Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 26 de junho de 2017
OS SEGREDOS DA FICÇÃO - RAIMUNDO CARRERO
Raimundo Carrero
Tamanho da letra A +A

Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

[Raimundo Carrero]
 
Premiada pela Academia Pernambucana de Letras com o romance A sutileza do sangue - editora Mondrongo-Salvador, considerado o melhor romance do ano-2015, a escritora Andrea Ferraz está de volta às livrarias com a novela Guardem as cinzas – editora Confraria dos Ventos-Rio – o que qualifica ainda mais a sua obra. Trata-se de um texto brilhante, destacando o uso correto do discurso indireto livre, com várias vozes circulando no interior da narrativa, quando o narrador faz com que os personagens da novela trágica , tensa e convincente, falem e interfiram a cada movimento, ao estabelecer ecos e sons múltiplos no tecido ficcional. Dessa forma, Guardem as cinzas cria vínculos muito fortes com Ana-Não,  do espanhol Agustin Gomez D'Arco e com Pedro Páramo, do mexicano Juan Rulfo, inserindo-se na grande tradição do “realismo mágico” latino-americano. E, mesmo sem cópia ou imitação, aproxima-se do brasileiro Adonias Filho, sobretudo pela linguagem forte e pontuação precisa, além de Ismail Kadaré, o celebrado autor de Abril despedaçado, na mesma linhagem das metáforas e do discurso indireto livre. Chamaria a atenção ainda para a ligação dramática com Confissões de Nat Turner, do norte-americano William Styron, um clássico da literatura dos Estados Unidos. Não estou falando sequer em influência, mas em parentesco literário até porque Andrea não é leitora, seguramente, de Adonias ou Styron.
 
Aluna da oficina de criação literária que coordeno no meu Centro Cultural do Espinheiro a autora é muito disciplinada, estudando e exercitando as  tarefas diárias, trabalhando incessantemente. E, mais ainda, escrevendo a sua obra, de forma a avançar e amadurecer na conquista de novos caminhos, com a humildade de aprendiz, disposta a descobrir novas técnicas narrativas. Aliás, uma oficina exige o máximo de humildade; se o aluno não está disposto a ler, escutar e exercitar não vai aprender nada; se tem princípios e conhecimentos irremovíveis, então errou de porta. O mesmo acontece com o coordenador da oficina, não pode nem deve impor técnicas, apresenta-as, indica leituras, exercita. Desse diálogo nasce o escritor que se está projetando. Encher o peito para se achar escritor demais é o caminho extremamente equivocado do aluno. Este é o resultado de muitos fracassos. Fica-se circulando em torno dos próprios defeitos, repete-os, repete-os, repete-os e não enriquece a experiência criadora. Não vai adiante. Abandone os saltos altos e calce as sandálias da humildade. Ou fique em casa e se alimente de suas desilusões. O  que mais me entristece é a arrogância.
 

A novela de Andrea conta a trágica história de Antonio, Paizinha, filhos, familiares e parentes, com universalidade e encantamento, sem perder  o vínculo e a cor do sertão pernambucano, de onde Andrea é originária, e onde forjou a sua admirável visão do mundo. Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais, para ser lida com admiração e respeito. O principal prêmio de um aluno de oficina é criação de uma obra de qualidade que resulte na admiração e do respeito dos críticos e dos leitores. 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (1)

Seus pilantras, parem de enganar as pessoas que querem piratear seus porras.

Marcelo
postado:
09-04-2017 00:42:34

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

11.01.2017 - Escritor e escrevente

17.07.2016 - O narrador no movimento regionalista

18.05.2011 - Segredos que conquistam estudiosos

12.04.2011 - Sobre o estilo na obra de ficção

04.02.2011 - Mário de Andrade - criador de oficinas?

28.08.2010 - Sem personagem, a digressão se diverte

08.07.2010 - O princípio e o fim são conceitos vagos

20.05.2010 - Na dança das cenas, o psicológico se apresenta

08.04.2010 - Tem barulho ai? O cenário resolva

28.02.2010 - Andamento segue reto por linhas tortas

04.01.2010 - A narrativa é construída de cena em cena

12.12.2009 - Curvas e retas no caminho da ficção

25.11.2009 - Com acúcar e com afeto, o doce caminho das digressões

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

15.06.2017 - HOJE É CORPUS CHRISTI, SIM, SENHOR

Muita gente

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br