Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 28 de agosto de 2015
REVISTA LUSOFONIA
João Alves das Neves
Tamanho da letra A +A

Descobrimentos: Cristóvão Colombo seria português

[João Alves das Neves]

Entre as várias hipóteses aventadas sobre a naturalidade de Cristóvão Colombo, destaca-se a de Génova, mas falta a documentação comprovante. E a de Barcelona é ainda mais fantasiosa. 

Se fosse indiscutível a primeira dedução, porque é que ele não sabia falar e muito menos escrever alguns dos dialectos genoveses, já que o idioma que ele usou mais vezes foi o português e, depois, o velho castelhano, pois foi ao serviço dos Reis Católicos que ele consumou as viagens à América – o Rei D. João II de Portugal recusara o projecto, por saber que o caminho marítimo para as Índias era pelo Atlântico Sul e depois através do Índico. E tinha razão conforme o demonstrou Vasco da Gama.

Entretanto, retomemos o começo e os portugueses dominavam as rotas atlânticas – e se não foram mais cedo à Índia e ao Brasil foi por respeitarem cronologicamente definidas as suas rotas de viagens. E se estas exigiam coragem, o resto tinha sido previamente traçado, porquanto os castelhanos seguiam na babugem lusitana e os outros europeus (da França,  Inglaterra,  Holanda,   Itália e  Inglaterra, todos à volta com convulsões independentistas), limitavam-se a espionar em Lisboa (leia-se Jaime Cortesão) os projectos, os mapas e as inconfidências de alguns traidores, porque, como disse Camões, entre os portugueses,  traidores houve algumas vezes…

Em relação a Colombo (nome talvez suposto), pode admitir-se que ele seria plebeu (como insinuam os genoveses), na falta de comprovação documentada, nem tão pouco o judeu de documentação, nem Lisboa (Fevereiro de 1479) e, como está provado – o grande navegador apesar de não ter chegado à Índia – casou com D. Filipa Moniz Perestrelo, que foi Donatária da Ilha de Porto Santo, de quem teve o primogênito D. Diogo. Colombo (ou Colom) teve mais tarde outros dois filhos da espanhola Beatriz Torquemada, mas não chegou a casar-se com ela).

Entre mais de uma dezena de livros que pudemos compulsar em Lisboa, nos últimos meses – Cristóvão Colom, o Almirante de Nobre Estirpe, de autoria da historiadora Julieta Marques, e Colombo Português de Manuel Rosa, os dois autores juntam-se aos especialistas que defendem a tese de que Cristão Colombo nasceu em Cuba, no Alentejo de Portugal.  (Voltaremos ao assunto).

(*) O articulista é escritor português e vive em São Paulo, agradecendo novos subsídios;

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna
Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.08.2015 - Ai dos governantes desprezados pelos seus compatriotas!

Não é preciso

26.08.2015 - CABRAL

CABRAL

26.08.2015 - OS NOVOS MICROFONES DA ACADEMIA

O nobre Dr. Itamar então me prometeu que na segunda-feira seguinte iria mandar um técnico para estudar o nosso sistema de som, para, em momento oportuno, doar dois ou três microfones de alta qualidade.

25.08.2015 - Crimes hediondos no Brasil; algumas sugestões às autoridades

Sei que os brasileiros

25.08.2015 - Bernardo de Carvalho, por Elmar Carvalho

A origem de Campo Maior, no Piauí

25.08.2015 - A megaloteria

Se eu ganhasse essa megassena talvez fosse morar no Hotel Ritz, em Paris por um tempo. Lá teria inspiração da prosa de Proust.

23.08.2015 - O sol por testemunha

“Olha, amor, não vim à praia pra ler essas porcarias. Vim pra me distrair e curtir esse lindo dia com você. Se quiser, taí, leia você.”

23.08.2015 - Violência e paradoxo no governo Barack Obama

Não posso esconder

21.08.2015 - Verde Esotérico do PSB

EspiritualiZen a Política

21.08.2015 - José Carvalho de Almeida

Origem de Barras do Maratoã

20.08.2015 - Hardi Filho, o poeta do amor

Hardi Filho era uma pessoa comedida no andar, no falar, no gesticular. Porém, descomedido no sentimento, especialmente, no da amizade e no do amor

17.08.2015 - A estranha ficção científica de Ursula K. Le Guin

Resenha do romance "A mão esquerda da escuridão"

16.08.2015 - MINHAS PUBLICAÇÕES NA AMAZON

Estimulado por essa valiosa ferramenta de editoração, estou organizando meus textos, que se encontravam dispersos, em forma de pequenos livros, que estou expondo à venda por módicos preços.

15.08.2015 - Amizade Búdica em Madrid

Darma Amigos Internacionais

14.08.2015 - The gentlemen's Alliance 6 - o dilema de Haine

O que fazer quando se descobre que o seu amor desdobrou-se em dois irmãos gêmeos?

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br