Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 27 de junho de 2017
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

Mao Tsé-Tung, o jogador Zezé e o Madureira Esporte Clube

 

[Flávio Bittencourt]

Mao Tsé-Tung, o jogador Zezé e o Madureira Esporte Clube

A grande imprensa deixou passar em brancas nuvens certos assuntos da história do futebol que Dílson Braga, do blog Stadium Varginhense, com felicidade reportou.

 

 

 

 

 

 

 

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAO TSÉ-TUNG, LIDER COMUNISTA CHINÊS

 

 

 

 

 

Thomas Allofs 88/89 FC KÖLN
Date of birth 17 November 1959 (1959-11-17) (age 49)
Place of birth Düsseldorf, West Germany
Playing position Striker
image
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
1978–1982 Fortuna Düsseldorf 113 (34)
1982–1986 1. FC Kaiserslautern 126 (61)
1986–1989 1. FC Köln 070 (30)
1989–1990 RC Strasbourg 011 0(2)
1990–1992 Fortuna Düsseldorf 069 (23)
 
ADVERSÁRIO SEGURA PARTE DE TRÁS DA CAMISA DE JOGADOR DO COLÔNIA
(FC KÖLN, SENDO QUE 'KÖLN', NO IDIOMA ALEMÃO, SIGNIFICA 'COLÔNIA'),
TRADICIONAL TIME DE FUTEBOL ALEMÃO DA CIDADE DE COLÔNIA  
 
[COM A LEGENDA COM PERÍODOS E NOMES DE TIMES E SEM A LEGENDA SOBRE JOGADOR TENTANDO IMPEDIR AVANÇO DE COLEGA-ADVERSÁRIO, AO SEGURAR PARTE POSTERIOR DA CAMISA DE ALLOFS, COM A MÃO DIREITA, ESTÁ, NA WEB, EM:
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

ZEZÉ TRABALHANDO, NA ALEMANHA

(SEM A LEGENDA ACIMA REDIGIDA:

http://stadiumvarginhense.blogspot.com/2010_04_01_archive.html)

 

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
BRASÃO DE ARMAS DA CIDADE DE COLÔNIA (KÖLN), ALEMANHA
 
 
 
 
 
 
 

 

 
 
 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(http://stadiumvarginhense.blogspot.com/2010/03/stadium-varginhense-vira-almanaque.html)

 

 

  

 

 

Ficheiro:Escudo do Madureira EC.jpg
 

 

 

 

 

 

 

  

 

ESCUDO DO MADUREIRA DO RIO

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Escudo_do_Madureira_EC.jpg)

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

REPORTAGEM DA IMPRENSA ESCRITA ALEMÃ SOBRE O EX-FUTEBOLISTA ZEZÉ,

NASCIDO EM VAGINHA-MG, EM 1942

(http://stadiumvarginhense.blogspot.com/2010_04_01_archive.html)

 

 

 

 

File:Fc cologne.png
 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

  

ESCUDO DO FC KÖLN (COLÔNIA), DE COLÔNIA, ALEMANHA

(http://en.wikipedia.org/wiki/File:Fc_cologne.png)

 

 

 

 

 

"(...) Na China, o Madureira jogou contra a seleção de Pequim, Xangai e Catonn, o que causou grande “rebu” no finado CND - Conselho Nacional de Desportos, que ameaçou eliminar o Madureira do rol das associações esportivas legais. A delegação do Madureira não tinha autorização para jogar em países comunistas. (na foto ao lado: Mao Tsé Tung cumprimenta a delegação do Madureira, enquanto Zezé encara o líder comunista chinês). (...)"

(TRECHO DO ARTIGO DE DÍLSON BRAGA ADIANTE TRANSCRITO NA ÍNTEGRA,

com todas as imagens que originalmente ilustram a importante matéria do

blog Stadium Varginhense,

http://stadiumvarginhense.blogspot.com/2010_04_01_archive.html)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                        HOMENAGEANDO A MEMÓRIA DE JOSÉ GILSON RODRIGUES,

