Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 01 de abril de 2015
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Verbos em -isar e -izar + super

[M. T. Piacentini]

Não se perde por escrever corretamente. Mas os dicionários nem sempre estão à mão para dirimir dúvidas. Na hora do sufoco, tem-se que partir para uma solução de cabeça. E aí, quando o problema é decidir entre o S ou Z dos verbos da 1ª conjugação terminados em isar ou izar, pode ser útil este lembrete: a diferença está na palavra de que eles derivam.


Primeiramente, os verbos em ISAR são derivados de nomes (radicais) terminados em -is [com respectivos sufixos ou desinências, conforme o caso]. Aqui “ar” não é sufixo: é sim a terminação verbal da 1ª conjugação, que agregada a um radical terminado em -is forma os “verbos em isar” de que estamos tratando. Para exemplificar: agregando-se “ar” ao substantivo anis tem-se o verbo ANISAR; a íris, IRISAR e assim por diante. Para distinguir esses verbos daqueles escritos com Z (de izar), pode-se fazer sua associação com o substantivo aparentado. Se o nome é grafado com IS, o verbo também o será:


alisar  / liso
analisar / análise
avisar  / aviso
bisar  /  bis
divisar / divisão
frisar / friso, frisa
guisar  / guisado
paralisar  /  paralisia
pesquisar / pesquisa
pisar / piso
precisar / precisão, preciso
visar / visão


No entanto, escreve-se deslizar e balizar porque estes verbos vêm de deslize e baliza, respectivamente. 


Os verbos terminados em IZAR, por sua vez, formam-se de nomes (adjetivos, principalmente) aos quais se agrega o sufixo -izar, que significa "tornar, transformar em". Assim sendo, de visual + izar formamos visualizar; de neutro, neutralizar; de tranquilo, tranquilizar; de harmonia, harmonizar.


Nessa passagem são feitas adaptações gráficas (acréscimo, eliminação ou mudança de letras) exigidas pela gramática, com as quais normalmente já estamos familiarizados. Para exemplificar:  robô -> robotizar;  simpático -> simpatizar; permeável -> permeabilizar;  ênfase -> enfatizar; padrão -> padronizar; catequese -> catequizar. Exemplos diversos:


álcool  -   Pessoas alcoolizadas estragaram a festa.
canal   -   Todos os recursos foram canalizados para essa obra.
estéril  -   O médico mandou esterilizar os instrumentos.
formal  -  Formalizamos o acordo.
industrial  -  Eles industrializam tubos e conexões.
local  -  Precisamos localizar os documentos.
oficial  -  O noivado será oficializado no domingo.
poético  -  Quero poetizar minhas horas.
urbano  -  Urbanizar a periferia é sua promessa.


UM SUPER-HOMEM SUPER-RICO


São duas as situações em que o hífen é usado com o prefixo super: apenas diante de substantivo ou adjetivo que começa com r ou com h. Nem mesmo diante de palavra iniciada por vogal ou por s o hífen é necessário – a ligação aí é direta. Palavras-lembrete: super-homem e super-rico.


Escreva, portanto: revista superinteressante, pessoa superdinâmica, trabalho superdidático, ar supersaturado, avião supersônico. E admita que você é um superpai, uma supermãe, um filho superamado ou uma avó superlegal!

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

19.03.2015 - Tendência a viver

17.02.2015 - Vírgula e gerúndio

12.01.2015 - Superavit, Sub examine e Habeas Corpus

02.01.2015 - Crase com nomes próprios geográficos

15.12.2014 - A/em tempo, balé, carnê, carpete, tíquete

02.12.2014 - Crase com pronomes demonstrativos e com o que

17.11.2014 - Crase com nome de mulheres

01.11.2014 - Crase com nome próprios geográficos

11.10.2014 - Sempre os porquês

26.09.2014 - Sempre os porquês

11.09.2014 - Citação & citações

25.07.2014 - Maiúsculas: logradouros, cargos, documentos

05.07.2014 - E com vírgula - sim ou não (2)

25.06.2014 - E com vírgula - sim ou não (1)

06.06.2014 - Aconteceu nos anos 80

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

01.04.2015 - A porta da cidade

A porta da cidade

31.03.2015 - Minha formação

Aviso aos navegantes

31.03.2015 - A amizade é um refúgio

A amizade é um refúgio

30.03.2015 - Biarritz

Biarritz

30.03.2015 - Primeiro eles, depois ou nunca, os outros

A Presidente Dilma

30.03.2015 - Depois de procelosa tempestade

Depois de procelosa tempestade

29.03.2015 - A boa poesia

A boa poesia

28.03.2015 - História de Rosa Branca e Rosa Vermelha

Conto de fadas

28.03.2015 - A tragédia que poderia ser evitada

Era evidente que

27.03.2015 - WOODSTOK

À noite, no meu quarto, leio poema de James Hopkins.

24.03.2015 - EU ANDO ESCREVENDO: poema de Jefferson Bessa

poesia

24.03.2015 - Poemas de Herberto Helder (1930-2015)

Amo devagar os amigos que são tristes

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Exite alguém que

23.03.2015 - POR QUE KAFKA ESCREVIA EM ALEMÃO?

Antes, em outro lugar, disse ela que Kafka foi o primeiro que “pôs em crise a família, o casamento, o trabalho”.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br