Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
Tamanho da letra A +A

Monólogo de um cego

Celso Barros Coelho
“É necessário conhecer seu próprio abismo
E polir sempre o candelabro que o esclarece”
(Murilo Mendes, Mundo Enigma)
O notável poeta piauiense Zito Batista, um dos primeiros integrantes desta Academia, no seu livro “Harmonia dolorosa”, tem um poema antológico, que as gerações lêem com emoção e encanto, sobretudo pelo travo de amargura sentida em suas estrofes, tocadas de sonho, nostalgia, dor, esperança, desespero e crença no destino humano.
É o “Monólogo de um cego”.

O que o cego ouvia, quando lhe falavam do sol, maravilhoso sol, das florestas e das aves, do mar, do céu, das flores, enfim, de um mundo todo cheio de luz, de aroma, de esplendor, fortalecia sua crença:
“E eu creio! Eu creio em tudo...
Os homens têm razão! eu creio e desejara
vendo sumir-se ao longe a minha noite amara.
Ver o mar, ver o sol no firmamento mudo
A brilhar!... a brilhar...”
A ansiedade dominava-o e a beleza do mundo que as palavras lhe revelam produzia-lhe mais assombro do que encanto, pois o encanto passa pelos olhos, enquanto o assombro nasce do desconhecido.

E volta-se ele para si mesmo, nesse lampejo de esperança que lhe vai dominando o mundo interior, o imenso abismo da alma, onde as imagens adquirem o mistério das coisas invisíveis, porém sentidas e capazes de dar um ritmo de harmonia aos anseios do espírito. É nesse ritmo que o monólogo aviva o sonho de quem se sente oprimido pelo mal da cegueira:
“Mas o meu grande sonho, o meu sonho infinito
É outro, um outro ainda: o que me faz chorar
E há de, em fúria, arrancar-me o derradeiro grito
Quando eu daqui me for, aos trambolhões, a esmo,
É a ânsia indefinida, o desejo profundo
De conhecer o que há de mais original no mundo,
De conhecer a mim mesmo!
Porque a julgar, talvez, pelo mal que me oprime
Eu devo ser, por força, um monstro desconforme.
Na eterna expiação do mais nefando crime
Atado ao poste real de minha dor enorme!...”
(Harmonia dolorosa/1924)
Sempre que leio esse poema de rara beleza e de tão pungente revelação, lembro-me da figura popular e simples do cego Biri que, em Pastos Bons de minha infância, batia de porta em porta, na sua humildade e na sua paciência, pedindo uma “esmola pelo amor de Deus”.

Biri morava a poucos quilômetros da cidade, pelas bandas da Lagoa do Boi, e era por ali que o via passar, rumo à cidade, conduzido pela mãe de um garoto que lhe servia de guia e que o levava às casas onde contava como certa a esmola que pedia.

Nos festejos de São Bento, estava lá, na porta da Igreja, com a mesma crença e agradecendo ao mesmo Deus. Uns passavam indiferentes. Outros lhe depositavam na mão a esmola suplicada. E o Santo lhe agradecia a presença e fortalecia a fé. Era tudo o que lhe bastava.

O menino curioso, que era eu, observava tudo sem saber o que significava, sem compreender o drama daquele pobre homem, vivendo, como diz o poeta, na “escuridão sem fim”. Talvez a ele jamais tivessem falado do sol, das florestas e das aves, o que seria até desnecessário, pois do sol ele sentia, em suas andanças, o calor abrasante. No seio da floresta ele nascera e ao canto das aves acordava para o trabalho de todos os dias.

Biri, sem dúvida, tinha o seu monólogo, diferente do que escreve o poeta. O seu monólogo interior era sentido na simplicidade de sua vida, na sublime lição que nos dava em acreditar que o mal que sofria era também um dom de Deus.
Hoje a imagem de Biri está viva em minha memória.

Vejo-o aproximar-se de mãos estendidas para receber, mas também de coração aberto para dar a todos o agradecimento sincero, projetado da riqueza do seu coração.
Nesse monólogo talvez pudesse dizer como o salmista: “Os meus anos decorrem entre gemidos”.

Os gemidos dos que vivem na escuridão, mas interiormente iluminados pela luz da fé, a fé que Biri testemunhava no “Deus lhe pague”, com que agradecia a esmola recebida.

Celso Barros Coelho, da Academia Piauiense de Letras

Compartilhar em redes sociais

Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas da Seção

17.08.2008 - Por que escrevo

Rosidelma Fraga - UFG

01.09.2006 - A penitenciária

José Ribamar Garcia

01.09.2006 - Zezinho das Contendas

Gisleno Feitosa

10.07.2006 - Mordendo o próprio rabo

Afonso Romano de Santanna

09.05.2006 - Monólogo de um cego

Celso Barros Coelho

03.04.2006 - As palavras

Pablo Neruda

03.04.2006 - Futebol de Tucumã

Aníbal Beça

Listar mais

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br