Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 24 de outubro de 2014
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

Primeira década do séc. XX: revolução no Acre com o apoio de Manaus

Primeira década do séc. XX: revolução no Acre com o apoio de Manaus

 

[Flávio Bittencourt]

Revolução no Acre com o apoio de Manaus

Os EUA apoiariam militarmente os bolivianos em caso de guerra contra o Brasil.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"COMO NÃO LER UM TEXTO QUE CONTÉM A SEGUINTE PASSAGEM:

'(...) Em 29 de dezembro de 1900, em Puerto Alonso, os poetas foram derrotados.' (...)??? "

 (C R... - GRIFO NOSSO)

 

 

 

 

 

 

"possui ou possuuuíííaa um selo do Acreee o ESTIMADÍSSIMO JOAQUIM MARINHO, DE MANAUS, EX-PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA CULTURAL DO AMAZONAS NO GOVERNO ENOQUE REIS, EMPRESÁRIO, FILATELISTA, GRANDE CONHECEDOR DE MÚSICA (todos os gêneros), REPÓRTER CULTURAL DO JORNAL HOJE (TV GLOBO, SUCURSAL MANAUS) E PESQUISADOR DA CULTURA DE MASSA E DA VERTENTE ERÓTICA DA NONA ARTE (quadrinhos) DO BRASIL [citarrrr Carlos Zéfiroooo aquiiiii]; J. MARINHO É AMIGO DO ESCRITOR MÁRCIO SOUZA, autor de Galvezz  immpppp accccrrr DA ACADEMIA AMAZONENSE DE  LETRAS (á qual também pertencera Claudio de Araujo Lima, médico, historiador e romancista que publicou PPPLAACCC  CASSSTR. ===EM EDIÇÃO===)"

 

 

 

 

 

O FAMOSO "SELO DO ACRE" (valor de mercado, hoje:

aproximadamente 7.000 reais [3.500 dólares], dependendo

da variação da cotação do dólar americano e do euro, valor

bem menor do que um célebre mapa, o primeiro em que surgiu, 

na cartografia renascentista alemã, a palavra 'América'... [*]):

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(http://almaacreana.blogspot.com.br/2012/04/o-selo-estado-independente-do-acre.html) 

 

[*] - EXPLICA-SE A VARIAÇÃO DOS VALORES CITADOS: SÓ EXISTE UM MAPA DE WALDSEEMÜLLER, ENQUANTO O PREÇO DO SELO DO ACRE [*] NÃO CHEGA A CUSTAR QUATRO MIL DÓLARES AMERICANOS (além disso, o citado mapa é muito mais antigo; valor do MAPA DE WALDSEEMÜLLER em 2003: cerca do equivalente, hoje [FEVEREIRO DE 2013], a 20 milhões de reais, quando um dólar é cotado a aproximadamente R$ 2,00: DEZ MILHÕES DE DÓLARES AMERICANOS [o valor mais alto pago pela instituição por um documento   Biblioteca do Congresso    WWWWashhh  === em edição === ]).

 

 

 

 

 

 

 

(O MAPA DE WALDSEEMÜLLER:

assunto da segunda matéria adiante tratada)

 

 

 

 

 

 

                                                       EM MEMÓRIA DO HERÓI PATRIOTA

                                                       PLÁCIDO DE CASTRO E DOS JOVENS RECENTEMENTE

                                                       FALECIDOS NO ESTADO DO RS                                      

 

 

 

9.2.2013 - Revolução Acreana - O Amazonas desejava que aquele território fizesse parte de si.  F A L. Bittencourt.  (flabitten@bol.com.br@bol.com.br)

 

 

 "

Thumb

A história do Acre começa a se definir em 1895 quando uma comissão demarcatória foi encarregada de definir limites entre Brasil e Bolívia, com base no Tratado de Ayacucho, de 1867.

No processo demarcatório foi constatado, no ponto inicial da linha divisória entre os dois países (nascente do Javari), que a Bolívia ficaria com uma região rica em látex, na época ocupada por brasileiros.

Reconhecida legalmente a fronteira Brasil-Bolívia, em 12 de setembro de 1898 a Bolívia quis tomar posse da região então ocupada por seringueiros brasileiros, na vila de Xapuri. Os brasileiros não aceitaram e obrigaram os bolivianos a se retirar da região.

