Dilson Lages Monteiro Domingo, 26 de março de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Escritor e escrevente

Raimundo Carrero
 
 
Ao longo da minha já envelhecida vida – são quase setenta anos, o que me surpreende – conheci muitos escreventes e poucos escritores. Não basta encher papel de tinta e colocar o nome na capa. É pouco, muito pouco, quase nada. Sobretudo quando não se registra uma só reflexão própria, um só comentário individual. Às vezes nem mesmo uma única palavra própria. Os escreventes são muitos, milhares e estão em todos os lugares. Pululam pelas esquinas e pelos becos. Mal sabem alinhar duas palavras. E mesmo quando sabem escrever bem, muito bem, ainda assim não são escritores. Quando muito, e com algum favor, escreventes.
 
Tenho, por isso mesmo, um grande respeito ao título, e fico completamente arrasado quando me chamam de escritor. Estou longe, muito longe de ser um escritor, um verdadeiro escritor. Meus amigos até reclamam, mas não me sinto ainda um escritor. É preciso mais, muito mais, bem mais. Um verdadeiro escritor é aquele cuja palavra faz falta à sociedade. Escritores de verdade são, por exemplo, Ariano Suassuna, Hermilo Borba Filho, Gilberto Freyre, Maximiano Campos, e quase todos, ou todos os poetas da Geração 65. Poderia usar o verbo eram, mas insisto no são. Porque mesmo aqueles que morreram continuam escrevendo no silêncio da eternidade. Renato Carneiro Campos é escritor – mesmo sem um romance ou um livro de poemas. Sempre aos domingos é dia de ler Renato. Mesmo que a crônica não esteja nos jornais a lembrança de suas palavras me tornam mais humano.
 
De minha parte, porém, sempre tenho a sensação de fracasso. Pergunto-me o que estou fazendo por aqui para que me chamem de escritor. É elogio ou insulto? Seriedade ou ironia? Não sei bem. Tenho muitos livros publicados, algumas traduções, motivo de mestrados e doutorados, sim, isso me torna um escritor? Sou capaz de entender um único ser humano? Posso transcender o espírito contemporâneo? Sou capaz de compreender o mendigo que cospe na calçada? Sou capaz de perdoar o insulto? Uma página minha pode acalmar a alma atormentada? Muitas vezes não quero acalmar, quero desesperar.
 
Dizem os russos que Dostoiévski chegou perto de Deus. Não, eu não espero chegar perto de Deus. Seria estupidez demais. Bastaria sarar as chagas do mais coitado dos pobres mortais. Bastaria? Vejam que falsa humildade. Mas é assim que vejo o escritor. Capaz de estancar o sangue em hemorragia perpétua, de sarar a dor social dos humildes e derrotados, de alterar a rota da sorte. Sem dúvida dirão de mim que sou louco, estúpido, idiota. Mas preciso mudar o destino, para então me sentir escritor. E é isso, é isso que exijo de todos. Talentosos e não talentosos. Inspirados e não inspirados. Se é que existem mesmo talento e inspiração. Tudo que não presta é escrito em nome do talento e da inspiração. Ahhhhhhh....

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

02.11.2009 - Supresa, o leitor chegou para o jantar

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

tUDO QUE SE FEZ

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

BANDEIRAS DE FERRO

16.03.2017 - A ELIZETH

A ELIZETH

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

14.03.2017 - Desembargador José Manuel de Freitas

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um importante magistrado e político piauiense.

14.03.2017 - A água canta

A água canta

13.03.2017 - Ojos de perro azul

Ojos de perro azul

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br