Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

A Velhinha Inteligente

 

[Flávio Bittencourt]

A Velhinha Inteligente

Simone Chamound sabe recontar uma estória. 

 

 

 

 

 

 

 

Haikai do Dia

Conto popular:

Velhinha inteligente,

jantar garantido.

(Flávio Bittencourt,

hoje)           

 

 

 

 

 

           

 

 

 

 

 

 

 

 


21.9.2012 - Simone Chamound sabe recontar uma estória - A Velhinha inteligente é recontada por Simone Chamound.   F. A. L. Bittencourt (flabitten@bol.com.br)

 

  

 

 

A velhinha inteligente

 

                Há muitos anos, houve um grande cerco à cidade de Carcassona e os habitantes nada tinham para comer. A fome e as moléstias tinham matado tanta gente, que aqueles que ainda viviam estavam desesperados. Certo dia, o prefeito da cidade reuniu o povo numa praça para falar- lhes.

            ­― Meus amigos ­― disse ele ­― temos que nos entregar ao inimigo. Nossas provisões acabaram.

            ­― Não, não! ­― gritou uma velhinha pobre e esfarrapada. Não desanime. Estou certa de que o inimigo em breve nos deixará. Se fizer o que vou lhe dizer, garanto que a cidade estará salva.

            O prefeito resolveu ouvi-la e a velhinha disse:

            ­― Antes de tudo, dê-me uma vaca.

            ­― Uma vaca! ­― exclamou o prefeito. ­― Não há vaca nenhuma na cidade, já foram todas comidas.

            A velha insistiu. Era preciso que procurassem uma vaca, de qualquer maneira. Afinal, encontraram uma na cabana de um velho avarento. Ele havia escondido o animal para vendê-lo, depois, por muito dinheiro, mas os soldados a levaram, a despeito de suas lamúrias.

            ­― Agora ­― ordenou a velhinha ­― dê-me um caldeirão cheio de comida.

            O prefeito protestou:

            ­― Não há comida na cidade.

            A velha insistiu, afirmando que, sem um caldeirão cheio de comida, nada poderia fazer. Então, os soldados novamente foram de casa em casa, apanhando as migalhas que encontravam, até que conseguiram encher um caldeirão. Entregaram-no à velha que, depois de juntar-lhe um pouco de água, para tornar o alimento mais pesado, deu-o à vaca.

            O prefeito declarou que era absurdo dar boa comida a um animal, quando mulheres e crianças estavam famintas, mas a velha sacudiu a cabeça e sorriu sagazmente.

            Quando a vaca acabou de comer, a velhinha conduziu-a aos portões da cidade e ordenou à sentinela:

            ­― Abra o portão.

            Assim que o portão se abriu, ela empurrou a vaca para fora. Os soldados inimigos, assim que ouviram o ranger do portão, vieram correndo. Grande foi sua alegria quando viram a vaca. Sem perda de tempo, conduziram-na ao acampamento.

            ­― Onde acharam esta vaca? ­― perguntou o chefe inimigo.

           ­― Exatamente do lado de cá do portão. Com certeza, deixaram-na lá para pastar ­― responderam os soldados.

            ­― Oh! ­― exclamou o chefe. ­― Pensei que eles estivessem famintos, mas enganei-me, porque, se assim fosse, teriam comido esta vaca, apesar de ela não estar nada gorda.

            ­― Sim, eles devem ter mais provisões do que pensávamos ­― responderam os soldados.

            ­― Há muito tempo que não comemos carne fresca ­― queixaram-se eles.

            ­― Bem, matem a vaca e teremos bifes para o jantar ­― ordenou o chefe.

            Depois de morto o animal, quando o abriram, encontraram com grande espanto, em seu estômago, cereais. Quando o chefe soube disso, exclamou:

            ­― Se o povo desta cidade ainda tem tanto alimento para os seus animais, não será tão cedo que se renderá! Provavelmente passaremos fome antes dele!

            Reuniu, então, os soldados e naquela mesma noite deixaram o acampamento.    

            Foi assim que a cidade ficou livre, novamente. O povo carregou a velhinha em triunfo pela cidade e deu-lhe dinheiro para viver com conforto o resto da vida.

 

Retirado do livro Mundo da Criança, Ed. Delta, Vol. 3, Simone Chamound.

Adaptado para fins didáticos)

 

(TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO:

VERA BRAGA NUNES)

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (1)

aaaa gostei

carlos venancio
postado:
28-03-2014 14:33:18

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

11.03.2015 - A menina do giz

07.03.2015 - As 7 maravilhas naturais do novo mundo

14.01.2015 - Livro de Pedro Lucas Lindoso

05.12.2014 - CHÁ E CAFÉ: O QUE É INFUSÃO?

28.11.2014 - O Bloco carnavalesco Chave de Ouro

24.11.2014 - Os feijões mexicanos que saltam

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br