Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 28 de julho de 2014
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

25.07.2014 - Israel não dá bom exemplo

21.07.2014 - Genocídio no ar

17.07.2014 - O olhar de um jovem mendigo

15.07.2014 - Polêmicas literárias no Brasil: alguns recortes históricos

13.07.2014 - Quando o choro não consola

08.07.2014 - A triste ausência de Neymar nos jogos finais da Copa

29.06.2014 - A Fifa, a Copa e outros problemas

22.06.2014 - A paz mundial: ainda uma miragem

16.06.2014 - Quem são meus amigos?

14.06.2014 - Na onda da bola

08.06.2014 - De repente, o Brasil vira uma bola

21.05.2014 - A Pátria amada: um povo em desassossego

06.05.2014 - O Brasil e o Mundo: um páreo duro

25.04.2014 - A Princesinha do Mar e o trágico quotidiano brasileiro

25.04.2014 - A Princesinha do Mar e o trágico quotidiano brasileiro

Ver mais
Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

(Dê)pois, poema de Dílson Lages


O macho-e-fêmea, de Rivanildo Feitosa


Listar todos
Livraria online
Últimas matérias

26.07.2014 - O PLANETA DOS MACACOS: O CONFRONTO

Segundo do reboot da lendária série de Planeta dos Macacos, o filme é muito bem equilibrado entre cenas de ação e dramáticas, de acordo com o crítico Rubens Ewald Filho

25.07.2014 - Maiúsculas: logradouros, cargos, documentos

--- Qual a forma correta de escrever o nome de ruas? Usamos as letras maiúsculas ou minúsculas para o caso de Rua Treze de Maio, Rua Frei Caneca? Marina Ferreira Domingos, Florianópolis/SC

25.07.2014 - Israel não dá bom exemplo

Se os insraelenses pudessem retroceder às atrocidades de que foram vítimas...

25.07.2014 - A INVENÇÃO DA SANTA

Talvez tenha sido por um milagre da santa.

23.07.2014 - Clóvis Rossi, mídia e política

Artigo da FOLHA, 29 E 30.9.2007

23.07.2014 - Estão se adiantando

Eles estão se adiantando, os meus amigos.

21.07.2014 - Genocídio no ar

Não dá para acreditar

21.07.2014 - OS GANSOS DA VÁRZEA DO SIMÃO

Erguiam a cabeça e estufavam o peito, orgulhosos de sua força e beleza, conscientes da nobreza de seu próprio ser. Acaso essa aristocrática altivez remontasse aos seus ancestrais devotados a Júpiter, guardiães do Capitólio da cidade eterna.

20.07.2014 - SOPRO: poema de Jefferson Bessa

poesia

18.07.2014 - Rita Pavone, cantora, artista, mãe, pessoa

Ela aproveita a vida! Entrevista no Youtube

18.07.2014 - Até onde pode levar o tédio

Resenha de

17.07.2014 - O olhar de um jovem mendigo

Ao sair da vetustíssima

17.07.2014 - As bandeiras congeladas

Holderlin vê as heras amarelas e as rosas.

16.07.2014 - VOCÊ JÁ POSTOU O SEU COMENTÁRIO NO MEU ARTIGO?

Não deixe de ler

16.07.2014 - DE REPENTE, A COPA SE FOI

DE REPENTE, A COPA SE FOI

LABORATÓRIO DE REDAÇÃO PROF. DÍLSON LAGES
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br