Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Fui eu que fiz o jantar

 [M. T. Piacentini]

--- Como é correto dizer: Fui eu que fiz o jantar ou Fui eu quem fez o jantar? Fernanda Buzzini, São Paulo/SP

--- Gostaria de esclarecer uma dúvida quanto ao emprego do "que" e do "quem" em concordância com os verbos ser e fazer. Exemplo: Foi ela que fez ou Foi ela quem fez. Fui eu quem fiz ou Fui eu quem fez. Foi eu que fiz ou Foi eu quem fiz. Fernando Augusto L. Dutra, Palmas/TO


Há duas boas maneiras de construir esse tipo de frase:


1. Usa-se QUE e o verbo concorda com o sujeito antecedente:

    Fui eu que fiz e paguei a aposta.
    Foi ela que me acusou.
    Foi José que se matriculou, e não seu irmão.
    Foi você que prometeu e não cumpriu. Ou foi o governo federal?
    Fomos nós que aguentamos a onda.
    Foram eles que atrasaram a obra.
    Foram apenas as meninas que se machucaram.


2. Usa-se QUEM e o verbo fica na terceira pessoa do singular:

    Fui eu quem fez e pagou a aposta.
    Foi ela quem me acusou.
    Foi José quem se matriculou, e não seu irmão.
    Foi você quem prometeu e não cumpriu. Ou foi o governo federal?
    Fomos nós quem aguentou a onda.
    Foram eles quem atrasou a obra.
    Foram apenas as meninas quem se machucou.


Considero as primeiras frases melhores, mais agradáveis ao ouvido. Talvez por isso sejam mais comuns do que as segundas, principalmente quando o sujeito está no plural. Isto é, “foram elas que se machucaram” soa melhor do que “foram elas quem se machucou”.


Existem alguns livros dedicados a ensinar português que afirmam ser correta também uma terceira forma, qual seja, a frase com “quem” e o verbo concordando com o sujeito antecedente, por exemplo: “Fui eu quem fiz, fomos nós quem fizemos”. Discordo. E acredito que deva ter havido algum lapso por aí, pois nunca ouvi brasileiros falarem assim.


Nesse ponto, prefiro ficar com Napoleão Mendes de Almeida, que diz textualmente: “Quando tem por antecedente um pronome pessoal reto, o ‘que’ pode vir substituído por ‘quem’, o que nos obriga [grifo meu] a levar o verbo para a terceira pessoa do singular: Somos nós quem paga – Sou eu quem vai – Fui eu quem abriu esta polêmica – Eu e V. Exa. somos quem vende – És tu quem favorece a minha resolução” (Dicionário de Questões Vernáculas, 1981, p. 256).


Por fim, é bom observar que em qualquer dos casos o verbo ser que inicia a oração faz a concordância com o sujeito a quem ele se refere. É por isso que às vezes se usa FUI [concorda com eu] e às vezes FOI [concorda com ele/ela/você], assim como se usa FOMOS e FORAM respectivamente para a primeira e a terceira pessoa do plural.


Naturalmente, o mesmo tipo de frase pode ser empregado no tempo presente ou no futuro, como vemos abaixo:


Hoje sou eu que pago.
Hoje sou eu quem paga.
É ela que sempre me aborrece.
É José quem se diz bem-sucedido, e não o irmão.
Somos nós quem aguenta a onda.
Somos nós dois que temos de resolver o impasse.
São eles que costumam atrasar as obras.
Em geral são as meninas que se ferem.
É você quem receberá o prêmio, pode ter certeza.
Sou eu que darei a festa.


 

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Sobre o verbo haver (I)

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

16.08.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

16.07.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

30.06.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

12.02.2016 - Lítero-musical, infanto-juvenil e espaço-temporal

01.01.2016 - Mais-que-perfeito e o pronome relativo quem

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

17.02.2017 - O PIANO, A TARDE

Minha tia Maria José

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

Assim iniciou a literatura infantil brasileira.

15.02.2017 - ENTREVISTA DE R. SAMUEL A LUIZ ALBERTO MACHADO

Não vi a riqueza de Maurice Samuel

15.02.2017 - CONCEIÇÃO

CONCEIÇÃO

14.02.2017 - Solveig von Schoultz, 1907-1996, Finlândia

Demos-lhe sementes; não muitas,

13.02.2017 - Paru

Filho da estrada e do vento, nunca se soube de onde vi/era, nunca se soube para onde foi.

12.02.2017 - NATUREZA MORTA

Oh, está morto, tudo está congeladamente morto.

11.02.2017 - A Coluna Prestes em Aparecida

O autor narra a passagem da Coluna Prestes na vila a'Aparecida, hoje cidade de Bertolínia, sua terra natal.

11.02.2017 - porta calada

porta calada

10.02.2017 - João Crisóstomo da Rocha Cabral

O autor discorre sobre o jurista e poeta João Cabral e sua obra poética Palimpsestos.

09.02.2017 - UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

UNIVERSOS PARALELOS - CRÔNICA ANTIGA

09.02.2017 - Literatura é imagem, cena e metáfora

A literatura brasileira não tem uma grande tradição no tratamento de romances — ou prosa de ficção — metafóricos, sobretudo na questão política, optando, quase sempre pelo documento, a sociologia ou a antropologia e o panfleto.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br