Dilson Lages Monteiro Domingo, 23 de novembro de 2014
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

Alguns vencedores da velha Loteca dos 13 pontos foram à falência

 

Alguns vencedores da velha Loteca dos 13 pontos foram à falência

Se as estórias de novos-ricos são muito numerosas, as dos novos-milionários são várias.

 

 

 

 

 

 

 

 

"DIE WETTE GILT"

(TRADUÇÃO PARA O ALEMÃO DE NOME

DE PEÇA DE J. BETHENCOURT)

  

 

 (http://www.liberal.com.mx/imagenes/mthumb/121561274511_07dentadura.gif)

 

 

 

 

 

NO IDIOMA DE JOHANN WOLFGANG von GOETHE,

EXPRESSÃO DIE WETTE GILT significa

"A APOSTA É"

(COLUNA "Recontando...",

tentado explicar a razão de

a foto a seguir transcrita

aí estar)

 

 

 

 

 

CARTAZ DA MONTAGEM ALEMÃ DE

PEÇA TEATRAL DE AUTORIA

DO GRANDE DRAMATURGO BRASILEIRO

JOÃO BETHENCOURT (que também

aparece na fotografia): ele inventou

FRANK SINATRA 4815, sendo

'FRANK SINATRA 4815' simultaneamente

(1) o nome de uma genial peça sua

e  (2) o nome de um cavalo que venceu

(NA ESTÓRIA QUE ELE ESTUPENDAMENTE

CRIOU: a tal "peça sua") um Grande Prêmio Brasil

ficcionalmente acontecido no Jockey Club do Rio de Janeiro,

com o detalhe de que o cavalo se chamava - NA SUPRAMENCIONADA

PEÇA - Frank Sinatra, sendo o '4815' a associação, em bilhete

da Loteria Federal, a um número a ser premiado só se

o animal FRANK SINATRA vencesse a equina carreira

(SÓ A FOTO DO GENIAL BETHENCOURT, SEM

A LEGENDA EXPLICATIVA ACIMA ENGENDRADA:

http://veja.abril.com.br/vejarj/160205/perfil.html)

 

 

 

 

(http://resources3.news.com.au/images/2008/05/21/va1237308960464/Ken-Pope-6050636.jpg)

 

 

 

 

(http://avisoemdois.com.br/divirta-se/gp-brasil-de-turfe/)

 

 

 

 

(http://www.abril.com.br/mulher/fotos/corrida-cavalo-preakness-stakes-2009/)

 

 

 

 

(http://www.itexto.net/devkico/?p=309)

 

 

 

 

(http://eduardomascari.wordpress.com/)

 

 

 

 

 

(http://eurekaaudiolivro.blogspot.com/2010/03/bill-gates.html)

 

 

 

 

 

 

 

"Parabéns [Parabéns, Nadson Ruas!]

22.9.2010

Muito interessante, seu post [O ARTIGO,  ADIANTE TRANSCRITO, SOBRE VENCEDORES DA LOTERIA ESPORTIVA BRASILEIRA DE 13 PONTOS, DE AUTORIA - O REFERIDO TEXTO - DE NADSON RUAS]. Realmente me interesso muito em saber o antes e o depois dessas pessoas, que foram, ou não, tão sortudas. se puder me relacionar outro endereço que eu encontre mais dessas estórias, favor enviar.
glandivar@ibest.com.br
Abraços

["COMENTÁRIO POR BETO JUNQUEIRA", de acordo com o blog de NADSON RUAS]

(http://blog-br.com/NadsonRuas/53687/OS+MILION%C1RIOS.html)

 

 

 

 

 

 

 

(http://jornaldoincrivel.tumblr.com/post/32066898/a-caixa-forte-do-tio-patinhas,

onde se pode ler:

Um (...) fã dos personagens da Disney construiu finalmente uma réplica da caixa-forte do Tio Patinhas.
Podem visitar AQUI uma galeria de fotos da evolução da sua construção.

