Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 28 de fevereiro de 2017
NÃO TROPECE NA LÍNGUA - M. T. PIACENTINI
M. T. Piacentini
Tamanho da letra A +A

Sobre o verbo haver (I)

[M. T. Piacentini]

 --- Como fica o verbo haver quando tem o sentido de conseguir, obter, alcançar, adquirir? Estão corretas as frases: “Hei de comprar aquele carro. Hei de fazer a prova amanhã. E Soares houve-se como pôde na singular situação em que se achava. Eu hei-me bem diante dos convidados.”? (No sentido de comportar-me). P. K. Rio de Janeiro/RJ.

 

Para melhor responder à questão, vejamos toda a sintaxe do verbo haver, tanto no seu uso pessoal quanto impessoal.

 

I - Como verbo PESSOAL, pode empregar-se em todas as pessoas, fazendo a devida concordância com seu sujeito. Ocorre nos seguintes casos:

 

1. Como auxiliar de outro verbo, o qual vai dar o sentido à frase e por isso é chamado de principal:

 

          Vamos nos mudar deste bairro caso ele haja encontrado casa em outro.

 

          O convite havia sido feito para que se discutisse a ética nas relações profissionais.

 

          Falou como se eu não houvesse admitido que não conseguimos deixar de ser seres morais!

 

O verbo haver neste caso comuta com o auxiliar ter, que é mais popular:

 

          Vamos nos mudar caso ele tenha encontrado casa em outro bairro.

 

          O convite tinha sido feito...

 

 

 

          Falou como se eu não tivesse admitido...

 

2. Na forma pronominal – HAVER-SE – como o sentido de portar-se, conduzir-se, proceder, acompanhado obrigatoriamente de um sintagma adverbial de modo:

 

          O jogador se houve dignamente quando foi eliminado da Seleção.

 

          Houveram-se com acerto ao expulsar os invasores, uma vez que as terras eram produtivas.

 

          Eu me haverei bem diante dos convidados.

 

Aqui, não cai bem o tempo presente (“eu hei-me bem”) que o consulente apresenta. 

 

3. Na forma pronominal, com o significado de ajustar contas:

 

          Ela vai se haver comigo  quando chegar em casa.

 

          Obrigou-o a aderir à greve. Depois, ele que se houvesse com o patrão. 

 

4. Num uso mais raro e incomum atualmente, quando significa

 

a) ter, possuir:

 

          Pediam que o inimigo houvesse piedade deles.

 

          Haveis consciência do que estais a fazer?

 

b) obter, conseguir ou herdar:

 

          Queriam saber onde ele houvera o dinheiro.

 

          Houvemos as terras de nossos pais.

 

c) considerar, julgar, pensar, achar:

 

          Se houveres que é tempo perdido, desiste da empreitada.

 

          Os generais houveram todos os soldados por competentes.

 

5. Semelhante a esta última é a expressão haver por bem ( = julgar por bem), que tem o sentido de dignar-se a ou decidir-se a (alguma coisa) por achar melhor, por entender mais conveniente:

 

          Houve por bem libertar seus escravos antes que fosse obrigado por lei a fazê-lo.

          

          Tenham paciência que ele haverá por bem conceder-lhes o abono.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

09.02.2017 - Sobre o verbo haver (I)

05.01.2017 - De festas e cerimônias

11.12.2016 - Norma culta e língua padrão - I

28.11.2016 - Fui eu que fiz o jantar

06.10.2016 - Fui eu que fiz o jantar

16.08.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

16.07.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

30.06.2016 - Infinitivo e pronome se inútil

20.05.2016 - Substativos abstratos e concretos

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

23.04.2016 - Concordância nominal: é proibido, é preciso.

05.04.2016 - Concordância nominal: é proibido... é preciso...

17.03.2016 - Profa., antes de mais nada, na verdade é correto

12.02.2016 - Lítero-musical, infanto-juvenil e espaço-temporal

01.01.2016 - Mais-que-perfeito e o pronome relativo quem

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.02.2017 - O sol do verão

O sol do verão

27.02.2017 - MENINA NEGRA DA ADOÇÃO

046

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

O que o passado pode ensinar...

26.02.2017 - SOBRE O ECLIPSE SOLAR

SOBRE O ECLIPSE SOLAR

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

Se dirijo a min ha atenção

25.02.2017 - OH, ABRE ALAS, PARA O CARNAVAL ...

OH, ABRE ALAS, PARA O CARNAVAL ...

23.02.2017 - Pensando o Piauí

O autor apresenta o livro Rodoanel, do intelectual piauiense Magno Pires.

23.02.2017 - OS MISTÉRIOS DE UNS VERSOS

OS MISTÉRIOS DE UNS VERSOS

22.02.2017 - A DANÇA DE BEETHOVEN

A DANÇA DE BEETHOVEN

22.02.2017 - LEÃO ENJAULADO

Após as oitenta primaveras, ficou bastante decrépito, e a saúde já não lhe permitia as libações etílicas, como costumava dizer o popular Pacamão

21.02.2017 - O PRÍNCIPE - PARTE FINAL

O final da história de um dos mais importantes matemáticos da ciência.

20.02.2017 - A PRIMEIRA ESTROFE DE 'LE BATEAU IVRE'

A PRIMEIRA ESTROFE DE 'LE BATEAU IVRE'

19.02.2017 - CASA ABANDONADA

CASA ABANDONADA

18.02.2017 - As vozes narrativas

As vozes narrativas

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

Um amigo que tem muitas coisas a contar relata fatos de sua vida.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br