Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 23 de abril de 2014
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

20.04.2014 - Pátrias divididas

18.04.2014 - Fragamentos de hoje (ontem

14.04.2014 - A política é fanatismo ou jogo de interesses?

08.04.2014 - Para onde vai o Brasil?

04.04.2014 - Fragmentos da infância

16.03.2014 - Aviso aos leitores

13.03.2014 - Das amargas, sim!

07.03.2014 - Salada mista

06.03.2014 - Uma cidade abandonada no lixo

06.03.2014 - Uma cidade abandonada no lixo

03.03.2014 - Kiev, capital da Ucrânia

23.02.2014 - Nações divididas: um desafio na Pós-Modernidade

20.02.2014 - Os super-salários: a volta dos marajás no Poder Legislativo

15.02.2014 - Um problema brasileiro crescente e cada vez mais grave

12.02.2014 - Santiago Andrade, o cinegrafista morto: apenas uma ponta do iceberg...

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Dílson Lages em entrevista para Rosaly Senra


Valdemir Miranda: Enlace de famílias


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

22.04.2014 - ESSAS MULHERES FORAM MORTAS PELO PRAZER DOUTROS SOLDADOS AMARELOS

Poema depois de ver o filme

22.04.2014 - Show, recente, do conjunto inglês The Shadows, remanescente do final dos anos 50 (1958)

26 minutos de apresentação instrumental, impecável

22.04.2014 - Obituário: aos 66 anos, Luciano do Valle (1947 - 2014)

Resumo biográfico apresentado pela revista Veja

22.04.2014 - AFP - México se despede de Gabriel García Márquez

Adeus, acenam os mexicanos, também, em tristíssima cerimônia

21.04.2014 - Por que há uma tatuagem naquela moça?

Schopenhauer e Pascal identificaram o “eu” como um vazio. Um buraco. Um poço sem fundo

21.04.2014 - A cruz crucial

A palavra crux, em latim, não se referia estritamente à cruz como a visualizamos hoje (dois toros transversais) e que se tornou o símbolo maior do cristianismo.

21.04.2014 - Bilac e o Brasil

O Brasil se vê como uma cultura periférica em relação à Europa e EUA, assim como o Nordeste em relação ao Rio e São Paulo. Existe o fervilhar endêmico de sentimentos nativistas, separatistas, rebeldes, etc.

21.04.2014 - Vírgula e adjuntos no início de frase

Conforme se esclareceu na coluna anterior, é bem possível deixar de separar por vírgula o adjunto adverbial de tempo, lugar e modo

21.04.2014 - Centenário

Tomara que tudo isso sirva para muitos que ainda não a conhecem passem a lê-la com regularidade.

21.04.2014 - Fotógrafo britânico registra ponto exato entre duas placas tectônicas na Islândia

O vão entre a Europa e os Estados Unidos é cada vez maior

21.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 4

Do fundo do meu coração! Em 1923 apareceu na Amazônia um rapaz.

20.04.2014 - A SELVA

Uma parte da crítica estrangeira enfatiza a grande capacidade da obra de evocar o exotismo da natureza amazônica. Em prefácio escrito em 1932 para a tradução alemã , o tradutor Richard Bermann refere-se à selva como o inferno verde

20.04.2014 - A ESTRADA

Porque uma Estrada não tem começo nem fim?

20.04.2014 - O IGARAPÉ DO INFERNO, 3

Eu passei a vida toda de palavras. Eu passei a vida toda de palavras de nada. É a mesma estória!

20.04.2014 - Pátrias divididas

O exemplo da Ucrânia

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br