Só faltará enchê-la de moedas de 1 cêntimo para poder então mergulhar no dinheiro… weeeeeeeeeeeeeeeeeeee)
 

 

 

 

 

 

"SE VOCÊ GANHAR SOZINHO NA MEGASSENA, PROCURE NÃO FAZER APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE RISCO, NEM APOSTAR EM EMPREENDIMENTOS COMERCIAIS EM TERRITÓRIOS COMPLETAMENTE OCUPADOS POR CAPOS DE ÍNDOLE MAFIOSA, DEPOIS DE RECEBER A BOLADA!"

Coluna "Recontando estórias do domínio público"

 

 

 

 

 

               Abraçando seres comuns, que são, contudo, tão especiais quanto somos eu e você:

               BETO JUNQUEIRA e o elogiado (por Beto Junqueira) NADSON RUAS,

               que gostam muito de estórias a respeito de pessoas que vão dormir

               pobres ou remediadas e acordam milionárias como, digamos...

               Tio Patinhas ou Bill Gates, SE É QUE É POSSÍVEL APENAS COM

               UMA PULE PREMIADA TORNAR-SE TÃO RICO QUANTO PATINHAS

               OU GATES -, AO RESPEITADO CIENTISTA DA TELEMÁTICA E

               EMPRESÁRIO FILANTROPO BILL GATES (a quem se deseja

               muita saúde e vida longa) E A

              JOÃO BETHENCOURT (1924 - 2006), in memoriam, que foi "patrulhado"

              por miseráveis seres pertencentes a uma sub-humanidade desprezível

              só porque fazia aquele autor teatral o melhor que podia (COMO SER SUPERDOTADO

              INTELECTUAL E ARTÍSTICO QUE ERA) PARA, HONESTAMENTE,         

              GANHAR DINHEIRO TRABALHANDO EM SEU RAMO DE

              ATIVIDADE CULTURAL-COMERCIAL: escrever peças

              absolutamente geniais (ALGUMAS, ENCENADAS, POR EXEMPLO,

              NA ALEMANHA: DIE WETTE GILT)!

 

 

 

 

 

 

4.11.2010 - Nadson Ruas foi o contador das estórias adiante transcritas - Obrigado, Nadson! (E elogio ao nadsoniano artigo foi acima reproduzido)  F. A. L. Bittencourt

 

 

 

 

NADSON RUAS GENEROSAMENTE  ESCREVEU

 

"LOTECA- OS MILIONÁRIOS

            - O MILIONÁRIO -

AH! EU QUERIA SER UM MILIONÁRIO/ EU GOSTARIA DE SER UM MILIONÁRIO/POIS É/CARRÕES/ MULHERES/ MANSÕES/UM MILIONÁRIO/

AH! COMO SERIA BOM/ EU UM MILIONÁRIO/ EU AINDA VOU SER UM MILIONÁRIO/POIS É/ CARRÕES/MANSÕES/MULHERES/ EU UM MILIONÁRIO.

AH! EU JÁ SOU UM MILIONÁRIO/ EU SEMPRE SOUBE/ QUE SERIA UM MILIONÁRIO/ CARRÕES/MANSÕES/MULHERES/ E EU O MILIONÁRIO.

NADSON RUAS

  Nos anos 70, os valores eram milionários. O comerciante capixaba Mário Alberto Ronconi, por exemplo, ganhou 14 milhões de cruzeiros em novembro de 1972. Se fosse hoje, Ronconi teria faturado a bagatela de R$ 20,4 milhões.

“Nos anos 70, tínhamos apenas uma modalidade de loteria. Atualmente, são oito tipos de jogos e é natural que haja uma redistribuição de apostas, diminuindo o valor dos prêmios”, avalia Lopes. Na cola da Loteca, está, entre outros tipos de jogos, a Mega Sena, na qual o jogador é obrigado a acertar seis números números num total de 60.