                        O ZEZÉ (1942 - 2009), O EX-JOGADOR DE FUTEBOL 

                        THOMAS ALLOFS [NASC. EM DÜSSELDORF, ALEMANHA,

                        EM 1959], A QUEM SE DESEJA SAÚDE E VIDA LONGA,

                         BEM COMO O SEU BRAVO COLEGA-ADVERSÁRIO, CUJO NOME NÃO CONSTA

                         NA LEGENDA ORIGINAL DA FOTO LOGO NO INÍCIO

                         (depois da gravura em que é retratado o líder chinês MAO TSÉ-TUNG) REPRODUZIDA,

                         FUTEBOLISTA QUE SEGURA A CAMISA DE T. ALLOFS, O

                         GOLEIRO ALEMÃO DA IMAGEM EM BRANCO-E-PRETO, IGUALMENTE

                         NÃO IDENTIFICADO NA LEGENDA ORIGINAL DESSA OUTRA

                         EXCELENTE FOTOGRAFIA,

                         O POVO DE VARGINHA-MG (cidade mineira mundialmente famosa em

                         razão de fenômeno de ovnilogia - "discos voadores" - que lá aconteceu ou não),

                         O POVO DO BAIRRO DE MADUREIRA (RIO DE JANEIRO-RJ),

                         O POVO CHINÊS,

                         O POVO URUGUAIO E

                         O POVO DA CIDADE DE COLÔNIA (ALEMANHA)

                          

                          

 

 

 

20.12.2010 - No tempo da ditadura militar, o Madureira do Rio jogou na China de Mao - De acordo com o pesquisador da história do futebol mineiro Dílson Braga, dirigentes do CND (Conselho Nacional de Desportos) ameaçaram eliminar o Madureira do rol das associações legais. NA MEDIDA EM QUE DÍLSON BRAGA FAZ UM TRABALHO DE PESQUISA QUE DEVERIA SER FEITO POR VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA - ou, mesmo, por pesquisadores do âmbito universitário ou historiadores a serviço de instituições desportivas (LEVANTAMENTOS HISTÓRICOS CONCERNENTES) -, É EVIDENTE QUE A IMPORTÂNCIA DE SEU blog PASSA A ULTRAPASSAR O CAMPO DE ESTUDOS "história do futebol de Varginha" E COMEÇA A ABRANGER A ÁREA "como pessoas físicas podem suprir a demanda por reportagens que não foram feitas pela grande imprensa, por organizações desportivas (clubes, federações, confederações, museus do esporte) e até por grandes centros internacionais de pesquisa e preservação da memória da humanidade". Ora, se alguém não pode pesquisar - por exemplo, por estar muito ocupado - e dispõe de recursos para financiar uma pesquisa (NÃO É O CASO DE DÍLSON BRAGA, QUE, ELE PRÓPRIO, REALIZA AS PESQUISAS QUE PUBLICA), pode essa pessoa contratar jornalistas e historiadores para levantar ESTÓRIAS ESPETACULARES como as que STADIUM VARGINHENSE tem apresentado. Nesse caso, já se está falando de CAMPO DE TRABALHO NOVO, pesquisa profissional, algo que é do interesse de órgãos de classe, também: um trabalho a ser executado por quem tem intimidade com, por exemplo, pesquisa em setores de obras raras de grandes bibliotecas, investigações científicas [estudiosos com máscara hospitalar sobre o nariz e a boca, para a proteção da saúde do profissional que realiza a pesquisa histórica] em empoeirados arquivos públicos, hemerotecas, arquivos de órgãos noticiosos, setores de microfilmes de institutos históricos e geográficos e assim por diante e, às vezes, até viagens internacionais para levantamento de dados no exterior (*). Leia, por favor, essa histórica reportagem de Dílson Braga, responsável pelo citado blog (STADIUM VARGINHENSE), sobre o saudoso Sr. Zezé, ex-jogador do Madureira, nascido em Varginha (Estado de Minas Gerais, Brasil) que foi para a Alemanha jogar no Colônia, da cidade de Colônia, ilustrada com várias fotos, sendo uma delas a do presidente Mao-Tsé Tung cumprimentando a equipe do (time de bairro do subúrbio carioca "da Central do Brasil") Madureira, no tempo da ditadura militar, no Brasil. ONDE TERÁ O PESQUISADOR DÍLSON BRAGA DESCOBERTO ESSA FOTOGRAFIA? Procuraremos, aqui, entrevistar esse blogueiro-pesquisador sobre as reportagens que ele faz. Os assuntos são relevantes: tanto as matérias de Dílson Braga quanto o seu trabalho de pesquisador que está cobrindo pautas inexplicavelmente esquecidas pela imprensa brasileira. (NO CASO DO SR. ZEZÉ, O JOGADOR DO MADUREIRA QUE FOI PARA A ALEMANHA, A IMPRENSA ALEMÃ NÃO DEIXOU passar em brancas nuvens AQUILO QUE IGUALMENTE NÃO ESCAPOU AO Stadium Varginhense, COMO VOCÊ CONSTATARÁ, A SEGUIR).  F. A. L. Bittencourt (flabitten@bol.com.br)