No início de 1899, desembarcou em Puerto Alonso o ministro boliviano, Dom José Paravicini, com apoio do governo brasileiro, impôs decretos, inclusive o de abertura dos rios amazônicos ao comércio internacional, cobrou altos impostos sobre a borracha, demarcou seringais e oprimiu os nativos da região.

O período dessa atuação ficou na história como os "Cem dias de Paravicini". A Insurreição Acreana ganha seu primeiro ensaio em 1º de maio de 1899, quando seringalistas se reúnem no seringal Bom Destino, de Joaquim Vitor, liderados pelo jornalista José Carvalho, e decidem lutar contra o domínio boliviano.

O momento coincidia com a viagem de Paravivini para Belém. O Delegado que o substituía, Moisés Santivanez, foi expulso. Começava a Revolução Acreana. Sem armas ou tiros, os revolucionários brasileiros restabeleceram o domínio e criaram a Junta Central Revolucionária.

Luiz Galvez e o Estado Independente do Acre

Em 03 de junho de 1899, entra no cenário da Revolução do Acre o jornalista espanhol Luis Galvez, que denuncia nos jornais paraenses uma aliança entre Bolívia e Estados Unidos.

Os EUA apoiariam militarmente os bolivianos em caso de guerra contra o Brasil. Enquanto o governo brasileiro continuava reconhecendo os direitos da Bolívia sobre a região, revolucionários decidem pela fundação do Estado Independente do Acre.

Os revolucionários, em 14 de julho de 1899 - escolhida por ser a data de aniversário da Queda da Bastilha durante a Revolução Francesa - concretizam a criação do Estado Independente do Acre, com capital na Cidade do Acre, antes chamado Puerto Alonso.

Luis Galvez foi aclamado presidente do novo país. Galvez buscou o reconhecimento internacional e elaborou a legislação. 

Porém, ele desagradou seringalistas, aviadores e exportadores e acabou sendo deposto em 28 de dezembro de 1899 pelo seringalista Antônio de Souza Braga, que não se garantiu no comando e devolveu o posto a Galvez, em 30 de janeiro de 1900.

Em 15 de março de 1900, o governo federal enviou força da marinha brasileira para o Acre. Galvez foi destituído e o Acre voltou ao domínio Boliviano.

O governo do Amazonas também tinha pretensões de anexar o Acre ao estado e decidiu financiar a expedição Floriano Peixoto ou Expedição dos Poetas, que levou para a área boêmios e profissionais liberais de Manaus.

Em 29 de dezembro de 1900, em Puerto Alonso, os poetas foram derrotados. Em 11 de julho de 1901, a Bolívia assina contrato de arrendamento do Acre com capitalistas norte-americanos e ingleses, que chegaram para instalar o Bolivian Syndicate, o que, para a opinião pública, era uma ameaça à soberania nacional.

O governo federal finalmente percebe os riscos e possíveis perdas e interfere, salvando a Amazônia do domínio imperialista.

Revolução Acreana

Com novo apoio do governo do Amazonas seringueiros e seringalistas revolucionários partiram mais uma vez para a luta em 6 de agosto de 1902, em Xapuri.

A luta armada se estendeu até 24 de janeiro de 1903, data de retomada do poder aos brasileiros e reinstalação do Estado Independente do Acre. Com a substituição, na República brasileira, de Campos Sales (1898/1902) por Rodrigues Alves (1902/1906) muda a postura do governo federal sobre o assunto.

A partir das negociações do ministro das Relações Exteriores, Rio Branco, foi estabelecido o Tratado de Petrópolis, em 17 de novembro de 1903, que anexava o Acre ao Brasil. Em 8 de setembro de 1909, mediante o Tratado do Rio de Janeiro, foi resolvida também a questão de fronteiras com o Peru.

Fonte: Secretaria de Turismo do Estado do Acre

"

(http://www.portalamazonia.com.br/secao/amazoniadeaz/interna.php?id=210,

OS GRIFOS ACIMA SÃO NOSSOS)

 

 

 

 

 

 

 

 

===

 

 

 

 

 

 

 

 

(Outro assunto:) O MAPA DE WALDSEEMÜLLER

 

 

 

 

 

"O Mapa de Waldseemüller, ou Universalis Cosmographia, é um mapa do mundo impresso pelo cartografo alemão Martin Waldseemüller, originalmente publicado em abril de 1507.[1][2]

É o primeiro mapa do mundo a utilizar o termo "América". [3] Foi desenhada baseando-se no mapa de Ptolomeu, expandido para acomodar as Americas e as altas latidutes.[4]

Uma cópia do mapa ainda existe na Biblioteca do Congresso em Washington, D.C. (...)"