No último concurso, do dia 20, o valor do prêmio máximo chegou a R$ 3,2 milhões. Não houve ganhadores.

O grau de probabilidade de acertar qualquer jogo de loteria parece ser inversamente proporcional à forma de gastar o dinheiro adquirido num sorteio - pelo menos nos anos 70. O Estado conseguiu localizar seis dos maiores ganhadores da Loteria daqueles anos. Destes, apenas dois conseguiram manter a riqueza ou um padrão de vida de classe média. É o caso do boiadeiro Miron Vieira de Souza, de Goiás, que faturou, sozinho, 22 milhões de cruzeiros em setembro de 1975 (hoje cerca de R$ 16 milhões).

Sua primeira providência foi comprar uma dentadura. Adquiriu terras e bois e hoje vive como fazendeiro em Iporá, a 220 quilômetros de Goiânia. “Ajudei muita gente, minha família, amigos, pessoas estranhas”, conta Miron, hoje com 64 anos. Segundo ele, o que segurou seu dinheiro foram as terras. “Foi meu melhor investimento”, acredita.

De lá pra cá, o ex-boiadeiro ainda ganhou quatro vezes na loteria, mas todos os prêmios foram baixos. “A última vez foi na Copa de 1998. Ganhei uns 6 mil reais. Deu para comprar dez bezerros”, lembra.

Assim como o goiano Miron, o comerciante Mário Ronconi, de Santa Tereza (ES), também conseguiu manter o dinheiro que ganhou em novembro de 1972. Os 14,1 milhões de cruzeiros (R$ 20,4 milhões) que recebeu na Loteria, Ronconi teve de dividir com mais 18 amigos, com quem havia feito um bolão. “Peguei o dinheiro e botei num fundo de investimento, no qual só pude resgatar seis meses depois da aplicação. O resultado foi que a inflação comeu metade do prêmio que eu tinha ganho”, lembra Ronconi, que na época tinha 22 anos.

Posto - Com o dinheiro na mão, o comerciante entrou numa sociedade em uma rede de supermercados. Seis meses depois, nova decepção. “Sai da sociedade e acabei comprando um posto, que tenho até hoje.

Atualmente, posso dizer que vivo bem financeiramente”, diz.

Mesma sorte não tiveram o despachante Eduardo Varela, o agricultor Antônio Donizeti, e o maquinista Jovino Viriato do Carmo e o baiano Francisco Portela. Os quatro acertaram os 13 pontos, ficaram ricos da noite para o dia, mas também perderam tudo. Varela, o Dudu da Loteca, ganhou em abril de 1972 cerca de 11,6 milhões de cruzeiros (R$ 18,2 milhões). Comprou casas, apartamentos - um deles na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, um dos endereços mais caros do País. Aos 23 anos, inexperiente, investiu em dois hotéis em Campos de Jordão (SP), que acabaram falindo.

“Ele não ficou pobre com essa falência, mas sim com a separação da mulher, que veio logo depois”, conta o advogado Hélio da Silva Nunes, que trabalhou para Varela no processo de falência. Segundo Nunes, o despachante colocou quase todos os imóveis, inclusive o da Vieira Souto, no nome do sogro. “Com a separação, ele perdeu tudo. Só ficou com duas salas no centro do Rio e um imóvel em Itaipava (região serrana do Rio)”, lembra o advogado, que viu Dudu da Loteca pela última vez há cinco anos. Na época, o ex-milionário trabalhava como funcionário de uma corretora de valores, no Rio.

Cartas - A história do agricultor Antônio Donizeti é parecida. Em julho de 1977, ele acertou na Loteria, faturando 16,1 milhões de cruzeiros (R$ 6,3 milhões). “O dinheiro foi embora em três anos. Gastei quase tudo com rapariga”, lembra Donizeti, que na época tinha 19 anos. “Recebi carta de mulheres do Brasil inteiro, querendo se casar comigo. Até hoje tem gente que me deve”, afirma Donizeti, que nunca saiu da pequena Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres de Minas Gerais. Hoje, ele tem um pequeno sítio, onde cultiva feijão e milho.

