.

Da manhã auri-rósea à claridade,

Tumultua em cada árvore florida,

Em cada pedra ou fonte,

Em cada abismo, em cada gruta escura,

Por todo o chão, por toda a encosta e todo o monte,

A orgia dionisíaca da Vida.

Respirando estes ares,

Tanta beleza em torno olhando e vendo,

Vão-me fora os pesares

Ou vão também descendo... vou descendo.

Fica lá em cima o sol, o almo esplendor do dia,

Fica o riso, a festa, a alegria;

Tristeza ou mágoa é como o enxurro, é como a bruma,

Rola em baixo e é umidade e espuma...

Vou descendo. Já vejo o Rio, amplo horizonte,

Os morros de altaneiro

Cimo, casas, o oceano...

Vou descendo, descendo... Deslembrado

De Élena, embora, súbito seu cheiro

Senti: veio de flor aberta ao lado

Da Estrada, flor de imaculada alvura;

Via-a ao passar, sorriu-me – era tão bela!

Lembrando a miniatura

De veloz aeroplano,

Um besouro zumbia em torno dela.

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.

 

 
IAM VINTE ANOS...
 

Iam vinte anos desde aquele dia,

Quando com os olhos eu quis ver de perto

Quanto, em visão, com os da saudade via.

Corto pelo caminho agro e deserto

Que, em chegando ao Pinhão, foge à direita

E um teso alcança de indaiás coberto.

Larga inda há pouco, a estrada, agora estreita

Sobe, inclina depois, até que em plano

Imenso, imensa e toda igual se deita.

Eu a sofreguidão, febril e insano

Desejo de chegar, com lhe ir à beira

As flores vendo mil e mil, engano.

Ora as ostenta azuis a trepadeira,

Ora brancas o lírio, ora encarnadas

A maravilha. E a estrada cheira, cheira...

Curto prazo, de um bosque entre as latadas

Fujo ao fervor do sol e cismo absorto

Em tantas cousas que se vão passadas

E eu vou tornar a ver... como, o conforto

Das águas pátrias relembrando, a vela

Torna algum dia ao desejado porto

E o vê mudado e sem lembrança dela.

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.

 

 
NUM TREM DE SUBÚRBIO
 

No trem de ferro vimo-nos, um dia,

E amarmo-nos foi obra de um momento,

Tudo rápido, como a ventania,

Como a locomotiva ou o pensamento.

– "Amo-te!"

– "Adoro-te!"

A estação primeira

Surge. Saltamos nela ao som de um berro.

Nosso amor, numa nuvem de poeira,

Tinha passado, como o trem de ferro.

 

Extraído:  Nossos Clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959
FORTUNA CRÍTICA

Aguarde

Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Mais escritores

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br