 

(*) - POR EXEMPLO: A BIOGRAFIA DO EX-ATACANTE URUGUAIO ALCIDES GIGGIA INTERESSA AO ESTUDO DO IMAGINÁRIO BRASILEIRO, uma vez que foi ele "o carrasco do Brasil" no estádio do Maracanã, na partida final do Campeonato Mundial de Futebol de 1950. Numa pesquisa dessa natureza, o esforço na captação de imagem fotográfica, digamos, da edificação da residência ou hospital onde nasceu o fabuloso Giggia se torna relevante. A gravação de depoimento desse grande ex-atleta (nascido em Montevidéu, em 1926), idem. A busca de documentos, no Uruguai, também. Fica claro que a pesquisa ultrapassa as fronteiras de um só país (NA MATÉRIA DO STADIUM VARGINHENSE, COMO LOGO ADIANTE SE VERÁ [artigo a seguir transcrito, com autorização de seu autor], A CHINA E A ALEMANHA SÃO PAÍSES NÃO APENAS CITADOS, MAS FOTOGRAFADOS - e nesta nota-de-rodapé acabamos de citar outro país amigo do Brasil, O URUGUAI)!

 

 

 

 

DÍLSON BRAGA FAZ O SERVIÇO QUE ESCAPOU

AOS GRANDES JORNAIS BRASILEIROS, MAS QUE NÃO

DEIXOU DE SER REALIZADO PELA MÍDIA ALEMÃ

 

 

"Sábado, 10 de abril de 2010

 

Um varginhense no futebol alemão

 

ZEZÉ - José Gilson Rodrigues, varginhense, 59 anos, nasceu em 18 de dezembro de 1942 na Vila Barcelona, bairro mais populoso da cidade naquele ano. Seu pai, foi também um dos maiores craques da história do futebol de Varginha, Américo Rodrigues (o Ameriquinho), que jogou muito tempo pelo VEC. Aos 5 anos de idade, Zezé foi com a família morar em Nova Iguacú (Estado do Rio). Participou de várias seleções vargeanas, jogou no infanto do América, Vasco e Botafogo. Teve a honra de trocar passes com grandes nomes do futebol brasileiro como Viladônia e Peçanha (Vasco) e Arlindo (Botafogo).
Mas foi no Madureira que resolveu começar a carreira aos 17 anos e agradou a todos. O clube tomou as providências necessárias e Zezé pode jogar o campeonato carioca de juvenis. Neste tempo, Zezé era amigo muito “chegado” de Horacino Geraldo, o Nêgo Horácio, outro varginhense de destaque que excursionou com o Madureira pela Europa. Eram amigos inseparáveis. Ao completar 18 anos em 1960 Zezé teve seu passe negociado (CR$ 100 mil) com a Esportiva Guaratinguetá, clube que disputava a 1ª Divisão de Profissionais do Estado de São Paulo.

No início do ano de 1964, quando preparava-se para fazer uma excursão pela Europa e Oriente, o Madureira demonstrou interesse em contar com Zezé para reforçar o time e levou-o para treinar. Plácido Monsores, que era o técnico do Madureira, gostou de Zezé, mas a Esportiva pedia Cr$ 500 mil pelo passe do jogador. Cinco vezes mais do que o Madureira tinha recebido ao vender Zezé para o clube paulista. O Fluminense mandou um emissário até Guaratinguetá para manter conversações com o atleta, mas nada ficou acertado. O “passe” de Zezé continuava preso à Esportiva e seu contrato estaria expirando somente no final de 1964.

