Dilson Lages Monteiro Sábado, 28 de maio de 2016
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Verbos em -isar e -izar + super

[M. T. Piacentini]

Não se perde por escrever corretamente. Mas os dicionários nem sempre estão à mão para dirimir dúvidas. Na hora do sufoco, tem-se que partir para uma solução de cabeça. E aí, quando o problema é decidir entre o S ou Z dos verbos da 1ª conjugação terminados em isar ou izar, pode ser útil este lembrete: a diferença está na palavra de que eles derivam.


Primeiramente, os verbos em ISAR são derivados de nomes (radicais) terminados em -is [com respectivos sufixos ou desinências, conforme o caso]. Aqui “ar” não é sufixo: é sim a terminação verbal da 1ª conjugação, que agregada a um radical terminado em -is forma os “verbos em isar” de que estamos tratando. Para exemplificar: agregando-se “ar” ao substantivo anis tem-se o verbo ANISAR; a íris, IRISAR e assim por diante. Para distinguir esses verbos daqueles escritos com Z (de izar), pode-se fazer sua associação com o substantivo aparentado. Se o nome é grafado com IS, o verbo também o será:


alisar  / liso
analisar / análise
avisar  / aviso
bisar  /  bis
divisar / divisão
frisar / friso, frisa
guisar  / guisado
paralisar  /  paralisia
pesquisar / pesquisa
pisar / piso
precisar / precisão, preciso
visar / visão


No entanto, escreve-se deslizar e balizar porque estes verbos vêm de deslize e baliza, respectivamente. 


Os verbos terminados em IZAR, por sua vez, formam-se de nomes (adjetivos, principalmente) aos quais se agrega o sufixo -izar, que significa "tornar, transformar em". Assim sendo, de visual + izar formamos visualizar; de neutro, neutralizar; de tranquilo, tranquilizar; de harmonia, harmonizar.


Nessa passagem são feitas adaptações gráficas (acréscimo, eliminação ou mudança de letras) exigidas pela gramática, com as quais normalmente já estamos familiarizados. Para exemplificar:  robô -> robotizar;  simpático -> simpatizar; permeável -> permeabilizar;  ênfase -> enfatizar; padrão -> padronizar; catequese -> catequizar. Exemplos diversos:


álcool  -   Pessoas alcoolizadas estragaram a festa.
canal   -   Todos os recursos foram canalizados para essa obra.
estéril  -   O médico mandou esterilizar os instrumentos.
formal  -  Formalizamos o acordo.
industrial  -  Eles industrializam tubos e conexões.
local  -  Precisamos localizar os documentos.
oficial  -  O noivado será oficializado no domingo.
poético  -  Quero poetizar minhas horas.
urbano  -  Urbanizar a periferia é sua promessa.


UM SUPER-HOMEM SUPER-RICO


São duas as situações em que o hífen é usado com o prefixo super: apenas diante de substantivo ou adjetivo que começa com r ou com h. Nem mesmo diante de palavra iniciada por vogal ou por s o hífen é necessário – a ligação aí é direta. Palavras-lembrete: super-homem e super-rico.


Escreva, portanto: revista superinteressante, pessoa superdinâmica, trabalho superdidático, ar supersaturado, avião supersônico. E admita que você é um superpai, uma supermãe, um filho superamado ou uma avó superlegal!

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

12.02.2016 - Lítero-musical, infanto-juvenil e espaço-temporal

01.01.2016 - Mais-que-perfeito e o pronome relativo quem

14.12.2015 - O ano recém-findo

02.12.2015 - Por um lado e por outro

10.11.2015 - Onde usar onde (1)

27.09.2015 - Um dos que sofre ou sofrem?

02.09.2015 - Onde usar onde (1)

18.07.2015 - Uso da vírgula em caso de verbo subentendido

09.06.2015 - Isso a gente já sabe - concordância

01.05.2015 - Socorro! Pontuação em excesso

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

26.05.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo VII

Não sabia Marcos ao certo de que Évora seria invicta, pois não lhe constava que ela tivesse participado de alguma guerra ou batalha.

25.05.2016 - Biblioteca pessoana

Fernando Pessoa, como todos sabem, tinha uma boa biblioteca.

25.05.2016 - Os detalhes da narrativa

Manuais de escrita nos dão o tempo todo conselhos nessa praia.

25.05.2016 - LUIZ FILHO DE OLIVEIRA: POESIA, SÁTIRA E ENIGMAS DA LINGUAGEM

tERCEIRO LIVRO DE POESIA DO AUTOR

25.05.2016 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

Faço aqui uma breve tentativa de ensaio crítico sobre este grande poeta

23.05.2016 - O AMANTE DAS AMAZONAS DE ROGEL SAMUEL

Um obscuro deus dorme

21.05.2016 - O vice no ostracismo

Ao menos nesse ponto Temer está coberto de razão. Vamos ver agora como ele se sairá... e que Deus o ilumine.

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

--- Muita gente me pergunta o seguinte: calor, frio e vento são substantivos concretos ou abstratos? O que responder?

20.05.2016 - LEMBRANÇAS DE RUI BARBOSA

Não sou especialisa das obras de Rui Barbosa

19.05.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo VI

Com invulgar atenção leu Tomei um Ita no Norte, do escritor parnaibano Renato Castelo Branco, que num estilo elegante, conciso e cristalino contou muitos fatos interessantes e pitorescos da pequenina Parnaíba de sua meninice

16.05.2016 - QUE NÃO VENHA MAIS UMA TRAGICOMÉDIA NACIONAL

É claro que a permanência

16.05.2016 - A máscara de Sailor Vênus

Resenha do primeiro dos dois célebres mangás da Sailor Vênus, criada por Naoko Takeushi.

15.05.2016 - ENGAJAMENTO E POLIFONIA DE VOZES EM “FILHOS DA MÃE GENTIL”, de José Ribamar Garcia

O livro de José Ribamar Garcia, “Filhos da mãe Gentil”, longe de ameaçar o poder e as instituições, inscreve em suas páginas a mensagem de um escritor engajado, sob a visão sartreana

15.05.2016 - A representação da violência em Teresina

O livro Sabor de Vingança, de autoria do escritor Milton Borges, reúne 28 contos, narrados em 3ª pessoa

14.05.2016 - SEM PAI, NEM MÃE

Sem pai nem mãe, nem parente algum de que tivesse notícia”

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br