“Tiro uns R$ 500 por mês. Dá para viver”, conta.

O terceiro sortudo que acabou na miséria foi o maquinista Jovino Viriato do Carmos. Em agosto de 1970, ganhou 2,9 milhões (R$ 5,4 milhões). Jovino comprou uma fazenda em Vassouras, no Médio Paraíba fluminense. Com os anos, teve de vender a fazenda, para pagar dívidas e cuidar do filho, viciado em drogas. Morreu há oito anos.

A história do baiano Francisco Portela também teve final triste. Em abril de 74, ele recebeu da Loteria 14,7 milhões de cruzeiros (R$ 15,9 milhões). Na época, aplicou na construção imobiliária em Salvador. Assim como Dudu da Loteca, Portela faliu. Hoje, ele vive nos Estados Unidos, onde trabalha como funcionário em um escritório de contabilidade. “Assim como veio fácil, foi embora fácil”, define o agricultor Donizeti. Como no velho samba de Paulinho da Viola, "dinheiro na mão é vendaval".

 

NADSON RUAS".

(http://blog-br.com/NadsonRuas/53687/OS+MILION%C1RIOS.html)

 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

30.06.2014 - Ninhada de jacarés em Manaus

24.06.2014 - Pequenidade é pequeneza?

21.06.2014 - O filme Dona Flor (1976)

13.06.2014 - The Mamas and the Papas no Programa do Jô Soares

10.06.2014 - Teatro: o amor em Vinicius de Moraes

04.06.2014 - Festa no céu / Coleção Disquinho (partes 1 e 2)

29.05.2014 - Os zuni

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Últimas matérias

21.11.2014 - André Carneiro

Falecido aos 92 anos, André Carneiro é um ícone da ficção científica brasileira.

21.11.2014 - O OVO

Acaso aquele ovo seria o caos e o átomo primordial de algo que estava por vir?

21.11.2014 - MEDITAÇÃO NO PARQUE

MEDITAÇÃO NO PARQUE

20.11.2014 - O Papa tem razão

Nãoquero estar na pele

20.11.2014 - Morre o ex-ministro Marcio Thomaz Bastos

Morre o ex-ministro Marcio Thomaz Bastos

19.11.2014 - O que os ateus esperam?

Nunca consegui entender o raciocínio de nossos irmãos ateus, pelo contraditório que encerra a religião do ateísmo.

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

Uma das 7 Maravilhas Antigas da Humanidade

17.11.2014 - Quebra-cabeça versus inovação

Entre a análise cartesiana e o 'design thinking'

17.11.2014 - Ler e sobreviver

Sabe quem lê que a leitura só traz benefícios, até porque aprender é maravilhoso

17.11.2014 - Crase com nome de mulheres

O acento indicativo de crase antes de nomes próprios de mulheres é tido como facultativo, pois se escreve “à” diante de alguns nomes femininos, mas não diante de outros.

17.11.2014 - Ser antologista

Ser antologista é passar meses à procura de uma história que use uma abordagem qualquer do tema, não encontrá-la, e depois de jogar-a-toalha nessa busca achar uma história perfeita

16.11.2014 - "Eu te punirei em nome da Lua"

O quinto volume do mangá Sailor Moon, aqui resenhado, apresenta episódios antológicos.

16.11.2014 - Boa acolhida de Modernas Teorias Literárias na Fliporto

Boa acolhida de Modernas Teorias Literárias na Fliporto

15.11.2014 - É de estarrecer!

A coisa anda feia

15.11.2014 - O ROMANCEIRO

"Não posso mover meus passos / por esse atroz labirinto"

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br