Foi aí que entrou o empresário José da Gama, que Zezé carinhosamente o chamava de “Padrinho”, tal era o grau de amizade entre os dois. José da Gama, depois de entrar em acordo com Zezé e a Esportiva Guaratinguetá, decidiu leva-lo na delegação do Madureira que iria excursionar durante 5 meses pela Europa, Ásia e África. Juntamente com Zezé, seguiram Miguel e Nenem, para também serem negociados.
Novamente integrado ao time do Madureira em 1964, Zezé iniciou sua projeção internacional. A estreia foi em Kuala Lampur, capital da Malásia, onde realizou dois jogos. Em seguida atuou na Tailândia, Vietnam, Macau, China, Hong Kong, Índia e Irã. Foram longas e cansativas viagens de avião e trem, que levaram Zezé e o time do Madureira aos gramados da Àsia. No primeiro jogo venceu Penang Invitation XI por 5x2, depois empatou com a seleção da Malaia (2x2) e a terceira apresentação em 72 horas, o Madureira venceu a seleção de Singapura por 5x3.


Na China, o Madureira jogou contra a seleção de Pequim, Xangai e Catonn, o que causou grande “rebu” no finado CND - Conselho Nacional de Desportos, que ameaçou eliminar o Madureira do rol das associações esportivas legais. A delegação do Madureira não tinha autorização para jogar em países comunistas. (na foto ao lado: Mao Tsé Tung cumprimenta a delegação do Madureira, enquanto Zezé encara o líder comunista chinês). Mas não adiantou. Com o estádio lotado, o Madureira manteve a invencibilidade na sua excursão pela Ásia, ganhando de Pequim por 2x1. A impressão causada pela equipe brasileira foi tanta que a Federação de Pequim gratificou os jogadores com 50 yuanes (21 dólares - uma fortuna na época). Zezé, nesta partida, marcou os dois gols do Madureira, que relembrando Zagalo, foi escalado como ponteiro-esquerdo. O sucesso alcançado nesta excursão aumentou o assédio de grandes clubes na contratação de Zezé, não só os clubes brasileiros como também os europeus tentaram uma negociação.O FUTEBOL ALEMÃO TEM UM NOVO ÍDOLO
Zezé revelou-se artilheiro e despertou o interesse de Sampdória e Nápoli na sua contratação. Enquanto isso, o São Paulo F.C. perdia - por contusão - seu ponta-esquerda Paraná. Zezé foi emprestado ao clube e jogou contra o Milan de Mazzola, Amarildo, Dino Sani e Germano. Esta partida terminou 1x0 para o São Paulo.
Laudo Natel, presidente do São Paulo na época, tentou comprar o passe de Zezé. A recusa do atleta foi devido ao compromisso com o empresário José da Gama que achava financeiramente melhor que ele fosse negociado com o futebol europeu.
Zezé então, foi para a Fiorentina por empréstimo. Jogou ao lado do grande Amarildo por 2 meses. Foi aclamado pela imprensa italiana como o segundo jogador brasileiro a jogar pela Fiorentina. Zezé só não foi contratado em virtude da elevada taxa de 35 milhões de liras que a entidade italiana cobrava para o registro de estrangeiros.
Em julho de 1964, ao retornar a Turim, Zezé recebe um telefonema de José da Gama que diz ter acabado de fechar contrato com o 1.FC Köln (Colônia) da Alemanha. Ganhando 300 dólares por mês, mais despesas de casa e comida, Zezé começou a jogar pelo Colônia, campeão da Alemanha Ocidental (antes da unificação). Zezé ficou muito satisfeito com a ida para o futebol alemão e todos que o viram jogar repetem que Zezé se transformaria na sensação do campeonato e foi o primeiro jogador brasileiro a ser contratado pelo futebol alemão. Na transação, a Esportiva Guaratinguetá ganhou cerca de dez milhões de cruzeiros.


