Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 24 de julho de 2014
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

A Ferroviaria Oriental opera o trem da morte, na Bolívia

 

A Ferroviaria Oriental opera o trem da morte, na Bolívia

É natural que surja grande curiosidade a respeito de tudo aquilo que cerca a lendária ferrovia boliviana.

 

 

 

 

 

 

 

Um dos grandes campos de girassol  que passam pelas janelas do Trem

"(...) Não descuide de sua mala nunca.
Guarde metade de seu dinheiro dentro do porta-dólares, junto ao seu passaporte, e a outra metade em algum lugar seguro em sua bagagem.
Fique sempre de olho em sua bagagem e prefira não aceitar a ajuda de quaisquer estranhos, nem de conhecidos.
(...)"

(TRECHO DO RELATO EM PORTUGUÊS ADIANTE TRANSCRITO, com o detalhe de que O GRIFO É NOSSO)

 

 

 

http://infinitodestino.blogspot.com/2009/07/o-trem-da-morte.html

 

 

 

"Trem da Morte: Puerto Quijarro hasta Santa Cruz de la Sierra (1.200km de viagem)"

(http://idasyvindas.blogspot.com/2009/01/bolvia-trem-da-morte.html)

 

 

 

Bolívia - Trem da Morte

 





















(http://idasyvindas.blogspot.com/2009/01/bolvia-trem-da-morte.html)

 

 

 

 

                                      Agradecendo à paciência de quem viaja e não tem preguiça de

                                      compartilhar informações novas com seus interlocutores-amigos

 

 

20.5.2010 - Se a Companhia opera uma ferrovia lendária, lendária também será - Se ele, o autor do relato, teve coragem de ir a Santa Cruz de La Sierra por essa estrada de ferro, seu relato merece ser lido. Mas, antes, vejamos o que a Companhia operadora do trecho diz de si mesma. Primeiramente, apresenta-se a mensagem institucional, depois, enfim, a mensagem do passageiro, contando suas impressões. Nesta Coluna preza-se a atenção aos diversos "lados" envolvidos em cada controvérsia. E observe, por favor, que a controvérsia não é pequena, nesse caso, já que se está falando do... TREM DA MORTE!

 

 

ASSIM SE APRESENTA A COMPANHIA 

"Nuestra Empresa

Ferroviaria Oriental S.A. es una empresa boliviana de transporte de carga y pasajeros.

 

Administra una red de 1.244 Km de vía férrea, al Este hasta la frontera con Brasil, al Sur hasta la frontera con Argentina y al Norte hasta la ciudad de Montero.

El área de influencia de la red ferroviaria cubre un 30% de la población Boliviana, 43% del Producto Interno Bruto, 37% de la producción agroindustrial y un 40% de la actividad comercial.

Transporte de Carga

La carga transportada por Ferroviaria Oriental representa un tercio del total de las exportaciones bolivianas.

Ferroviaria Oriental S.A. cuenta con un parque remolcado que incluye 28 locomotoras y una capacidad de transporte de más de 1.000 unidades, entre bodegas multiuso, tolvas graneleras, vagones tanque, contenedores refrigerados, tolvas balasteras, jualas ganaderas y vagones plataforma.

Los servicios de carga ofrecen a nuestros clientes soluciones seguras e integrales de transporte y logística, con valores agregados que incluyen seguro de carga, cumplimiento en los tiempos de entrega, formalidad en los contratos y solvencia empresarial, siendo los Principales productos transportados Soya y derivados, Hidrocarburos, Material de construcción, Minerales de exportación, Bananas del y Chapare y carga diversa de importación.

Transporte de Pasajeros

Ferroviaria Oriental S.A. transporta más de 500.000 pasajeros al año en los servicios del Tren Regional, Expreso Oriental y su línea de ferrobús. De esta forma, la empresa promueve el turismo receptivo generando economías locales en las poblaciones de la Gran Chiquitania, el Pantanal Boliviano y el Chaco.

