Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 27 de junho de 2017
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

As 7 maravilhas do mundo antigo


[Flávio Bittencourt]

As 7 maravilhas do mundo antigo

É cada maravilha maior do que a outra.

 

 

 

 

 

Templo de Ártemis

 

22.8.2014 -             F.

 

"As Sete Maravilhas do Mundo Antigo

      São Grandes Conquistas do Engenho Humano, primeiro arroladas por Philo, de Bizâncio mas também citadas na "História", de Heródoto de Halicarnasso.

         "THEMALA", em grego, "coisas a serem vistas", como eram definidas aquelas Obras.

        Das Sete hoje só ficaram as Pirâmides do Egito. As outras foram destruídas por terremotos ou incendiadas por fanáticos.

         Tradicionalmente, são arroladas na  ordem apresentada abaixo

          Clique sobre a Imagem para vê-la em plena resolução ;)

 

1 - A Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, construída por ordem do Faraó Kufu entre os anos 2584–2561 Antes da Nossa Era (tem mais de 4.500 anos de idade, portanto)

 

 

 

 
 

2  - Jardins Suspensos da Babilônia - Não se pode mais ter certeza de que aquela Obra efetivamente existiu. Heródoto, "o pai da História", esteve na Babilônia e fez grandes descrições do que viu por lá. Não cita os Jardins Suspensos... Mas Heródoto deixa muita coisa sem citar em seu trabalho, o que, naturalmente, ocorre em qualquer tentativa de descrição histórica completa... Corroborando a hipótese de que hajam existido, Diodoro da Sicília, Filo de Alexandria e o historiador Estrabão citam os Jardins Suspensos da Babilônia nos termos mais elogiosos. Teria sido um projeto de Nabucodonosor entre os anos 605 e 562 Antes da Nossa Era e destruídos por um terremoto no primeiro século Da Nossa Era.

 

3 - Templo de Ártemis (Diana, a deusa da caça, para os Romanos), foi completada no ano 550 Antes da Nossa Era: tinha 129 metros de altura e 69 metros de largura, suportada por colunas de 18 metros cada. Foi destruída por um homem chamado Heróstrato no dia 21 de julho de 356, que ateou fogo ao templo para que seu nome fosse lembrado. Essa história foi usada por Jean-Paul Sarte, constando da coletânea de contos "O Muro".

 

 

4 - Estátua de Zeus em Olímpia, com 12 metros de altura, foi uma escultura de Fídias entre os anos 456 e 447 Antes da Nossa Era. Obra em Marfim e Ébano, incrustada com ouro e pedras preciosas. Com a ascenção do cristianismo tanto o monumento quanto a própria cidade de Olímpia (e os Jogos Olímpicos, tradicionalmente em homenagem a Zeus) foram sendo gradualmente negligenciadas. A estátua foi levada para Constantinopla e destruída num terremoto entre os séculos V e VI da Nossa Era.

 

 

 

 
 

5 - Mausoléu de Halicarnasso foi construído no ano 351 Antes da Nossa Era para servir de sepultura ao Sátrapa Persa Mausolo. Tinha 41 metros de altura e era composta por um complexo e intrincado conjunto de estátuas, saudado como um feito notável pelos escritores da antiguidade. Quando Mausolo Morreu em 353 Antes da Nossa Era, sua esposa Artemísia determinou a elaboração de mais e ainda melhores estátuas e adereços. Quando finalmente Artemísia também morreu, foi enterrada ao lado do marido no Mausoléu. Foi destruído por uma série de terremotos em data incerta e o material de que foi construído permaneceu em ruínas até o ano 1494, quando os Cavaleiros de Malta usaram as pedras para construir seu castelo em Bodrum. A fama e o portento da construção fazem com que o nome (Mausoléu)  seja usado até os dias de hoje para referir-se a uma sepultura elegantemente construída.

 

6 - Colosso de Rodes, construído em bronze entre os anos 292 e 280 Antes da Nossa Era e tinha 33 metros de altura. Autores dos séculos XVII e XVIII o romancearam como um gigante "debaixo de cujas pernas poderia passar um navio"; de fato, era uma estátua portentosa, mas se assemelharia mais à Estátua da Liberdade em Nova Yorque. Não seria possível a uma estátua de bronze daquele porte se sustentar da maneira que os escritores modernos a romancearam, havia de existir pelo menos um terceior ponto de apoio e especula-se que isso teria sido conseguido com o artifício de se esculpir uma túnica, também em bronze, indo da cintura da estátua ao chão, para dar-lhe a necessária sustentação. De acordo com o historiador Estrabão, a estátua foi destruída por um terremoto no ano 224 Antes da Nossa Era e seguiu sendo uma atração turística popular mesmo em ruínas. Teofânio, outro historiador, narra como aquelas ruínas foram finalmente levadas embora para serem derretidas e reutilizadas no ano 654 da Nossa Era.

 

7 - Farol de Alexandria, concluído a 280 Antes da Nossa Era, tinha 134 metros de altura e projetava sua luz a 57 quilômetros mar adentro. Era a segunda maior estrutura construída pelo Engenho Humano, perdendo apenas para as Pirâmides. De tão lindo, os escritores antigos diziam "não ter palavras para descrevê-lo". Foi severamente danificado por um terremoto no ano 956 da Nossa Era e, quando outro terremoto de ainda maior intensidade atingiu Alexandria em 1480 o famoso Farol se perdeu para sempre.

 

No mapa acima apresenta-se a localização das Sete Maravilhas do Mundo Antigo

 

Documentário "The Seven Wonders of the Ancient World" - mesmo se o seu inglês não estiver em dia (o que pode ser corrigido...;) só as imagens valem a pena!

 

Lázaro Curvêlo Chaves - 20/05/2014"

(http://www.culturabrasil.org/as_sete_maravilhas_do_mundo_antigo.htm#.U_eijWO_SM8)

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

11.03.2015 - A menina do giz

07.03.2015 - As 7 maravilhas naturais do novo mundo

14.01.2015 - Livro de Pedro Lucas Lindoso

05.12.2014 - CHÁ E CAFÉ: O QUE É INFUSÃO?

28.11.2014 - O Bloco carnavalesco Chave de Ouro

24.11.2014 - Os feijões mexicanos que saltam

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.06.2017 - Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br