Dilson Lages Monteiro Domingo, 26 de março de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Sobre o estilo na obra de ficção

[Raimundo Carrero]

Flaubert e Maupassant tiveram uma vida não só de amigos, mas sobretudo de estudiosos. E testemunharam a grandeza um do outro, acompanhando o amadurecimento intelectual e a técnica. Num pequeno ensaio – seria mesmo um ensaio? – que escreveu sobre essa amizade, Maupassant coloca em questão o grave problema do estilo, que todos nós lemos como algo uniforme.  Harmonioso e preciso para todas as situações. Não é bem assim. 


      Maupassant escreve em “Gustave Flaubert”, tradução de Betty Joyce, Campinas, SP, Pontes, 1990: “Com efeito, chama-se geralmente estilo uma forma particular de frase própria a cada escritor, tal qual um molde uniforme em que ele molda todas as coisas que quer exprimir.  Deste modo há o estilo de Pedro, o estilo de Paulo e o estilo de Jacques”. 


     E completa com algo ainda hoje revolucionário: “Flaubert não tem seu estilo, mas tem o estilo, ou melhor, as expressões e a composição que ele emprega para formular um pensamento qualquer, são sempre aquelas que convêm absolutamente a esse pensamento, uma vez que seu temperamento se manifesta pela precisão e não pela singularidade da palavra”. No entanto, sempre se confundiu a precisão com a singularidade. A precisão, de que trata aqui Maupassant, não é a palavra justa de uma frase ou de um verso; é, na verdade, a palavra justa da situação através do personagem. Portanto, o estilo é do personagem ou da situação, e não da mão de ferro do escritor, do autor que, aliás, deve desaparecer para dar vida ao personagem.


     “Portanto – acrescenta Maupassant – Flaubert é  antes de tudo um artista, isto é, um autor impessoal”. Ou seja, não tem o mesmo texto nos seus livros. Flaubert de “Madame Bovary” não é o mesmo Flaubert de “Educação sentimental”, o Flaubert de “Educação sentimental” não é o mesmo Flaubert de “A tentação de Santo Antônio”. Os seus personagens assumem um caráter próprio não só como personagens, mas como, por assim dizer, autores do próprio estilo – embora a expressão pareça incorreta. Seja como for, a diferença é profunda. Charles de “Madame Bovary”, não é o mesmo, através do estilo, Frédéric, de “Educação sentimental”. No primeiro, o estilo parece atrapalhado e confuso, com um narrador falando em “nós”, no segundo há uma pontuação por assim dizer clássica, em virtude do próprio comportamento romântico e linear de Frédéric. Ambos se distanciam na forma e no conteúdo.


     Não é sem razão que Maupassant diz: “Flaubert é o escritor da arte difícil, simples e complicada”. Isso mesmo: simples com sofisticação. Ou mais exatamente: simplicidade com sofisticação.  Pode ser lido, facilmente, por um amante de Madame Bovary, e será profundamente admirado pelo leitor mais inteligente e mais intelectual. Ema estará sempre na memória dos leitores esperançosos de um gesto de amor, e será a mesma, excitante e extravagante, nos braços de um frio intelectual de gabinete. 
 

      Pelo estilo e pelo fazer. É claro.



 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

02.11.2009 - Supresa, o leitor chegou para o jantar

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

tUDO QUE SE FEZ

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

A ELIZETH

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante magistrado e político piauiense.

14.03.2017 - A água canta

A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

Ojos de perro azul

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br