Responsabilidad Social

Ferroviaria Oriental S.A. define como una de sus principales conductas públicas, el ser Buenos Ciudadanos y Buenos Vecinos, constituyéndose en un factor para la generación de desarrollo y bienestar en las comunidades por donde desarrolla sus operaciones, en armonía con el medio ambiente.

 

Bajo la premisa de que todos somos mutuamente necesarios, nuestro compromiso con la sociedad es generar sinergias entre nuestros clientes, usuarios, proveedores y comunidad en general, desarrollando una acción social que involucra un contacto directo entre la empresa y los actores sociales del territorio donde desarrollamos nuestras operaciones".

(http://www.ferroviariaoriental.com/Acercadenosotros/Quienessomos/Empresa/tabid/69/Default.aspx)

 

 

===

 

 

RELATO DO VIAJANTE CORAJOSO

 

spcorumvin.jpg (6859 bytes) spcorumvin2.jpg (4316 bytes)


Nando e Pablo: perigo, desespero, emoção e carisma dentro do Trem da Morte"O Trem da Morte

Por que morte?
A verdadeira história do Trem da Morte é ainda desconhecida até para nós.
Muitos acham que o este nome existe por causa do risco em embarcar no tal Trem, porque vai morrer durante a viagem, mas não é bem assim. A história que mais ouvimos é que o trem fazia transporte de doentes durante uma grande epidemia de febre amarela, que ocorreu na Bolívia há muitos anos. A epidemia passou (e o risco de ficar doente também), mas o nome permaneceu até hoje.

Para nossa surpresa, o trem é super bem cuidado (para os padrões bolivianos) e bem mais confortável do que poderíamos imaginar. Não passamos por nenhum perigo ou risco, nem com nossa bagagem. Das duas uma: ou tivemos muita sorte, ou essa história de trem perigoso não passa de balela. Ou as duas coisas.

Embarque e acomodação

Trem da Morte, viagem tranquila para Santa CruzSe você conseguiu comprar uma passagem no horário que queria e não ficou maluco com a "organização" da Estação Ferroviária Boliviana, parabéns! Você é um felizardo. Nós compramos passagem para as 15hs, o que é um ótimo horário para viajar por alguns motivos.

Primeiro: o sol já não está tão forte e o tempo estará mais fresco (o calor é infernal dentro do trem!).
Segundo: a previsão de chegada em Sta. Cruz é ao meio dia do dia seguinte, o que é um horário ideal para almoçar, conhecer lugares e se preparar para continuar a viagem. Se tiver chance de escolher horário, prefira a parte da tarde. A pontualidade também não é a especialidade dos trens bolivianos, mas é melhor mesmo chegar com antecedência na estação.

O movimento de pessoas e cargas é grande, por isso não desgrude da bagagem e fique de olho em qualquer tipo suspeito encarando você. Se se sentir acuado ou perseguido, tente ficar junto a algum grupo maior de turistasAspecto sóbrio e bem acabado da bela estação de Puerto Quijarro (é quase certo que vão haver brasileiros ali). Com certeza você irá se surpreender com o trem e verá que não é nada daquilo que você imaginava.

Você ficará aliviado em saber que há poltronas para sentar e que não há nenhum porco ou vaca sentados ao seu lado. Mas isso também não quer dizer que a viagem será confortável. Prepare-se para dor nas costas e para ter uma noite de insônia "daquelas". As poltronas são velhas e um pouco mal cuidadas, além de muuuito empoeiradas. Mas isso é o de menos, se você tiver tido o azar de pegar uma passagem com número igual a de outra pessoa. A desorganização é tanta que são vendidos várias passagens com o mesmo número, nosso querido companheiro Alberto foi o premiado e teve de discutir um pouco com os "outros" donos de seu lugar, um casal de bolivianos mal encarados. Afinal, valeu à pena: ele garantiu um lugar na janela. Para ajudar mais no desconforto, há os inevitáveis solavancos. O pior é que não dá nem para culpar a estrada toda irregular. Quem já andou de trem sabe que é assim mesmo, quando não se viaja em uma ferrovia bem conservada, o que definitivamente não é este o caso.

