Dilson Lages Monteiro Domingo, 29 de março de 2015
OS MISTÉRIOS DO REAL - CLARICE DE OLIVEIRA
Clarisse de Oliveira
Tamanho da letra A +A

O homem rude

O homem rude, não tem noção dos preambulos romanticos, para conquistar uma mulher.
Por sua vez, a mulher ja ouviu muitos "preambulos romanticos" e o que aconteceu em seguida, não era bem o que a mulher esperava...
Um principe deixa a mulher esperançosa, ansiosa, e uma sensação "depois" de que ficou faltando alguma coisa...
O homem rude, vai levar à mulher, o desejo que está dentro dele.
O homem rude não tem noção de como embrulhar o desejo como arte de presente.
O homem rude não quer dar presente nenhum... ele quer a mulher, impregnar o corpo dele com o calor do corpo da mulher, seu cheiro de fêmea, e a completa satisfação dele.
Pode ser que o homem rude tenha estrupado, em vez de ter "amado" a mulher... mas, que a mulher não está sentindo que falta alguma coisa, não está sentindo nada... tá sentindo até que sobrou muita coisa...
Para certas mulheres, na cama com um pincipe, sempre falta o o corpo de um homem rude.
                                                                                 clarisse

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.03.2015 - Poemas de Herberto Helder (1930-2015)

20.02.2015 - Verona - CLARISSE DE OLIVEIRA

17.02.2015 - COMEÇO DE TARDE

15.02.2015 - Antes da Hora

10.02.2015 - O Corpo Sagrado‏

09.02.2015 - Área a percorrer

06.02.2015 - Sensualidade na Alma

05.02.2015 - ALGUÉM

03.02.2015 - Solidão e Espelho

31.01.2015 - Designo

29.01.2015 - A VERDADE

27.01.2015 - A ARVORE DA MORTE

25.01.2015 - Magia de Praga

22.01.2015 - O MISTERIO DA SAUDADE

18.01.2015 - Um Estranho Amor

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.03.2015 - A boa poesia

A boa poesia

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

Conto de fadas

28.03.2015 - A tragédia que poderia ser evitada

Era evidente que

27.03.2015 - WOODSTOK

À noite, no meu quarto, leio poema de James Hopkins.

24.03.2015 - EU ANDO ESCREVENDO: poema de Jefferson Bessa

poesia

24.03.2015 - Poemas de Herberto Helder (1930-2015)

Amo devagar os amigos que são tristes

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

Antes, em outro lugar, disse ela que Kafka foi o primeiro que “pôs em crise a família, o casamento, o trabalho”.

23.03.2015 - CONFISSÕES DE UM JUIZ

Convidado para prefaciar o livro, destaquei naquela oportunidade, entre outros aspectos, o belo e pungente perfil por ele traçado de sua saudosa mãe

23.03.2015 - NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

NEUZA MACHADO - DO PENSAMENTO CONTÍNUO À TRANSCENDÊNCIA FORMAL

22.03.2015 - O que é pobre e o que é minoria? Ainda as cotas.

Durante todo o século XX o nome “trabalhador”, em geral visto como pobre, saiu da condição subalterna e até mal vista para a condição de qualificativo salvador.

22.03.2015 - Coco cheio de sangue

Inventar avalistas para autenticar a procedência de fatos fantásticos é uma tática antiga

22.03.2015 - Tudo por causa de uma vírgula

A pontuação é tremendamente importante para quem escreve e para quem lê, e um texto mal pontuado pode efectivamente levar-nos a compreender algo muito diferente daquilo que o autor queria transmitir.

22.03.2015 - A estrada

Na estrada sinuosa o verde das montanhas coloca uma barreira horizontal.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br