Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 27 de junho de 2017
RECONTANDO ESTÓRIAS DO DOMÍNIO PÚBLICO - F. B.
Flávio Bittencourt
Tamanho da letra A +A

A menina do giz

 

A menina do giz

Contam que...

 

 

 

 

(http://walriksontprn.blogspot.com.br/2011/03/o-professor-ateu-e-o-giz.html)

 

 

 

 

11.3.2015 - (...) por isso que hoje em dia quando se escreve com um giz inteiro na lousa se ouve um barulho triste, dizem que é a menina do giz gritando para ser libertada - É por isso que os professores quebram o giz no meio.  flabitten@bol.com.br

 

 

 

 

 

"A menina do giz

Contam que há muito tempo atrás numa escola, tinha uma menina muito bagunceira. Ela sempre se sentava na primeira carteira, conversava demais, brigava com as colegas e não respeitava sua professora. Toda dia quando chegava à sala pegava escondido giz e durante a aula enquanto a professora passava à matéria na lousa a menina tacava pedaços de giz nas costas dela. E toda vez a professora deixa a menina de castigo no final da aula, obrigando a escrever varias vezes que nunca mais iria tacar giz nas costas da professora.

Mas isso não adiantava e todo dia a cena se repetia. A menina continuava a tacar giz nas costas da professora. Certo dia, numa sexta-feira, num dia de muita chuva, a professora perdeu a paciência com a aluna e como de costume a deixou de castigo na sala de aula escrevendo na lousa a mesma frase de sempre “ nunca mais vou tacar giz na professora”, só que desta vez a professora fez algo diferente, deixou a menina trancada na sala, e a professora acabou por ir embora e esqueceu a menina o fim de semana inteiro dentro da sala de aula.

Na semana seguinte quando voltou à escola lembrou-se que havia deixado a aluna na sala e ficou desesperada e para surpresa dela a criança não estava mais lá, mas a frase estava escrita na lousa “nunca mais vou jogar giz na professora”. A professora saiu pela escola à procura da menina, perguntou aos funcionários, aos colegas e acabou por não encontrá-la. A menina havia desaparecido, não estava em lugar algum, e os dias se passaram e ela não apareceu mais, mas para espanto da professora todo dia que ela chegava à sala ela via escrito na lousa a frase “ nunca mais vou tacar giz na professora”. Daquele dia em diante a sala da professora passou a ser chamada de sala mal assombrada e de sala da Menina do Giz.

E contam que também daquele dia em diante toda vez que a professora ia escrever na lousa o giz fazia um barulho que mais parecia uma criança gritando. Por isso que hoje em dia quando se escreve com um giz inteiro na lousa, se ouve um barulho triste, dizem que é a menina do giz gritando para ser libertada e é por isso que os professores quebram o giz no meio ..."

 

(https://pt-br.facebook.com/Mundoaterrorizante/posts/472784326128197)

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

11.03.2015 - A menina do giz

07.03.2015 - As 7 maravilhas naturais do novo mundo

14.01.2015 - Livro de Pedro Lucas Lindoso

05.12.2014 - CHÁ E CAFÉ: O QUE É INFUSÃO?

28.11.2014 - O Bloco carnavalesco Chave de Ouro

24.11.2014 - Os feijões mexicanos que saltam

19.11.2014 - O Mausoléu de Halicarnasso

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

16.08.2014 - A lenda do Pão de Açúcar

08.08.2014 - Contos de Mamãe Gansa

05.08.2014 - BRICS

05.07.2014 - A lenda das Cataratas do Iguaçu

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.06.2017 - Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br