Dilson Lages Monteiro Quinta-feira, 18 de dezembro de 2014
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

De hífens, pontos, abreviaturas etc (II)

[M. T. Piacentini]

--- Escrevendo-se de forma manuscrita deve-se ou não cortar o número 7 (sete)? José C. M. Pereira, Londrina/PR


A convenção no Brasil é que, manuscrito, o número 7 deve ser cortado, para não ser confundido com o número 1 (diferentemente dos EUA, por exemplo, em que o 1 manuscrito é só um traço).


--- Quando se quer dizer que um elemento tem as propriedades de duas ou mais coisas, como aromática e cromoterápica, eu diria que é aromocromoterápico ou aromo-cromoterápico? Geraldo L.S. Jardim, Santo Amaro da Imperatriz/SC
 

A grafia correta é sem hífen, mesmo quando aromo (ou aroma) é o primeiro dos elementos de  composição:  aromoterapia + cromoterapia =aromocromoterapia aromocromoterápico.  Caso análogo: antropomorfográfico.


--- Nosso Projeto de Resolução está sendo corrigido e surgiu dúvida quanto ao plural da  seguinte palavra composta que está neste  inciso: I - planejar, organizar, dirigir, coordenar e supervisionar projetos e atividades-fim (ou atividades-fins) do órgão e seus resultados.
 S. M. Gattringer, Florianópolis/SC


Fica a seu critério o uso. As duas formas de plural estão corretas: atividades-fim ou atividades-fins, mas a primeira forma parece ter mais aceitação, assim como atividades-meio, horas-aula, datas-limite, palavras-chave, cartas-convite, vales-transporte, seguros-desemprego e outras composições de dois substantivos em que o segundo funciona como determinante do primeiro.  Mais sobre o assunto na coluna Não Tropece na Língua nº 197 – De pau-brasil a decreto-lei – plural dos compostos.
 

--- Por que na frase “quer-lhe-ia apresentar meus votos de pronto restabelecimento”, o pronome oblíquo está mal empregado? Jaciene Nascimento, Nilópolis/RJ


Se a frase começar com o verbo querer, não se dirá que o pronome oblíquo está mal colocado, isto é, não se encontra aí nenhum erro gramatical. Seria considerada má colocação pronominal se houvesse uma palavra atrativa antes do verbo, situação que não admite a mesóclise: “Informei na recepção que queria lhe apresentar meus votos de pronto restabelecimento” (ou que queria apresentar-lhe ou ainda que lhe queria apresentar).


A outra face da questão é que ninguém no Brasil falaria assim, e poucos escreveriam “quer-lhe-ia”, com o uso da mesóclise por causa do futuro do pretérito, a não ser no início de frase de um texto formal. As formas usuais são as seguintes:  
 

Queria lhe apresentar meus votos de felicidade e saúde.

Gostaria de lhe desejar boa sorte.

Queria apresentar-lhe minhas felicitações.

Queremos apresentar-lhe nossos cumprimentos.


--- Gostaria de saber se ao dizer “nome da razão social” eu não estou sendo redundante. Claudia, Rio de Janeiro/RJ


Fica redundante, sim. No sentido de "firma", basta dizer "a razão social", "qual é a razão social?", pois aí já se trata do nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades.

 


 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

15.12.2014 - A/em tempo, balé, carnê, carpete, tíquete

02.12.2014 - Crase com pronomes demonstrativos e com o que

17.11.2014 - Crase com nome de mulheres

01.11.2014 - Crase com nome próprios geográficos

11.10.2014 - Sempre os porquês

26.09.2014 - Sempre os porquês

11.09.2014 - Citação & citações

25.07.2014 - Maiúsculas: logradouros, cargos, documentos

05.07.2014 - E com vírgula - sim ou não (2)

25.06.2014 - E com vírgula - sim ou não (1)

06.06.2014 - Aconteceu nos anos 80

29.05.2014 - Vide, barato, por si sós, sic

07.05.2014 - Hexa e pentacampeão

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

08.04.2014 - Gerundismo e gerúndio

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


Listar todos
Últimas matérias

18.12.2014 - BAQUAQUA

BAQUAQUA

18.12.2014 - NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

NEUZA MACHADO: O FOGO DA LABAREDA DA SERPENTE

18.12.2014 - CONFISSÕES DE UM JUIZ E OUTRAS (IN)CONFIDÊNCIAS

"Pois não é que, em poucos minutos, devorei mais de 20 páginas?"

18.12.2014 - A CATEDRAL

A CATEDRAL

16.12.2014 - Storytelling sugere Storyliving

A vida de cada um é uma estória sendo encenada

16.12.2014 - NOVA REIMPRESSÃO

NOVA REIMPRESSÃO

16.12.2014 - Rita Pavone: homenagem

Ela ainda está em atividade, com a mesma grandiosidade artística e humanista.

16.12.2014 - O DESERTO DA SOLIDÃO

O DESERTO DA SOLIDÃO

16.12.2014 - Tradução do poema

Beside the ungathered

15.12.2014 - Há um Davidson entre Rorty e Habermas.

Quatro perguntas, quatro afirmações e quatro histórias, mas um único Habermas.

15.12.2014 - Casos raros

A nossa literatura foi, ao longo de décadas, contida e envergonhada em matéria de sexo e corpo.

15.12.2014 - Um prefeito nunca erra

nem mesmo quando está errado...

15.12.2014 - O pai caçula

Quem escreveu a Compadecida, no entanto, foi um rapaz de 28 anos

15.12.2014 - A/em tempo, balé, carnê, carpete, tíquete

A palavra brasileira para o francês ballet é escrita balé, com acento agudo.

15.12.2014 - PITONISA

PITONISA

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br