Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Sobre o estilo na obra de ficção

[Raimundo Carrero]

Flaubert e Maupassant tiveram uma vida não só de amigos, mas sobretudo de estudiosos. E testemunharam a grandeza um do outro, acompanhando o amadurecimento intelectual e a técnica. Num pequeno ensaio – seria mesmo um ensaio? – que escreveu sobre essa amizade, Maupassant coloca em questão o grave problema do estilo, que todos nós lemos como algo uniforme.  Harmonioso e preciso para todas as situações. Não é bem assim. 


      Maupassant escreve em “Gustave Flaubert”, tradução de Betty Joyce, Campinas, SP, Pontes, 1990: “Com efeito, chama-se geralmente estilo uma forma particular de frase própria a cada escritor, tal qual um molde uniforme em que ele molda todas as coisas que quer exprimir.  Deste modo há o estilo de Pedro, o estilo de Paulo e o estilo de Jacques”. 


     E completa com algo ainda hoje revolucionário: “Flaubert não tem seu estilo, mas tem o estilo, ou melhor, as expressões e a composição que ele emprega para formular um pensamento qualquer, são sempre aquelas que convêm absolutamente a esse pensamento, uma vez que seu temperamento se manifesta pela precisão e não pela singularidade da palavra”. No entanto, sempre se confundiu a precisão com a singularidade. A precisão, de que trata aqui Maupassant, não é a palavra justa de uma frase ou de um verso; é, na verdade, a palavra justa da situação através do personagem. Portanto, o estilo é do personagem ou da situação, e não da mão de ferro do escritor, do autor que, aliás, deve desaparecer para dar vida ao personagem.


     “Portanto – acrescenta Maupassant – Flaubert é  antes de tudo um artista, isto é, um autor impessoal”. Ou seja, não tem o mesmo texto nos seus livros. Flaubert de “Madame Bovary” não é o mesmo Flaubert de “Educação sentimental”, o Flaubert de “Educação sentimental” não é o mesmo Flaubert de “A tentação de Santo Antônio”. Os seus personagens assumem um caráter próprio não só como personagens, mas como, por assim dizer, autores do próprio estilo – embora a expressão pareça incorreta. Seja como for, a diferença é profunda. Charles de “Madame Bovary”, não é o mesmo, através do estilo, Frédéric, de “Educação sentimental”. No primeiro, o estilo parece atrapalhado e confuso, com um narrador falando em “nós”, no segundo há uma pontuação por assim dizer clássica, em virtude do próprio comportamento romântico e linear de Frédéric. Ambos se distanciam na forma e no conteúdo.


     Não é sem razão que Maupassant diz: “Flaubert é o escritor da arte difícil, simples e complicada”. Isso mesmo: simples com sofisticação. Ou mais exatamente: simplicidade com sofisticação.  Pode ser lido, facilmente, por um amante de Madame Bovary, e será profundamente admirado pelo leitor mais inteligente e mais intelectual. Ema estará sempre na memória dos leitores esperançosos de um gesto de amor, e será a mesma, excitante e extravagante, nos braços de um frio intelectual de gabinete. 
 

      Pelo estilo e pelo fazer. É claro.



 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

02.11.2009 - Supresa, o leitor chegou para o jantar

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br