A estreia do atacante varginhense no 1.FC Köhn (Colônia) foi contra o Trovile, da França. Ganhou o Colônia por 8x0, tendo Zezé marcado 4 gols. Na Alemanha a primeira apresentação de Zezé foi contra o Schailk 04, da cidade de Gelsenkirchen. Nova vitória do Colônia, desta vez por 2x0. Zezé novamente deixou a sua marca, fazendo um dos gols.
Zezé confessa que estranhou bastante a temperatura nos primeiros dias. O frio em Colônia é rigoroso, chegando a quatro graus negativos. Tem também o problema do idioma: “Como se passa mal por causa disso! Acho que quando voltar ao Brasil poderei ser mímico, pois nunca gesticulei tanto em minha vida. Mas já estou compreendendo alguma coisa”, diz Zezé.
O sucesso de Zezé na Alemanha facilitou a ida de Miguel, ex-goleiro do Vasco e Botafogo para seu clube, além de abrir caminho para companheiros seus. “Fiquei muito alegre quando soube que Miguel vinha jogar no Colônia, afinal de contas, só conseguia conversar quando ia para casa porque no clube tinha sempre que me fazer compreender por gestos e sinais”, complementa Zezé.
Em 3 de outubro de 1964 casou com Dorly da Costa Ferraz Rodrigues, que é de São Paulo. Apesar do frio, ela se adaptou muito bem e está satisfeita com o tratamento que os dois recebem.
Ficou no Colônia por 11 meses, sendo campeão nesta temporada e chegou a jogar contra Puskas, Mazopuste, Copas, Eusébio, Bob Moore, Bob Charlton e na despedida de Sir Stanley Matheus, jogou ao lado deste importante craque europeu. Na Alemanha Zezé tornou-se um ídolo e foi considerado como uma das principais peças do Colônia. Seu poder de inovação faze e garante o sucesso do primeiro jogador brasileiro no futebol alemão.
O frio e a neve (pavor de Zezé) ajudou para que o craque não se adaptasse ao futebol alemão. Ele declarou ao desembarcar no Brasil com sua esposa Dorly, que estava grávida em maio de 1965: “... o motivo de minha desistência foi o de não ter me adaptado ao futebol alemão, que é muito violento, além de não ter resistido ao frio. Quando jogava no Colônia a tática do time era 9-1, ou seja, todos na defesa e eu sózinho atacando”, acrescentou ainda que “ultimamente a técnica do time melhorou um pouco, depois que eu expliquei a eles o que é 4-3-3.
Ao chegar no Brasil, Zezé ainda não sabia em qual time iria jogar. Antes de sua partida para a Alemanha, o São Paulo estava interessado em seu passe. Ele passou alguns dias na casa de seus pais em Nova Iguaçu só depois foi procurar o treinador do São Paulo, Otto Vieira para acertar sua transferência para aquele clube.
Mas Otto Vieira estava para deixar o São Paulo e avisou Zezé para que não assinasse com o clube, pois pretendia levá-lo para a Portuguesa Santista. Zezé permaneceu na Portuguesa até 1967, quando estava para assinar contrato com o Palmeiras, foi procurado pelo dirigente da Portuguesa para que jogasse uma partida beneficente. Foi aí que aconteceu a ruptura dos ligamentos de seu joelho, que o deixou mais de um ano sem jogar e ainda por cima, sem nenhuma garantia, nem contrato. Pois ainda não tinha assinado com o Palmeiras. Foi uma fase negra na sua vida, onde foi obrigado a gastar toda sua economia de anos de luta para se manter e custear seu tratamento.
Foi no Santo André que Zezé retornou às atividades. Foi o primeiro jogador profissional a integrar aquela equipe paulista. Ficou mais de um ano parado e em 1968 retorna para mostrar sua arte em gramados brasileiros. Em 1969, ele foi negociado com o Rio Branco Sport Clube de Paranaguá. Outro time na sua carreira e que disputava a divisão principal do futebol paranaense. Mas devido à situação financeira lastimável do clube paranaense, Zezé, a vedete do Rio Branco foi negociado com outro clube de Paranaguá, o Seleto, também integrante da divisão principal do Estado.
O Atlético Paranaense estava de olho em Zezé há tempos. E na primeira oportunidade contratou o craque. Zezé foi jogar ao lado de Dijalma Santos e Sucupira. Mas, devido também a uma situação financeira delicada que o clube passava, Zezé deixou o Paraná e foi jogar no Bangú.
Em 1970, para a alegria dos varginhenses e torcedores do Flamengo, Zezé veio para Varginha e encontrou o esquadrão flamenguista, recém-campeão da Divisão de Acesso e integrou-se ao plantel. Jogou quase todas as partidas do Campeonato Mineiro de 1970. Ele também jogou em Varginha em 1961, quando ainda pertencia ao Madureira. Passou duas semanas na cidade e entre as partidas memoráveis que realizou, aponta o jogo contra o América de Nepomuceno, onde ele marcou 3 gols, Linquinho fez 2 e Dijalma também 2. Final 7x0 para o Flamengo. A respeito do futebol de Varginha, Zezé considera Nêgo Horácio, Linquinho e Duza, os melhores jogadores que ele viu jogar por aqui.
Em julho de 1970, depois da Copa do Mundo, Zezé deixou o Flamengo de Varginha e retornou para o Rio. Zezé Moreira chegou a procurá-lo e garantir colocá-lo em algum clube carioca, mas queria participação nas luvas. Zezé não se interessou e chegou a estudar uma proposta do Flamengo carioca. Mas, o seu passe ainda pertencia ao Colônia, que dispensou o jogador que sofria com uma intensa alergia pela neve e o frio. Chegou a fazer tratamento. Mas como a diretoria do clube alemão, não queria ver Zezé jogando por outro clube europeu - havia interesse do Ajax da Holanda - ficou com o passe preso e até hoje Zezé pertence ao Colônia da Alemanha.
Desgostoso com o futebol, Zezé resolver virar empresário e montou uma mercearia (Mini-Box). Em 1976 voltou para Varginha e começou a trabalhar no Solúvel, depois F.L. Smith e por fim na Via Engenharia até a aposentadoria.
E recentemente (no ano de 2000), seu clube na Alemanha, 1.FC Köln, comemorou 50 anos de fundação e através de uma TV VDR da Alemanha, veio buscar Zezé para ser homenageado.
“Foi uma emoção e tanto”, diz Zezé. “Não sabia que a torcida do Colônia fosse lembrar de mim. Um dia estava passeando num shopping e de repente, um casal parou na minha frente e pronunciou Séssé?. Era assim que me chamavam lá. Minutos depois estava rodeado por inúmeras pessoas pedindo autógrafo e me fazendo posar para fotos. Só consegui despistar o povo, quando peguei um táxi para dar uma volta no quarteirão”.
Esta é a trajetória deste craque varginhense que foi o primeiro jogador brasileiro a jogar no futebol alemão. Vieram outros depois: Miguel, Paulo Sérgio, Tita, Jorginho, Dunga, Emerson, Ratinho, Herbert, Júlio César, Lúcio, Marcelinho Paraíba etc., mas fica registrado a inesquecível participação de Zezé pelos campos europeus jogando pelo Colônia.

