Dilson Lages Monteiro Domingo, 30 de agosto de 2015
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.08.2015 - Ai dos governantes desprezados pelos seus compatriotas!

25.08.2015 - Crimes hediondos no Brasil; algumas sugestões às autoridades

23.08.2015 - Violência e paradoxo no governo Barack Obama

12.08.2015 - Os dois lados da comunicação atual

06.08.2015 - Farra e gravidade na crise político-econômica do Brasil

03.08.2015 - Carta a um aniversariante ilustre: Cunha e Silva (1905-1990)

23.07.2015 - Tradução do poema "The road not taken (1874-1963)

21.07.2015 - Extremos que se tocam: política e violência no Brasil

15.07.2015 - O milagre, não o suave de Eça de Queiroz

08.07.2015 - Elmar Carvalho: a toga, a memória e o lirismo

24.05.2015 - Na mesma situação do velho Lima

17.05.2015 - Nota aos leitores

14.05.2015 - Apenas memórias (16)

13.05.2015 - Apenas memórias (15)

12.05.2015 - Apenas memórias (15)

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.08.2015 - Garcia Lorca e o Buda

Poeta Espanhol fez poesia para o Buda.

27.08.2015 - Ai dos governantes desprezados pelos seus compatriotas!

Não é preciso

26.08.2015 - CABRAL

Falo somente com o que falo

26.08.2015 - OS NOVOS MICROFONES DA ACADEMIA

O nobre Dr. Itamar então me prometeu que na segunda-feira seguinte iria mandar um técnico para estudar o nosso sistema de som, para, em momento oportuno, doar dois ou três microfones de alta qualidade.

25.08.2015 - Crimes hediondos no Brasil; algumas sugestões às autoridades

Sei que os brasileiros

25.08.2015 - Bernardo de Carvalho, por Elmar Carvalho

A origem de Campo Maior, no Piauí

25.08.2015 - A megaloteria

Se eu ganhasse essa megassena talvez fosse morar no Hotel Ritz, em Paris por um tempo. Lá teria inspiração da prosa de Proust.

23.08.2015 - O sol por testemunha

“Olha, amor, não vim à praia pra ler essas porcarias. Vim pra me distrair e curtir esse lindo dia com você. Se quiser, taí, leia você.”

23.08.2015 - Violência e paradoxo no governo Barack Obama

Não posso esconder

21.08.2015 - Verde Esotérico do PSB

EspiritualiZen a Política

21.08.2015 - José Carvalho de Almeida

Origem de Barras do Maratoã

20.08.2015 - Hardi Filho, o poeta do amor

Hardi Filho era uma pessoa comedida no andar, no falar, no gesticular. Porém, descomedido no sentimento, especialmente, no da amizade e no do amor

17.08.2015 - A estranha ficção científica de Ursula K. Le Guin

Resenha do romance "A mão esquerda da escuridão"

16.08.2015 - MINHAS PUBLICAÇÕES NA AMAZON

Estimulado por essa valiosa ferramenta de editoração, estou organizando meus textos, que se encontravam dispersos, em forma de pequenos livros, que estou expondo à venda por módicos preços.

15.08.2015 - Amizade Búdica em Madrid

Darma Amigos Internacionais

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br