Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 22 de dezembro de 2014
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Verbos em -isar e -izar + super

[M. T. Piacentini]

Não se perde por escrever corretamente. Mas os dicionários nem sempre estão à mão para dirimir dúvidas. Na hora do sufoco, tem-se que partir para uma solução de cabeça. E aí, quando o problema é decidir entre o S ou Z dos verbos da 1ª conjugação terminados em isar ou izar, pode ser útil este lembrete: a diferença está na palavra de que eles derivam.


Primeiramente, os verbos em ISAR são derivados de nomes (radicais) terminados em -is [com respectivos sufixos ou desinências, conforme o caso]. Aqui “ar” não é sufixo: é sim a terminação verbal da 1ª conjugação, que agregada a um radical terminado em -is forma os “verbos em isar” de que estamos tratando. Para exemplificar: agregando-se “ar” ao substantivo anis tem-se o verbo ANISAR; a íris, IRISAR e assim por diante. Para distinguir esses verbos daqueles escritos com Z (de izar), pode-se fazer sua associação com o substantivo aparentado. Se o nome é grafado com IS, o verbo também o será:


alisar  / liso
analisar / análise
avisar  / aviso
bisar  /  bis
divisar / divisão
frisar / friso, frisa
guisar  / guisado
paralisar  /  paralisia
pesquisar / pesquisa
pisar / piso
precisar / precisão, preciso
visar / visão


No entanto, escreve-se deslizar e balizar porque estes verbos vêm de deslize e baliza, respectivamente. 


Os verbos terminados em IZAR, por sua vez, formam-se de nomes (adjetivos, principalmente) aos quais se agrega o sufixo -izar, que significa "tornar, transformar em". Assim sendo, de visual + izar formamos visualizar; de neutro, neutralizar; de tranquilo, tranquilizar; de harmonia, harmonizar.


Nessa passagem são feitas adaptações gráficas (acréscimo, eliminação ou mudança de letras) exigidas pela gramática, com as quais normalmente já estamos familiarizados. Para exemplificar:  robô -> robotizar;  simpático -> simpatizar; permeável -> permeabilizar;  ênfase -> enfatizar; padrão -> padronizar; catequese -> catequizar. Exemplos diversos:


álcool  -   Pessoas alcoolizadas estragaram a festa.
canal   -   Todos os recursos foram canalizados para essa obra.
estéril  -   O médico mandou esterilizar os instrumentos.
formal  -  Formalizamos o acordo.
industrial  -  Eles industrializam tubos e conexões.
local  -  Precisamos localizar os documentos.
oficial  -  O noivado será oficializado no domingo.
poético  -  Quero poetizar minhas horas.
urbano  -  Urbanizar a periferia é sua promessa.


UM SUPER-HOMEM SUPER-RICO


São duas as situações em que o hífen é usado com o prefixo super: apenas diante de substantivo ou adjetivo que começa com r ou com h. Nem mesmo diante de palavra iniciada por vogal ou por s o hífen é necessário – a ligação aí é direta. Palavras-lembrete: super-homem e super-rico.


Escreva, portanto: revista superinteressante, pessoa superdinâmica, trabalho superdidático, ar supersaturado, avião supersônico. E admita que você é um superpai, uma supermãe, um filho superamado ou uma avó superlegal!

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

15.12.2014 - A/em tempo, balé, carnê, carpete, tíquete

02.12.2014 - Crase com pronomes demonstrativos e com o que

17.11.2014 - Crase com nome de mulheres

01.11.2014 - Crase com nome próprios geográficos

11.10.2014 - Sempre os porquês

26.09.2014 - Sempre os porquês

11.09.2014 - Citação & citações

25.07.2014 - Maiúsculas: logradouros, cargos, documentos

05.07.2014 - E com vírgula - sim ou não (2)

25.06.2014 - E com vírgula - sim ou não (1)

06.06.2014 - Aconteceu nos anos 80

29.05.2014 - Vide, barato, por si sós, sic

07.05.2014 - Hexa e pentacampeão

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

08.04.2014 - Gerundismo e gerúndio

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Últimas matérias

21.12.2014 - SOBRE A MEDITAÇÃO

SOBRE A MEDITAÇÃO

21.12.2014 - NEUZA MACHADO: SOBRE O AMANTE DAS AMAZONAS

NEUZA MACHADO: SOBRE O AMANTE DAS AMAZONAS

21.12.2014 - Padre Jonas Habib

Com 50 anos de sacerdócio, o Padre Jonas Habib é uma bênção de Deus para o Brasil.

20.12.2014 - O TEMPLO QUE CONTEMPLO

O TEMPLO QUE CONTEMPLO

19.12.2014 - Brasília: a farra dos salários e o Natal dos neo-marajás

Quem me disser

18.12.2014 - BAQUAQUA

Que aqueles ‘indivíduos humanitários’ que são a favor da escravidão se coloquem no lugar do escravo no porão barulhento de um navio negreiro

18.12.2014 - NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

18.12.2014 - CONFISSÕES DE UM JUIZ E OUTRAS (IN)CONFIDÊNCIAS

"Pois não é que, em poucos minutos, devorei mais de 20 páginas?"

18.12.2014 - A CATEDRAL

A CATEDRAL

16.12.2014 - Storytelling sugere Storyliving

A vida de cada um é uma estória sendo encenada

16.12.2014 - NOVA REIMPRESSÃO

NOVA REIMPRESSÃO

16.12.2014 - Rita Pavone: homenagem

Ela ainda está em atividade, com a mesma grandiosidade artística e humanista.

16.12.2014 - O DESERTO DA SOLIDÃO

O DESERTO DA SOLIDÃO

16.12.2014 - Tradução do poema

Beside the ungathered

15.12.2014 - Há um Davidson entre Rorty e Habermas.

Quatro perguntas, quatro afirmações e quatro histórias, mas um único Habermas.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br