 

A HOMENAGEM DA TV ALEMÃ
A HOMENAGEM DA TV ALEMÃ
Na comemoração dos 50 anos do 1.FC Köln (Colônia) teve muita festa e entre as homenagens, o clube veio buscar Zezé para participar do Programa Im Westen Sport da TV VDR da Alemanha. No programa especial, Zezé relembrou, ao lado de craques do time da época como: Wolgang Overath, Heinz Hornig, Wolfgang Weber e Karl-Hanz Thieler, toda a sua experiência no futebol daquele país. Na entrevista, Hannes Löhr frisou que ficava impressionado com o domínio de bola do Zezé. Parecia que ele tinha um imã nos pés. Foi um momento de alegria e emoção que Zezé diz não esquecer jamais. O carinho e o respeito do torcedor alemão ficará registrado para sempre em sua memória. Zezé faleceu em Varginha. Na foto abaixo Zezé ao lado de um torcedor alemão, quando recebeu a homenagem da TV Alemã".

(http://stadiumvarginhense.blogspot.com/2010_04_01_archive.html)

 

 

 

 

   

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

11.03.2015 - A menina do giz

07.03.2015 - As 7 maravilhas naturais do novo mundo

14.01.2015 - Livro de Pedro Lucas Lindoso

05.12.2014 - CHÁ E CAFÉ: O QUE É INFUSÃO?

28.11.2014 - O Bloco carnavalesco Chave de Ouro

24.11.2014 - Os feijões mexicanos que saltam

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.06.2017 - Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br