Dilson Lages Monteiro Quarta-feira, 27 de maio de 2015
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

24.05.2015 - Na mesma situação do velho Lima

17.05.2015 - Nota aos leitores

14.05.2015 - Apenas memórias (16)

13.05.2015 - Apenas memórias (15)

12.05.2015 - Apenas memórias (15)

11.05.2015 - Apenas memórias (14)

09.05.2015 - Apenas memórias (13)

07.05.2015 - Apenas memórias (12)

06.05.2015 - Apenas memórias (11)

04.05.2015 - À margem de um leitura do poema

29.04.2015 - Apenas memórias (10)

27.04.2015 - Apenas memórias (10)

22.04.2015 - Apenas memórias (9)

21.04.2015 - Explicação necessária

16.04.2015 - Minha formação (8)

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.05.2015 - A PANTERA 5

A PANTERA 5

25.05.2015 - Asa de Corvo

Asa de Corvo

24.05.2015 - porta calada (rogel samuel)

porta calada (rogel samuel)

24.05.2015 - HOJE ME DERAM DE LEMBRANÇA: poema de Jefferson Bessa

POEMA

24.05.2015 - CELSO BARROS – TEMPO E MEMÓRIAS POLÍTICAS

Além de ter muito que contar, soube fazê-lo em diamantino e lapidar estilo, de frases elegantes, contudo concisas e claras, em que a beleza muitas vezes se reveste de genuína simplicidade.

24.05.2015 - No Ibrahim Sued

No Ibrahim Sued

24.05.2015 - Na mesma situação do velho Lima

Não sei se o leitor

23.05.2015 - Resenha para "O enigma do automóvel de prata" de Ronnie Wells (Jeronymo Monteiro)

Um dos grandes da ficção fantástica e de aventuras do Brasil, Jeronymo Monteiro deixou copiosa obra.

23.05.2015 - Variações em solo dum rio desta aldeia

Poema de Luiz Filho de OLiveira

23.05.2015 - Mundo em desajuste

É inegável o mérito da civilização ocidental que, mais do que qualquer outra, traçou sua trajetória num mundo de “certezas” e criou valores universais, mas se revelou absolutamente incapaz de transmiti-los

23.05.2015 - Eu, a poesia, o amor e a intrusa gramática

Quando escrevo, tirando a sofrida gramática, a poesia aparece.

22.05.2015 - Despertar paredes brancas (rogel samuel)

Retomar o fio da leitura interrompida

22.05.2015 - LUZ DE MAIO

Você conhece a luz dos dias de maio?

20.05.2015 - Entrevista com Regina Madeira

Entrevista publicada em 25 de abril de 2015 no Recanto das Letras, com a escritora fluminense Regina Madeira.

19.05.2015 - Terremoto de Nepal pone de Relieve los Peligros de las Represas en el Tíbet

El desarrollo hidroeléctrico en el Tíbet está cargado de enormes riesgos por el peligro de grandes terremotos.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br