Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 30 de março de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

[Raimundo Carrero]
 
Premiada pela Academia Pernambucana de Letras com o romance A sutileza do sangue - editora Mondrongo-Salvador, considerado o melhor romance do ano-2015, a escritora Andrea Ferraz está de volta às livrarias com a novela Guardem as cinzas – editora Confraria dos Ventos-Rio – o que qualifica ainda mais a sua obra. Trata-se de um texto brilhante, destacando o uso correto do discurso indireto livre, com várias vozes circulando no interior da narrativa, quando o narrador faz com que os personagens da novela trágica , tensa e convincente, falem e interfiram a cada movimento, ao estabelecer ecos e sons múltiplos no tecido ficcional. Dessa forma, Guardem as cinzas cria vínculos muito fortes com Ana-Não,  do espanhol Agustin Gomez D'Arco e com Pedro Páramo, do mexicano Juan Rulfo, inserindo-se na grande tradição do “realismo mágico” latino-americano. E, mesmo sem cópia ou imitação, aproxima-se do brasileiro Adonias Filho, sobretudo pela linguagem forte e pontuação precisa, além de Ismail Kadaré, o celebrado autor de Abril despedaçado, na mesma linhagem das metáforas e do discurso indireto livre. Chamaria a atenção ainda para a ligação dramática com Confissões de Nat Turner, do norte-americano William Styron, um clássico da literatura dos Estados Unidos. Não estou falando sequer em influência, mas em parentesco literário até porque Andrea não é leitora, seguramente, de Adonias ou Styron.
 
Aluna da oficina de criação literária que coordeno no meu Centro Cultural do Espinheiro a autora é muito disciplinada, estudando e exercitando as  tarefas diárias, trabalhando incessantemente. E, mais ainda, escrevendo a sua obra, de forma a avançar e amadurecer na conquista de novos caminhos, com a humildade de aprendiz, disposta a descobrir novas técnicas narrativas. Aliás, uma oficina exige o máximo de humildade; se o aluno não está disposto a ler, escutar e exercitar não vai aprender nada; se tem princípios e conhecimentos irremovíveis, então errou de porta. O mesmo acontece com o coordenador da oficina, não pode nem deve impor técnicas, apresenta-as, indica leituras, exercita. Desse diálogo nasce o escritor que se está projetando. Encher o peito para se achar escritor demais é o caminho extremamente equivocado do aluno. Este é o resultado de muitos fracassos. Fica-se circulando em torno dos próprios defeitos, repete-os, repete-os, repete-os e não enriquece a experiência criadora. Não vai adiante. Abandone os saltos altos e calce as sandálias da humildade. Ou fique em casa e se alimente de suas desilusões. O  que mais me entristece é a arrogância.
 

A novela de Andrea conta a trágica história de Antonio, Paizinha, filhos, familiares e parentes, com universalidade e encantamento, sem perder  o vínculo e a cor do sertão pernambucano, de onde Andrea é originária, e onde forjou a sua admirável visão do mundo. Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais, para ser lida com admiração e respeito. O principal prêmio de um aluno de oficina é criação de uma obra de qualidade que resulte na admiração e do respeito dos críticos e dos leitores. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

30.03.2017 - Depois de procelosa tempestade

Depois de procelosa tempestade

29.03.2017 - CELSO FURTADO

CELSO FURTADO

28.03.2017 - A peleja entre Deus e o diabo nos sertões do Piauhy

Uma incursão à antiga Vila do Mocha

28.03.2017 - Anti-homenagem

Hoje eu anti-homenageio o Governador do Rio de Janeiro, Sr. Pezão

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

É um truísmo

27.03.2017 - Agrônomo Francisco Parentes

O acadêmico Reginaldo Miranda reconstitui a trajetória do pioneiro da agronomia no Piauí e fundador do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara.

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

Tudo que se fez para desmoralizar a imagem do Brasil tem uma origem comum

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

Somos todos devedores dos ares que vêm de lá

16.03.2017 - A ELIZETH

Recebo um presente rico.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br