Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Mário de Andrade - criador de oficinas?

[Raimundo Carrero]

Costuma-se dizer que as oficinas de criação literária nasceram, no Brasil, com Cyro dos Anjos – o festejado autor de “O Amanuense Basílio”, em torno de sessenta, sessenta e um, do século passado, na Universidade de Brasília, então fundada por Darcy Ribeiro, se não me engano, o seu primeiro reitor. É claro, sim, em sala de aula. Está certo. Não se discute. O mineiro Cyro era um estudioso e tanto da arte da ficção.

      Mas me parece – sem contestar, sem brigar – que o criador mesmo das oficinas literárias no Brasil foi e é o mestre Mário de Andrade. Lembrei-me dele enquanto lia a matéria de Fernando Portela, na “Revista da Cultura”, - da Livraria Cultura, deste bandeirante chamado Pedro Herz- sobre este assunto tão polêmico e tão apaixonante. Numa época em que o Correio gastava semanas e semanas para entregar uma carta, o escritor paulista – notável em toda a sua dimensão – se debruçava sobre livros que recebia, também pelo lento Correio, e examinava palavra por palavra.

      Assim aconteceu com Fernando Sabino. A correspondência entre os dois – “Cartas a um jovem escritor”  publicada pela Editora Record, 1981 – é um desses grandes documentos de aprendizagem. De respeito e de determinação. Li ardentemente essas páginas, quase que dormia com elas sob o travesseiro, acordava pela madrugada para relê-las. Me colocava humildemente diante de cada palavra. Alguém estava dizendo como é que se escreve, com a maior generosidade. Discutia cenas, capítulos, situações, indicava leituras, planejava.

      Na primeira carta, por exemplo, Mário diz algo que deve ser reproduzido por todos os aspirantes a escritor, e até por escritores consagrados, e disposto sobre a mesa de trabalho, de preferência na parede à frente: “Se você não fizer coisas maravilhosamente bem feitas como técnica, como estilo, como arte de escrever, como bom gosto espiritual, você será apenas mais um”. Sem pretensão, sem vontade de ultrapassar o lugar comum, sem um grande esforço diário, nada se consegue. A primeira grande aula de Mário, criador de oficinas.



 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

02.11.2009 - Supresa, o leitor chegou para o jantar

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br