Um olho aberto e outro fechado

Se você estiver com fome, pode aproveitar e saborear os petiscos que os locais vendem pelas janelas do trem. O Fenômeno não se responsabiliza.Ao comprar a passagem, você tem a opção de escolher com ou sem refeição. Apesar das aparências, nós recomendamos o rango servido no Trem. Lembre-se que a viagem será longa (de 18 a 20 horas) e não haverá nenhuma parada em um posto de gasolina. Garantimos que o gosto não é dos piores. O menu é variável, mas sempre simples: um pedaço de frango, um pouco de arroz, um legume ou verdura. Se você comprar uma passagem em um vagão da Classe Pullman, talvez você tenha a sorte (ou azar) de ter televisão e videocassete. As vezes são cópias de filmes americanos com legendas em espanhol. Torça para não ter assistido ao filme ainda (nós assistimos ao Medidas Desesperadas duas vezes durante a viagem, porque eles não tinham outra fita e ficaram repetindo o filme a noite toda). Se não, tudo o que você terá a fazer é (tentar) dormir. Se estiver sozinho, guarde bem a sua mala no bagageiro e, por precaução, amarre uma ponta da sua mochila à uma corda e a prenda firmemente às barras do bagageiro. O melhor conselho é: fique na sua. Se você for bem discreto, ninguém perceberá sua presença e as chances de você ser roubado serão bem menores. Relaxe e deixe a viagem rolar. Você será acordado bem cedo pela "ferromoça" oferecendo um copão de café bem forte. À partir daí, é só curtir o resto da viagem. A paisagem é bem mais interessante e ainda fica melhor porque será possível enxergá-la (afinal, será dia).

Corra para as portas de entrada do trem, senão você pode ficar sem lugar!!!Quando desembarcar, confira toda a bagagem, deixe o passaporte bem à mão (você irá precisar). A estação de Sta. Cruz de La Sierra é pequena em comparação ao comprimento do trem. Não estranhe de ter de desembarcar no meio do "mato". Não tenha pressa, para não esquecer documentos, mochila de ataque e demais periféricos que você esteja levando. O Alberto, sempre ele, estava demasiadamente afoito para se livrar do pó de seu assento que não guardou direito o seu dinheiro: por pouco ele não perdeu tudo no mato, ao descer do trem.

Bem vindo à Santa Cruz de La Sierra! Boa sorte!"

 (http://www.ofenomeno.com/trem.htm)

 

 

Trem da Morte
Puerto Quijarro - Sta. Cruz

De onde parte: Puerto Quijaro.
Para onde vai: Sta. Cruz de la Sierra.
Clima: muito abafado de dia; frio de madrugada.
Duração: pouco mais de 20 horas.
Preço da passagem: cerca de US$ 20 (a confirmar)
classe Pullman.

 

 

Onde dormir, onde comer,
o que fazer, como se mover, como se comunicar

Dormir no trem
Sentado mesmo. A poltrona é reclinável, mas nada confortável. O balanço do trem é tanto que não permite o descanso de quem tem sono leve. Apesar da viagem estar bem mais segura atualmente, é melhor não descuidar da bagagem. Se estiver sozinho, durma com um olho aberto e outro fechado. Se estiver em grupo, faça revezamento de turnos. Melhor prevenir...você sabe o resto!

Comer no trem
Por uma taxa extra na passagem, é possível viajar com direito a jantar. Não espere nada cinco estrelas. Suco artificial de cor esquisita e comida de procedência duvidosa (você provavelmente terá fome). Mesmo que sua passagem não lhe dê direito ao jantar,você ainda poderá comer: é só pagar na hora para ser servido. Leve guloseimas para beliscar na mochila. Há muitos vendedores ambulantes em cada parada do trem, mas a mercadoria não é nada confiável. Se quiser arriscar um pedação de pollo broaster, o problema é seu.

Passar o tempo no trem
A paisagem é interessante, mas como a maior parte da viagem acontece de noite, você não verá nada além de breu. Alguns vagões da classe Pullmann tem televisão e video-cassete (os filmes nem sempre são muito bons, e são repetidos várias vezes durante a viagem). Leve um game portátil, um livro ou um walkman. Se preferir, durma (além de fazer bem para saúde, faz o tempo passar mais rápido).