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_de_Waldseem%C3%BCller)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

The Naming of AmericaMartin Waldseemüller’s 1507 World Map and theCosmographiae Introductio

John W. Hessler

Published by GILES in association with The Library of Congress, Washington, D.C

(http://www.gilesltd.com/books/catalogue/history-general-interest/the-naming-of-america/)

 

 

 

 

"(...) O mapa de Waldseemüller foi tema de várias pesquisas recentes, que procuram entender por que o monge alemão escolheu adotar o nome do navegador Américo Vespúcio, e não o de Cristóvão Colombo, que descobriu o continente em 1492. Mais curioso ainda é o fato de que, em trabalhos posteriores, o cartógrafo deixou de lado o nome América para utilizar a expressão “Terra Incognita”. Só depois de 1520 América passou a ser adotada pelos cartógrafos. (...)"

 

(trecho   -   artigo adiante [depois do correspondente verbete, da Wikipédia] transcrito, na íntegra)

(http://www2.uol.com.br/historiaviva/noticias/quando_a_america_surgiu_no_mapa.html)

 

 

 

 

 

 

 

 

"Mapa de Waldseemüller


 
 
Universalis Cosmographia, o mapa de 1507, a mostrar asAméricasÁfricaEuropaÁsia, e o Oceano Pacífico separando a Ásia das Américas.
Detalhe do mapa a mostrar o nome "América".

Mapa de Waldseemüller, ou Universalis Cosmographia, é um mapa do mundo impresso pelo cartografo alemão Martin Waldseemüller, originalmente publicado em abril de 1507.[1][2]

É o primeiro mapa do mundo a utilizar o termo "América". [3] Foi desenhada baseando-se no mapa de Ptolomeu, expandido para acomodar as Americas e as altas latidutes.[4]

Uma cópia do mapa ainda existe na Biblioteca do Congresso em Washington, D.C..[5][6][7]

Índice

  [esconder

[editar]Ver também

[editar]Referências

  1.  Waldseemüller, Martin (after 1507), Globensegmente, visitado em 2012-07-03
  2.  E.G. Ravenstein, Martin Behaim: His Life and His Globe, London, George Philip, 1908, p.36.
  3.  Alexander, David. "Map that named America is a puzzle for researchers", Reuters, 2007-12-05. Página visitada em 2007-12-05.
  4.  Snyder, John P. (1993). Flattening the Earth: 2000 Years of Map Projections, p. 33. Chicago: The University of Chicago Press.
  5.  Hébert, John. (2003-09). "The Map That Named America". Library of Congress Information Bulletin. Library of Congress.
  6.  Hunc in modum terra iam quadripartita cognoscitur: & sunt tres primae partes continentes: quarta est insula: cum omni quamque mari circumdata conspiciatur...Nunc vero & haec partes sunt latius lustratae & alia quarta pars per Americum Vesputium (ut in sequentibus audietur) inuenta est.
  7.  Ludwig-Maximilians-Universität München (2012-07-03). Unexpected find in LMU Library: Rare map related to America's "birth certificate"Press release. Página visitada em 2012-07-03.

[editar]Literatura

  • Lester, Toby: The Fourth Part of the World: An Astonishing Epic of Global Discovery, Imperial Ambition, and the Birth of America, Free Press, 2010, 496 p. ISBN 1-4165-3534-9.

[editar]Ligações externas

Commons possui uma categoriacom multimídias sobre Mapa de Waldseemüller

 

 

Cattt=====   @@@@

 

 

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_de_Waldseem%C3%BCller)

 

 

 

 

 

===

 

 

 

 

 

 

DATAAA:   === EM EDIÇÃO===

 

A conceituada revista História Viva publicou:

 

 

 

 

"QUANDO A AMÉRICA SURGIU NO MAPA

 

 

 

Graziella Beting

 

 

Desde dezembro, o documento tido como a certidão de nascimento das Américas está em exposição permanente ao público na Biblioteca do Congresso de Washington. O mapa-múndi feito pelo monge alemão Martin Waldseemüller em 1507 foi o primeiro documento a utilizar a palavra “América” para designar o novo continente e a retratar integral e separadamente o hemisfério ocidental. A precisão com a qual identifica o contorno das Américas surpreende ainda hoje os especialistas.


