Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 23 de outubro de 2014
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Pontuar e acentuar

Refiro-me, no título, ao verbo pontuar , que entendo estar sendo mal e excessivamente usado como simples sinônimo de “enfatizar, destacar, realçar, frisar, salientar, ressaltar”. Fica muito mais elegante e correto usar um desses verbos do que “pontuar”, em frases assim:

- Bonavides [...verbo...] que a concepção política da Idade Média e da Reforma girava em torno do Poder Constituinte de Deus ( omni potestas a Deo ) .

O verbo pontuar significa originalmente “usar/colocar/marcar com sinais de pontuação”. Com sentido figurado, também assume o significado de “assinalar, caracterizar, acompanhar, marcar, pontilhar ou separar” – mas dentro de certa seqüência de tempo ou espaço, como se fossem pontos que aparecem de quando em quando. Neste último caso é comum o uso do particípio/adjetivo. Exemplos:

- Ela pontuou com bela vinheta os dez quadros da apresentação em “power point”.

- Em discurso pontuado por ataques ao P T, o presidente nacional licenciado do PFL afirmou que a incompetência vence o medo.

- A trajetória de Filipe é pontuada por uma série de coincidências.

Levemente diferente – e raro – é o verbo pontualizar , que pode ser usado como “delimitar, demarcar, indicar, distinguir, pôr em destaque”: Sua história é boa porque pontualiza com clareza o nascedouro, raízes, abrangência e ocaso do partido.



Qual é o certo: que se apazigúe ou que se apazígüe? Existe regra fácil para aguar, enxaguar e verbos do gênero?

“Enxáguam” e “mínguam” obedecem a qual regra de acentuação?

Podemos exemplificar o caso com seis verbos terminados em ‘uar': aguar, desaguar, enxaguar, minguar, apaziguar e averiguar. Dividem-se as opiniões quanto ao “correto” na flexão do tempo presente – indicativo e subjuntivo. O dicionário Houaiss alerta para uma “controvérsia preceptiva”, mas há concordância entre ele e o Aurélio ao apresentar a conjugação completa desses verbos (no dicionário eletrônico), exceto por ‘minguar'. Eis um resumo dos três primeiros:

eu águo – ele água – eles águam – que eu ágüe – que eles ágüem
deságuo – deságua – deságuam – deságüe – deságüem
enxáguo – enxágua – enxáguam – enxágüe – enxágüem

O acento agudo nessas formas está a indicar que a pronúncia de UO, UA, ÜE é de ditongo crescente. Todavia, alguns gramáticos aceitam padrões como aguo , agua , aguam ; agúe , agúe , agúem. Então – deve pensar o falante brasileiro – por que seriam diferentes os verbos apaziguar e averiguar? Por que eles teriam um hiato? Isso pode explicar a duplicidade de pronúncia, e conseqüentemente de grafia, das formas verbais seguintes:

Forma erudita, culta
apazi guo – apazigua – apaziguam – apazigúe
averiguo – averigua – averiguam – averigúe

Forma popular
apazíguo – apazígua – apazíguam – apazígüe
averíguo – averíguas – averíguam – averígüe

Convém relembrar que o U nas seqüências UE e UI, depois de G ou Q, leva acento agudo quando forte, tônico, e trema quando fraco, átono.

Já no caso de minguar, o Houaiss se rend e às evidências da fala corrente, tanto culta quanto popular, e traz a grafia que representa a pronúncia de ditongo (item 1). O segundo registro abaixo é do dicionário Aurélio:

1) mínguo – míngua – mínguam – míngüe – míngüem
2) minguo – mingua – minguam – mingúe – mingúem

Por fim, para que não reste nenhuma dúvida ao consulente: o acento gráfico do plural “mínguam/enxáguam” se deve ao fato de ser uma paroxítona terminada em ditongo nasal (neste caso o ‘m' é apenas um sinal nasalizador).

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

11.10.2014 - Sempre os porquês

26.09.2014 - Sempre os porquês

11.09.2014 - Citação & citações

25.07.2014 - Maiúsculas: logradouros, cargos, documentos

05.07.2014 - E com vírgula - sim ou não (2)

25.06.2014 - E com vírgula - sim ou não (1)

06.06.2014 - Aconteceu nos anos 80

29.05.2014 - Vide, barato, por si sós, sic

07.05.2014 - Hexa e pentacampeão

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

08.04.2014 - Gerundismo e gerúndio

28.03.2014 - Li e gostei dos livros

19.03.2014 - Eis que, posto que

23.02.2014 - Eis que, posto que

02.02.2014 - Maiúsculas de realce

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


(Dê)pois, poema de Dílson Lages


Listar todos
Últimas matérias

20.10.2014 - O Amigo da Onça

Precisamos fazer o resgate de tantas criações do imaginário nacional.

19.10.2014 - As urnas dividiram o povo brasileiro e dizimaram o sentido da alteridade

A premiada escritora An a Maria Machado

19.10.2014 - A QUESTÃO FUNDAMENTAL DA METAFÍSICA

A QUESTÃO FUNDAMENTAL DA METAFÍSICA

18.10.2014 - São Paulo, Sociedade Anônima (filme)

De Luís Sérgio Person, 1965

18.10.2014 - Aborto: bandeira machista

Uma das maiores manifestações do machismo é a prática do aborto.

17.10.2014 - As ideias conservadoras

O conservadorismo político é bom

17.10.2014 - CONVITE INFORMAL DE UMA PROFESSORA PARA DILMA E AÉCIO, DIRETAMENTE DE RORAIMA, UM LUGAR QUE TAMBÉM É BRASIL

046

17.10.2014 - PowerPoint

O que é?

16.10.2014 - Um diálogo imaginário sobre os candidatos à Presidência da República

Enfrentando, agora, a bipolaridade,

14.10.2014 - "Melhor é desejar do céu": um poema de Píndaro

poesia

14.10.2014 - Mononoke: uma saga fatídica

A violenta história de uma princesa que luta pela floresta e pelos bichos

14.10.2014 - Noite negra

NEGRA NOITE

13.10.2014 - Site educacional de qualidade

Educar/Aprender

13.10.2014 - NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

13.10.2014 - A vida literária atual: o papel da crítica

Não julgue precipitadamente

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br