Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

O narrador no movimento regionalista

[Raimundo Carrero]

Sim, um romance pode e deve ter mais de um narrador, desde que o leitor não perca a unidade da história. Para isso, é óbvio, o escritor precisa ter o absoluto controle narrativo. O pernambucano Maximiano Campos usa essa estratégia no romance já clássico Sem lei nem rei. No princípio, dispensa o narrador – onisciente ou oculto – e passa a narrativa para os protagonistas através da técnica “o olhar do personagem”, trabalhando com os cenários e com a construção do personagem na perspectiva da “criação indireta do personagem”. Ou seja, o narrador abdica da criação e da condução do personagem que assume todos os movimentos. Para isso, basta ver. Ver e questionar.

Observe bem como isso acontece com extrema simplicidade: “Lamparina esticava a passada. Lembrava-se de sua terra, do verde das canas, do massapê lambuzado pelos pés opilados dos seus companheiros”. Dessa forma, o personagem entra na história sem comando, movido pela lembrança, que é o seu olhar psicológico, e coloca-se na história. Enquanto o personagem anda, a lembrança constrói o personagem e, enquanto pensa, ele próprio cria o caráter, dá-lhe personalidade.

Percebemos, então, que o cenário em Maximiano Campos é muito mais do que um cenário, é a revelação do seu conflito interior: “ A estrada não terminava mais, não era bem uma estrada, nem caminho, parecia mais um corredor de avelós cheio de minúsculos dedos apontando para ele, para cima, para baixo, para todos os lados. Diziam que o leite daquilo cegava; dedos do diabo, dedos acusadores....”

E assim, o cenário revela o conflito interior, deixando de ser apenas paisagem, o registro cenográfico transformado em drama, atingindo a função de elemento narrativo ou de uma espécie muito rara de monólogo: “Viu novamente diante dos olhos todo o quadro que tentara afastar: a sua mulher morta, as filhas debruçadas sobre o corpo da mãe. Depois, quando matara o vigia do senhor do engenho. A ira do homem dono de terras e honras, que o perseguia com a polícia e a fidelidade da classe às perseguições.”

O mais importante é que o autor encontrou uma bela solução técnica para que o seu romance não se transforme apenas em documento geográfico, como é da natureza teórica do Movimento Regionalista, que renovou a seu modo e à sua maneira, com uma perspectiva, digamos, mais Armorial, cujo objetivo estética é a recriação, a invenção e jamais a cópia da região. É preciso sempre estar atento a essa mudança de ponto de vista, de forma a enriquecer não somente a obra do autor, mas sobretudo a literatura universal, e não somente regional ou nacional.

É preciso considerar também “o desenvolvimento do personagem” e “a ilustração do personagem em diálogo”, tudo com a dispensa do narrador oculto ou convencional. Se no exemplo anterior o “olhar do personagem” constrói o cenário e o conflito interior, o diálogo narrativo apresenta e aprofunda o personagem na voz de outro personagem:

“- Lá vai o negro Tibiu, todo enfatiotado, montado em cavalo de sela. O negro vive de contar histórias, mas é afilhado do coronel, e veio como cria da casa. Dona Anunciada fez todo o que era vontade do negro. Os cabras têm raiva do negro, mas ficam com medo dos “quindins” do coronel. Também pudera... Era Florentino, que falava com um certo despeito.
- Pudera porque, Florentino...
- O moleque vive daqui pra vila a contar todo o que é fuxico, vive a descobrir o defeito dos outros. Enche os ouvidos do coronel com invencionices e o pior é que o coronel acredita nos negros. Aquilo é uma peste pra levantar falso batendo nos peitos e jurando por todos os santos, é como quem vai e já volta. Agora inventou de trazer recado para Rita de um tal de Veremundo, vaqueiro daqui. Mas não quero minha filha metida com vaqueiro. Afinal de contas ela tem o ginásio. Este negro está passando da conta, Aquilo vai assim com aquela cara de leso, quando voltar traz mais notícia do que jornal. Tanto descobre como inventa. É um caso, seu Antônio”.

Além disso, percebe-se, com clareza, a estrutura dialogal que influenciou, decisivamente, a prosa do Movimento Regionalista, predominante na obra de José Lins do Rego, com destaque para o ciclo sertanejo, formado pelos romances Pedra Bonita e Cangaceiros. Aliás, o próprio Maximiano reconhecia e exaltava a influência literária do autor de Menino de engenho.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

02.11.2009 - Supresa, o leitor chegou para o jantar

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br