Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Grafia de números, dia primeiro, endereço

M. T. Piancentini

--- Quando devemos usar números por extenso ou em algarismos num texto? Há um limite (até determinado número) para se escrever por extenso? Como devemos proceder? Procurei em algumas obras de gramática e nada encontrei nesse sentido.  S. S. L. B., Tubarão/SC


Trata-se mais de uma convenção gráfica do que de uma norma gramatical: costuma-se escrever por extenso os números de apenas um dígito, quais sejam, de 1 a 9, o que é importante sobretudo nos dois primeiros quando eles se encontram diante de palavra feminina. Em vez de “Acharam as 2 crianças sequestradas” deve-se escrever “Acharam as duas crianças sequestradas”.


Igualmente, pode-se (não é obrigatório) escrever por extenso qualquer número que seja dito ou escrito numa só palavra, como as dezenas e as centenas [dez, noventa, cem, quinhentos], apesar de terem dois ou três dígitos. Deve-se evitar a grafia por extenso – salvo nos casos específicos, como documentos – de números que parecem pequenos mas comportam mais de duas palavras, como por exemplo 23 - vinte e três e 187 - cento e oitenta e sete. A grafia em algarismos sempre proporciona uma leitura visual mais rápida.


Alguns exemplos de redação correta:


Foram investigados dois políticos e mais de 30 advogados.

O governo autorizou o resgate de 53 brasileiros na Bolívia.

Pretendem construir 19 edifícios no mesmo condomínio.

Das nove pessoas abordadas, cinco disseram que já produziram mais de 250 peças nos últimos dez meses. 

Falam como se, em cinquenta anos, não tivessem sido realizados inúmeros trabalhos em semiologia, sociologia, psicolinguística.
 

Dia primeiro


--- Como é a forma correta de "Dada e passada nesta cidade do Rio Grande, aos dois dias do mês de agosto de dois mil e dois" ao se tratar do primeiro dia do mês? César Almeida Lehn, Rio Grande/RS


O equivalente a “aos dois dias, aos três dias do mês...” (fórmula usada em atas e alguns documentos oficiais) é: ”Dada e passada nesta cidade do Rio Grande, no primeiro dia do mês de agosto de dois mil e dois”.


Tanto é assim que a norma oficial para escrever essa mesma data em algarismos é 1º de agosto de 2009 (e não 01 ou 1), que se lê primeiro de agosto.


Aproveito para lembrar que a indicação do ano não deve conter ponto entre a casa do milhar e a da centena: 1822, 1999, 2010 (e não 2.010).
 

Endereço


--- Qual o correto: Rua dos Andradas, 721 ou Rua dos Andradas, nº 721 ou Rua dos Andradas nº 721?  J.S., Porto Alegre/RS


As três formas estão corretas, com preferência pela primeira delas, em que se separa a rua ou logradouro do número com uma vírgula apenas: Rua dos Andradas, 721.

 


 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Sobre o verbo haver (I)

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

16.08.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

16.07.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

30.06.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

12.02.2016 - Lítero-musical, infanto-juvenil e espaço-temporal

01.01.2016 - Mais-que-perfeito e o pronome relativo quem

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br