Dos entre 500 e mil exemplares editados na época, só restou esse, descoberto em 1901 e conservado pela família do príncipe alemão Johannes Waldburg-Wolfegg, que o vendeu para a Biblioteca do Congresso em 2003 por 10 milhões de dólares – o valor mais alto pago pela instituição por um documento. Com 500 anos recém-completados, a “certidão de nascimento da América” não cessa de intrigar os historiadores. O mapa de Waldseemüller foi tema de várias pesquisas recentes, que procuram entender por que o monge alemão escolheu adotar o nome do navegador Américo Vespúcio, e não o de Cristóvão Colombo, que descobriu o continente em 1492. Mais curioso ainda é o fato de que, em trabalhos posteriores, o cartógrafo deixou de lado o nome América para utilizar a expressão “Terra Incognita”. Só depois de 1520 América passou a ser adotada pelos cartógrafos.

O mapa de Waldseemüller, com 2,3 metros de largura por 1,20 metro de altura, composto por 12 painéis, é a vedete principal de uma exposição maior, sobre os primeiros anos das Américas. A mostra é constituída por uma coleção de livros raros, manuscritos, documentos históricos, mapas e pinturas que vão de 1500 a.C. à época contemporânea. As peças, todas relacionadas à história das Américas, fazem parte do acervo da Biblioteca do Congresso.

ONDE: Grande salão do edifício Thomas Jefferson, Galeria Noroeste. 10 First St. S.E., Washington. QUANDO: De segunda a sábado, das 10 h às 17 h.QUANTO: Entrada gratuita. CONTATO: www.loc.gov"

(http://www2.uol.com.br/historiaviva/noticias/quando_a_america_surgiu_no_mapa.html, GRIFO NOSSO)

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

30.06.2014 - Ninhada de jacarés em Manaus

24.06.2014 - Pequenidade é pequeneza?

21.06.2014 - O filme Dona Flor (1976)

13.06.2014 - The Mamas and the Papas no Programa do Jô Soares

10.06.2014 - Teatro: o amor em Vinicius de Moraes

04.06.2014 - Festa no céu / Coleção Disquinho (partes 1 e 2)

29.05.2014 - Os zuni

27.05.2014 - Eu e o governador, de Adelaide Carraro

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


(Dê)pois, poema de Dílson Lages


Listar todos
Últimas matérias

24.10.2014 - A única saída: prisão perpétua já!

Por vezes, penso com os meus botões

24.10.2014 - A única saída: prisão perpétua já!

Por vezes, penso com os meus botões

23.10.2014 - A guerra através do tempo

Apresento a resenha do volume 4 do clássico mangá Sailor Moon

23.10.2014 - ENFIM, A APOSENTADORIA

Mas eu próprio resolvi o aparente paradoxo da equação, ao dizer que quem era bom era justo, e quem era justo necessariamente teria que ser bom.

23.10.2014 - Solenidade marca hoje os 36 anos de fundação da ALVAL

Solenidade marca hoje os 36 anos de fundação da ALVAL

20.10.2014 - O Amigo da Onça

Precisamos fazer o resgate de tantas criações do imaginário nacional.

19.10.2014 - As urnas dividiram o povo brasileiro e dizimaram o sentido da alteridade

A premiada escritora An a Maria Machado

19.10.2014 - A QUESTÃO FUNDAMENTAL DA METAFÍSICA

A QUESTÃO FUNDAMENTAL DA METAFÍSICA

18.10.2014 - São Paulo, Sociedade Anônima (filme)

De Luís Sérgio Person, 1965

18.10.2014 - Aborto: bandeira machista

Uma das maiores manifestações do machismo é a prática do aborto.

17.10.2014 - As ideias conservadoras

O conservadorismo político é bom

17.10.2014 - CONVITE INFORMAL DE UMA PROFESSORA PARA DILMA E AÉCIO, DIRETAMENTE DE RORAIMA, UM LUGAR QUE TAMBÉM É BRASIL

046

17.10.2014 - PowerPoint

O que é?

16.10.2014 - Um diálogo imaginário sobre os candidatos à Presidência da República

Enfrentando, agora, a bipolaridade,

14.10.2014 - "Melhor é desejar do céu": um poema de Píndaro

poesia

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br