Fazer as necessidades no trem
Há banheiro em todos os vagões (apesar de que chamar "aquilo"de banheiro é ser muito bondoso). Use-o somente em caso de extrema necessidade. Lembra daquele rolo de papel higiênico que recomendamos que você carregasse na sua mochilça de ataque? Então, é aqui que ele vai ser de extrema utilidade. : )

 

 

Dicas importantes e coisas curiosas que vimos lá

  • Leve sempre um casaco do lado de fora da mala. A noite é bem fria no trem.
  • Uma garrafinha de água também é bem útil.
    Vá ao banheiro muitas vezes antes de embarcar. Existe apenas um mictório por vagão e ele não é o mais limpo do mundo.
  • Nas duas horas finais da viagem, a paisagem melhora bastante. Preste atenção a um rio praticamente seco (em Julho), campos enormes cheios de girassóis e um monte de mato.

(http://www.ofenomeno.com/trem_dica.htm)

 

 

 

[DSC03994.JPG]

(http://idasyvindas.blogspot.com/2009/01/bolvia-trem-da-morte.html)

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

30.06.2014 - Ninhada de jacarés em Manaus

24.06.2014 - Pequenidade é pequeneza?

21.06.2014 - O filme Dona Flor (1976)

13.06.2014 - The Mamas and the Papas no Programa do Jô Soares

10.06.2014 - Teatro: o amor em Vinicius de Moraes

04.06.2014 - Festa no céu / Coleção Disquinho (partes 1 e 2)

29.05.2014 - Os zuni

27.05.2014 - Eu e o governador, de Adelaide Carraro

26.05.2014 - De acordo com nota do blog de Iago José, Tom Zé é um gênio

19.05.2014 - Alegria, alegria, síntese dos anos 60 no Brasil

14.05.2014 - Paz e amor

13.05.2014 - Um melão caboclo

06.05.2014 - Tema de amor do filme Les parapluies de Cherbourg (França / Alemanha Ocidental, 1964)

02.05.2014 - Egiptologia: Universidade de Amsterdã, Holanda

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

(Dê)pois, poema de Dílson Lages


O macho-e-fêmea, de Rivanildo Feitosa


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

23.07.2014 - Clóvis Rossi, mídia e política

Artigo da FOLHA, 29 E 30.9.2007

23.07.2014 - Estão se adiantando

Estão se adiantando

21.07.2014 - Genocídio no ar

Não dá para acreditar

21.07.2014 - OS GANSOS DA VÁRZEA DO SIMÃO

Erguiam a cabeça e estufavam o peito, orgulhosos de sua força e beleza, conscientes da nobreza de seu próprio ser. Acaso essa aristocrática altivez remontasse aos seus ancestrais devotados a Júpiter, guardiães do Capitólio da cidade eterna.

20.07.2014 - SOPRO: poema de Jefferson Bessa

poesia

18.07.2014 - Rita Pavone, cantora, artista, mãe, pessoa

Ela aproveita a vida! Entrevista no Youtube

18.07.2014 - Até onde pode levar o tédio

Resenha de

17.07.2014 - O olhar de um jovem mendigo

Ao sair da vetustíssima

17.07.2014 - As bandeiras congeladas

Holderlin vê as heras amarelas e as rosas.

16.07.2014 - VOCÊ JÁ POSTOU O SEU COMENTÁRIO NO MEU ARTIGO?

Não deixe de ler

16.07.2014 - DE REPENTE, A COPA SE FOI

DE REPENTE, A COPA SE FOI

15.07.2014 - Polêmicas literárias no Brasil: alguns recortes históricos

As polêmicas surgem

15.07.2014 - Tennessee Ernie Ford & Johnny Cash - Juntos!

Youtube

14.07.2014 - Copa no Brasil injeta 30 bilhões na economia

Copa no Brasil injeta 30 bilhões na economia

13.07.2014 - Quando o choro não consola

A Copa Mundial

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br