Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 09 de fevereiro de 2016
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

06.02.2016 - Em tempo de carnaval

29.01.2016 - No Brasil delinquentes matam por "maldade"

24.01.2016 - Tenham pena da Síria!

19.01.2016 - MAIS UMA VEZ A AMIZADE PARTIDA

15.01.2016 - Um hobby na vida de adulto

12.01.2016 - A RAZÃO DE CADA UM

11.01.2016 - Tradução de um poema de Victor Hugo (1802-1885)

05.01.2016 - 2016: o ano que se inicia

31.12.2015 - Antes que 2015 acabe

26.12.2015 - A propósito do artigo "Gênese dos 'Poemas Inéditos', de Elmar Carvalho

22.12.2015 - O negócio é cozinhar:a moda pegou no país

19.12.2015 - DAS AMIZADES PERDIDAS

18.12.2015 - Amanhecer triste no país do "faz de conta"

13.12.2015 - A rede e os sonhos

11.12.2015 - O que faz a política brasileira atual: a clivagem entre petistas e não petistas

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

08.02.2016 - (IR)REAL

Eu busco as mais loucas sinestesias em minha mente alucinada

08.02.2016 - Feliz Ano Novo Asiático-Budista

Diz a Lenda que o Senhor Buddha fez uma festa na floresta, os 12 primeiros animais que chegaram, cada um recebeu de presente, um signo do Zodíaco.

07.02.2016 - CARNAVAL

CARNAVAL

07.02.2016 - A casa do medo

Uma sinistra visão de como poderão ser as casas do futuro, pelo andar da carruagem...

06.02.2016 - CONHECES A REGIÃO DO LARANJAL FLORIDO?

CONHECES A REGIÃO DO LARANJAL FLORIDO?

06.02.2016 - Em tempo de carnaval

É certo que a política

05.02.2016 - HagioLetras, HagioPoética, HagioEstudos, HagioPesquisas

Uma imagem vale mais que mil palavras = HagioLiteratura

04.02.2016 - ENTRE A ACESSIBILIDADE E O POLITICAMENTE INCORRETO

Copiado dos norte-americanos, surgiu por aqui, há não muito tempo, o conceito filosófico-antropológico do "politicamente correto"; depois, veio a febre da acessibilidade.

03.02.2016 - A PANTERA 34

A PANTERA 34

01.02.2016 - A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

A imaginação - CLARICE DE OLIVEIRA

01.02.2016 - ENTRE O VERMELHO E O BRANCO

Nada pode durar tanto, não existe nenhuma recordação que, por intensa que seja, não se apague (Juan Rulfo).

31.01.2016 - EU NÃO SOU EU: POEMA DE JUAN RAMÓN JIMENEZ

poesia

31.01.2016 - Flores sem vaso

Flores sem vaso

31.01.2016 - O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil

30.01.2016 - Letras Religiosas = HagioPoética

Orações, Preces e afins também são Textos Literários

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br