Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Sobre o estilo na obra de ficção

[Raimundo Carrero]

Flaubert e Maupassant tiveram uma vida não só de amigos, mas sobretudo de estudiosos. E testemunharam a grandeza um do outro, acompanhando o amadurecimento intelectual e a técnica. Num pequeno ensaio – seria mesmo um ensaio? – que escreveu sobre essa amizade, Maupassant coloca em questão o grave problema do estilo, que todos nós lemos como algo uniforme.  Harmonioso e preciso para todas as situações. Não é bem assim. 


      Maupassant escreve em “Gustave Flaubert”, tradução de Betty Joyce, Campinas, SP, Pontes, 1990: “Com efeito, chama-se geralmente estilo uma forma particular de frase própria a cada escritor, tal qual um molde uniforme em que ele molda todas as coisas que quer exprimir.  Deste modo há o estilo de Pedro, o estilo de Paulo e o estilo de Jacques”. 


     E completa com algo ainda hoje revolucionário: “Flaubert não tem seu estilo, mas tem o estilo, ou melhor, as expressões e a composição que ele emprega para formular um pensamento qualquer, são sempre aquelas que convêm absolutamente a esse pensamento, uma vez que seu temperamento se manifesta pela precisão e não pela singularidade da palavra”. No entanto, sempre se confundiu a precisão com a singularidade. A precisão, de que trata aqui Maupassant, não é a palavra justa de uma frase ou de um verso; é, na verdade, a palavra justa da situação através do personagem. Portanto, o estilo é do personagem ou da situação, e não da mão de ferro do escritor, do autor que, aliás, deve desaparecer para dar vida ao personagem.


     “Portanto – acrescenta Maupassant – Flaubert é  antes de tudo um artista, isto é, um autor impessoal”. Ou seja, não tem o mesmo texto nos seus livros. Flaubert de “Madame Bovary” não é o mesmo Flaubert de “Educação sentimental”, o Flaubert de “Educação sentimental” não é o mesmo Flaubert de “A tentação de Santo Antônio”. Os seus personagens assumem um caráter próprio não só como personagens, mas como, por assim dizer, autores do próprio estilo – embora a expressão pareça incorreta. Seja como for, a diferença é profunda. Charles de “Madame Bovary”, não é o mesmo, através do estilo, Frédéric, de “Educação sentimental”. No primeiro, o estilo parece atrapalhado e confuso, com um narrador falando em “nós”, no segundo há uma pontuação por assim dizer clássica, em virtude do próprio comportamento romântico e linear de Frédéric. Ambos se distanciam na forma e no conteúdo.


     Não é sem razão que Maupassant diz: “Flaubert é o escritor da arte difícil, simples e complicada”. Isso mesmo: simples com sofisticação. Ou mais exatamente: simplicidade com sofisticação.  Pode ser lido, facilmente, por um amante de Madame Bovary, e será profundamente admirado pelo leitor mais inteligente e mais intelectual. Ema estará sempre na memória dos leitores esperançosos de um gesto de amor, e será a mesma, excitante e extravagante, nos braços de um frio intelectual de gabinete. 
 

      Pelo estilo e pelo fazer. É claro.



 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br