Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 31 de julho de 2015
REVISTA LUSOFONIA
João Alves das Neves
Tamanho da letra A +A

Descobrimentos: Cristóvão Colombo seria português

[João Alves das Neves]

Entre as várias hipóteses aventadas sobre a naturalidade de Cristóvão Colombo, destaca-se a de Génova, mas falta a documentação comprovante. E a de Barcelona é ainda mais fantasiosa. 

Se fosse indiscutível a primeira dedução, porque é que ele não sabia falar e muito menos escrever alguns dos dialectos genoveses, já que o idioma que ele usou mais vezes foi o português e, depois, o velho castelhano, pois foi ao serviço dos Reis Católicos que ele consumou as viagens à América – o Rei D. João II de Portugal recusara o projecto, por saber que o caminho marítimo para as Índias era pelo Atlântico Sul e depois através do Índico. E tinha razão conforme o demonstrou Vasco da Gama.

Entretanto, retomemos o começo e os portugueses dominavam as rotas atlânticas – e se não foram mais cedo à Índia e ao Brasil foi por respeitarem cronologicamente definidas as suas rotas de viagens. E se estas exigiam coragem, o resto tinha sido previamente traçado, porquanto os castelhanos seguiam na babugem lusitana e os outros europeus (da França,  Inglaterra,  Holanda,   Itália e  Inglaterra, todos à volta com convulsões independentistas), limitavam-se a espionar em Lisboa (leia-se Jaime Cortesão) os projectos, os mapas e as inconfidências de alguns traidores, porque, como disse Camões, entre os portugueses,  traidores houve algumas vezes…

Em relação a Colombo (nome talvez suposto), pode admitir-se que ele seria plebeu (como insinuam os genoveses), na falta de comprovação documentada, nem tão pouco o judeu de documentação, nem Lisboa (Fevereiro de 1479) e, como está provado – o grande navegador apesar de não ter chegado à Índia – casou com D. Filipa Moniz Perestrelo, que foi Donatária da Ilha de Porto Santo, de quem teve o primogênito D. Diogo. Colombo (ou Colom) teve mais tarde outros dois filhos da espanhola Beatriz Torquemada, mas não chegou a casar-se com ela).

Entre mais de uma dezena de livros que pudemos compulsar em Lisboa, nos últimos meses – Cristóvão Colom, o Almirante de Nobre Estirpe, de autoria da historiadora Julieta Marques, e Colombo Português de Manuel Rosa, os dois autores juntam-se aos especialistas que defendem a tese de que Cristão Colombo nasceu em Cuba, no Alentejo de Portugal.  (Voltaremos ao assunto).

(*) O articulista é escritor português e vive em São Paulo, agradecendo novos subsídios;

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna
Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.07.2015 - Norberto Bobbio

Norberto Bobbio

29.07.2015 - A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

A PANTERA 22 (ROGEL SAMUEL)

29.07.2015 - IPANEMA

IPANEMA

27.07.2015 - GENEALOGIA, HISTÓRIA E ECOLOGIA EM ESPERANTINA

Advirto que se providências urgentes não forem tomadas a casa-grande, tombada pelo órgão do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Estadual, irá literalmente tombar, como já caiu a casa solarenga da Fazenda da Limpeza

27.07.2015 - Animador, não é?

Nem tudo são flores na exploração espacial...

27.07.2015 - Calos curados

Vocês ainda não sabem, mas toda geração da Tranqueira têm seus personagens e por consequente suas estórias lendárias.

26.07.2015 - Amizades

Amizades

23.07.2015 - A PANTERA 21 (ROGEL SAMUEL)

A sua ausência criou um vazio muito grande no sítio.

23.07.2015 - Tradução do poema "The road not taken," de Robert Frost (1875-19630

Two roads diverged in a

22.07.2015 - A lição de Canudos, sempre atual

A lição de Canudos, sempre atual

22.07.2015 - Luxo das arábias

Luxo das arábias

21.07.2015 - Extremos que se tocam: política e violência no Brasil

Aviso aos leitores

21.07.2015 - DOS JOVENS GOLIARDOS - JORGE TUFIC

Que fim levara o sol dourando a espiga/ das manhãs argentinas de meus ombros?

20.07.2015 - O PALHAÇO ASSASSINO

Agora, para meu assombro e tristeza, pela televisão, soube da existência de um palhaço assassino. Já conhecia a personagem cinematográfica Chucky, o brinquedo assassino.

20.07.2015 - Hino à tarde

Bilac escreveu um glorioso hino à tarde

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br