Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Pontuar e acentuar

Refiro-me, no título, ao verbo pontuar , que entendo estar sendo mal e excessivamente usado como simples sinônimo de “enfatizar, destacar, realçar, frisar, salientar, ressaltar”. Fica muito mais elegante e correto usar um desses verbos do que “pontuar”, em frases assim:

- Bonavides [...verbo...] que a concepção política da Idade Média e da Reforma girava em torno do Poder Constituinte de Deus ( omni potestas a Deo ) .

O verbo pontuar significa originalmente “usar/colocar/marcar com sinais de pontuação”. Com sentido figurado, também assume o significado de “assinalar, caracterizar, acompanhar, marcar, pontilhar ou separar” – mas dentro de certa seqüência de tempo ou espaço, como se fossem pontos que aparecem de quando em quando. Neste último caso é comum o uso do particípio/adjetivo. Exemplos:

- Ela pontuou com bela vinheta os dez quadros da apresentação em “power point”.

- Em discurso pontuado por ataques ao P T, o presidente nacional licenciado do PFL afirmou que a incompetência vence o medo.

- A trajetória de Filipe é pontuada por uma série de coincidências.

Levemente diferente – e raro – é o verbo pontualizar , que pode ser usado como “delimitar, demarcar, indicar, distinguir, pôr em destaque”: Sua história é boa porque pontualiza com clareza o nascedouro, raízes, abrangência e ocaso do partido.



Qual é o certo: que se apazigúe ou que se apazígüe? Existe regra fácil para aguar, enxaguar e verbos do gênero?

“Enxáguam” e “mínguam” obedecem a qual regra de acentuação?

Podemos exemplificar o caso com seis verbos terminados em ‘uar': aguar, desaguar, enxaguar, minguar, apaziguar e averiguar. Dividem-se as opiniões quanto ao “correto” na flexão do tempo presente – indicativo e subjuntivo. O dicionário Houaiss alerta para uma “controvérsia preceptiva”, mas há concordância entre ele e o Aurélio ao apresentar a conjugação completa desses verbos (no dicionário eletrônico), exceto por ‘minguar'. Eis um resumo dos três primeiros:

eu águo – ele água – eles águam – que eu ágüe – que eles ágüem
deságuo – deságua – deságuam – deságüe – deságüem
enxáguo – enxágua – enxáguam – enxágüe – enxágüem

O acento agudo nessas formas está a indicar que a pronúncia de UO, UA, ÜE é de ditongo crescente. Todavia, alguns gramáticos aceitam padrões como aguo , agua , aguam ; agúe , agúe , agúem. Então – deve pensar o falante brasileiro – por que seriam diferentes os verbos apaziguar e averiguar? Por que eles teriam um hiato? Isso pode explicar a duplicidade de pronúncia, e conseqüentemente de grafia, das formas verbais seguintes:

Forma erudita, culta
apazi guo – apazigua – apaziguam – apazigúe
averiguo – averigua – averiguam – averigúe

Forma popular
apazíguo – apazígua – apazíguam – apazígüe
averíguo – averíguas – averíguam – averígüe

Convém relembrar que o U nas seqüências UE e UI, depois de G ou Q, leva acento agudo quando forte, tônico, e trema quando fraco, átono.

Já no caso de minguar, o Houaiss se rend e às evidências da fala corrente, tanto culta quanto popular, e traz a grafia que representa a pronúncia de ditongo (item 1). O segundo registro abaixo é do dicionário Aurélio:

1) mínguo – míngua – mínguam – míngüe – míngüem
2) minguo – mingua – minguam – mingúe – mingúem

Por fim, para que não reste nenhuma dúvida ao consulente: o acento gráfico do plural “mínguam/enxáguam” se deve ao fato de ser uma paroxítona terminada em ditongo nasal (neste caso o ‘m' é apenas um sinal nasalizador).

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Sobre o verbo haver (I)

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

16.08.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

16.07.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

30.06.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

12.02.2016 - Lítero-musical, infanto-juvenil e espaço-temporal

01.01.2016 - Mais-que-perfeito e o pronome relativo quem

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br