Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 03 de maio de 2016
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.04.2016 - SOMOS TODOS ANÔNIMOS

26.04.2016 - O RIO DE JANEIRO NÃO VAI BEM

22.04.2016 - MEU ANTIGO HOBBY: LIVROS PERDIDOS

19.04.2016 - Num Shopping do Rio

08.04.2016 - ENTRE A LITERATURA E A SORDIDEZ POLÍTICA

07.04.2016 - BREVE DIÁLOGO SEM SÍNTESE (NÃO VALE CULPAR SÓCRATES, O FILÓSOFO)

04.04.2016 - O clima está quente demais: perigo

28.03.2016 - Quando o passado se confirma e reforça o presente

22.03.2016 - Renúncia, impeachment, Lava-Jato e crise econômica

21.03.2016 - Tradução do poema

16.03.2016 - Desdobramentos políticos e ilegalidade no Executivo

14.03.2016 - E AGORA, PRESIDENTE DILMA?

11.03.2016 - O Elogio dos Blogs

10.03.2016 - Non Fare Niente

06.03.2016 - Por que o lulopetismo está ruindo?

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

01.05.2016 - À BAHIA: POEMA DE GREGÓRIO DE MATOS

poesia

01.05.2016 - O lírico e telúrico em Elmar Carvalho

No caso de Elmar Carvalho, temos uma poesia lírica, elaborada com rara sensibilidade, sem esquecer o drama social.

30.04.2016 - Viagem de Graciliano

Um livro póstumo de Graciliano Ramos, contando sua visita à Checoslováquia e à União Soviética em 1952.

30.04.2016 - Concordância: um substantivo e dois adjetivos

-- Está certa a concordância do substantivo com os adjetivos na frase:...âmbito de competência dos recursos especial e extraordinário...? Desde já agradeço. N.R. Brasília/DF

30.04.2016 - Amadeo e não só

Um dos maiores pintores portugueses

30.04.2016 - Tudo o que você falar, escrever, agir, publicar, volta para sua vida, para sua casa, para seu trabalho

STK - Supremo Tribunal Kármico, não aceita recurso, nem barganha, muito menos negociação. É Matemático.

29.04.2016 - AS AVENTURAS PROSOPOPAICAS DE DIANNA VALENTE - 6

Ao monte distante

29.04.2016 - O TEMPLO DO TEMPO

O TEMPLO DO TEMPO

28.04.2016 - SOMOS TODOS ANÔNIMOS

No decorrer do tempo

28.04.2016 - HISTÓRIAS DE ÉVORA - Capítulo III

Desse modo, os jovens se iniciavam no sexo com as raparigas, como eram designadas as prostitutas. Algumas tinham foro de professoras, e várias gerações de “alunos” passaram pelo seu tirocínio pedagógico.

27.04.2016 - Relendo Bráulio Tavares

Resenha do ensaio

26.04.2016 - O RIO DE JANEIRO NÃO VAI BEM

A cidade maravilhosa, se não tivere

24.04.2016 - A verdade sobre a Guerra do Vietnam

A sociedade tem memória curta, por isso tantos equívocos...

24.04.2016 - Dois novos comentários sobre Histórias de Évora

Com o avanço dos estudos teórico-críticos, cada vez mais se compreende o quanto o leitor é relevante na interpretação de uma obra literária.

23.04.2016 - A ida e a volta em "O burrinho pedrês"

Comemorar, às vezes, implica reler.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br