Dilson Lages Monteiro Sexta-feira, 23 de junho de 2017
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Grafia de números, dia primeiro, endereço

M. T. Piancentini

--- Quando devemos usar números por extenso ou em algarismos num texto? Há um limite (até determinado número) para se escrever por extenso? Como devemos proceder? Procurei em algumas obras de gramática e nada encontrei nesse sentido.  S. S. L. B., Tubarão/SC


Trata-se mais de uma convenção gráfica do que de uma norma gramatical: costuma-se escrever por extenso os números de apenas um dígito, quais sejam, de 1 a 9, o que é importante sobretudo nos dois primeiros quando eles se encontram diante de palavra feminina. Em vez de “Acharam as 2 crianças sequestradas” deve-se escrever “Acharam as duas crianças sequestradas”.


Igualmente, pode-se (não é obrigatório) escrever por extenso qualquer número que seja dito ou escrito numa só palavra, como as dezenas e as centenas [dez, noventa, cem, quinhentos], apesar de terem dois ou três dígitos. Deve-se evitar a grafia por extenso – salvo nos casos específicos, como documentos – de números que parecem pequenos mas comportam mais de duas palavras, como por exemplo 23 - vinte e três e 187 - cento e oitenta e sete. A grafia em algarismos sempre proporciona uma leitura visual mais rápida.


Alguns exemplos de redação correta:


Foram investigados dois políticos e mais de 30 advogados.

O governo autorizou o resgate de 53 brasileiros na Bolívia.

Pretendem construir 19 edifícios no mesmo condomínio.

Das nove pessoas abordadas, cinco disseram que já produziram mais de 250 peças nos últimos dez meses. 

Falam como se, em cinquenta anos, não tivessem sido realizados inúmeros trabalhos em semiologia, sociologia, psicolinguística.
 

Dia primeiro


--- Como é a forma correta de "Dada e passada nesta cidade do Rio Grande, aos dois dias do mês de agosto de dois mil e dois" ao se tratar do primeiro dia do mês? César Almeida Lehn, Rio Grande/RS


O equivalente a “aos dois dias, aos três dias do mês...” (fórmula usada em atas e alguns documentos oficiais) é: ”Dada e passada nesta cidade do Rio Grande, no primeiro dia do mês de agosto de dois mil e dois”.


Tanto é assim que a norma oficial para escrever essa mesma data em algarismos é 1º de agosto de 2009 (e não 01 ou 1), que se lê primeiro de agosto.


Aproveito para lembrar que a indicação do ano não deve conter ponto entre a casa do milhar e a da centena: 1822, 1999, 2010 (e não 2.010).
 

Endereço


--- Qual o correto: Rua dos Andradas, 721 ou Rua dos Andradas, nº 721 ou Rua dos Andradas nº 721?  J.S., Porto Alegre/RS


As três formas estão corretas, com preferência pela primeira delas, em que se separa a rua ou logradouro do número com uma vírgula apenas: Rua dos Andradas, 721.

 


 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.04.2017 - Aspas simples por ironia vale?

30.03.2017 - O uso de não como prefixo

09.02.2017 - Sobre o verbo haver (I)

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

16.08.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

16.07.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

30.06.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

15.06.2017 - HOJE É CORPUS CHRISTI, SIM, SENHOR

Muita gente

15.06.2017 - DOCES FANTASMAS

Doces fantasmas esvoaçam os ares dentro de meu quarto.

14.06.2017 - Miranda, uma família pioneira no povoamento do Piauí.

O autor divulga notas sobre as origens da família Miranda, no Piauí.

13.06.2017 - Literatura piauiense

Na apresentação do livro de Francisco Miguel de Moura, Reginaldo Miranda faz análise da literatura piauiense.

13.06.2017 - Da arte do sol

Da arte do sol

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br