Dilson Lages Monteiro Sábado, 30 de agosto de 2014
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Anatole France ( 1844-1924)

 

 


 

 


La mort d’une libellule

 


Um jour que voyais ces sveltes demoiselles,
Comme nous les nommons, orgueil des calmes eaux,
Réjouissant l’air pur de l’éclat de leurs ailes,
Se fuir e se chercer par-dessous les roseaux,

Um enfant, l’oeil en feu, vint jusque dans la vase,
Pousser son filet vert, à travers les iris,
Sur une libellule; et le réseau de gaze
Emprisonna le vol de l’insecte surprise.

Le fin corsage vert fut percé d’une épingle;
Mais la frêle blessée, en un farouche effort
Se fit jour, et, prenant ce vol strident qui cingle,
Emporta vers les joncs son épingle e sa mort.

Il n’eût pas convenu que, sur une liève infame,
As beauté s’étalât aux yeux des écoliers:
Elle ouvrit pour mourir ses quatre ailes de flamme
Et son corps se sécha dans les joncs familiers.


A morte de uma libélula

Certa vez, vi essas esbeltas mocinhas,
Como as chamamos, orgulho das águas calmas,
Deliciando-se no ar puro do brilho de suas asas
Evadirem-se e se  procurarem por sobre os caniços.

Uma criança, o olho afogueado, veio até ao vaso,
 E, através dos íris uma rede verde, estender
Sobre uma libélula e a rede de gaze
Impedir do inseto surpreendido o vôo.

Foi, por um alfinete espetado, o fino corpinho verde;
Porém, a frágil criatura  ferida,com um enorme esforço,
Alento recobrou e, alçando voo, estridente singrou,
Em direção aos juncos, levando o alfinete e a morte.

Sobre uma cortiça infame, não lhe convinha,
Aos olhos dos escolares, a beleza exibir:
Abriu, então, pra morrer, as quatro asas de chama
E, nos juncos familiares, o corpo secou.

                                                                                       (Tradução de Cunha e Silva Filho)
 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

26.08.2014 - Winston Roosevelt: um artista da escultura piauiense

24.08.2014 - Fragmentos ubíquos

20.08.2014 - Os Estados Unidos : seu povo e sua política externa

16.08.2014 - A vida é breve, a leitura é longa

13.08.2014 - O que o governo federal deixou de fazer para o bem do povo

08.08.2014 - Espaço da memória

06.08.2014 - Entre o real, o virtual e o espiritual

05.08.2014 - Tradução do poema "Le maître et l'écolier, de Tournier, Premières chansons

04.08.2014 - Nota zero para a educação brasileira

01.08.2014 - A maior alegria de um escritor

28.07.2014 - Observações à margem de uma paródia da Copa no Brasil

25.07.2014 - Israel não dá bom exemplo

21.07.2014 - Genocídio no ar

17.07.2014 - O olhar de um jovem mendigo

15.07.2014 - Polêmicas literárias no Brasil: alguns recortes históricos

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

São Bernardo no olhar de Ricardo Ramos Filho


(Dê)pois, poema de Dílson Lages


Listar todos
Últimas matérias

26.08.2014 - O míope e a sopa

A miopia é uma deficiência? Leia esse texto!

26.08.2014 - Winston Roosevelt: um artista da escultura piauiense

Talvez desconhecido

26.08.2014 - Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

Sessão de posse da Academia Falresc, em Teresina

25.08.2014 - A PANTERA 1

A PANTERA 1

25.08.2014 - Cinema, alimentação e Cultura Local

Festival Internacional em Pirenópolis/GO

24.08.2014 - Fragmentos ubíquos

A primeira notícia que me ocorre

23.08.2014 - O riso

Uma história da risada

23.08.2014 - A ILHA DO SONHO E DO ENCANTO

Nas rochas que emergiam do líquido elemento pousavam cândidas sereias, algumas metade peixes e outras metade pássaros, todas de voz maviosa e alucinante.

22.08.2014 - Eça paulista

Todos os estrangeiros que visitam o Brasil se esforçam por não falhar o Rio de Janeiro

22.08.2014 - As 7 maravilhas do mundo antigo

É cada maravilha maior do que a outra

22.08.2014 - SAUDADE, ESSE RIO JORRANDO CHAMAS

Poetizar um tema abstrato como saudade e lembrança parece cair no prosaico de todos os amantes.

22.08.2014 - O CAVALO DO APOCALIPSE

Leio o mágico poema de Farias de Carvalho (1930-1997)

20.08.2014 - Os Estados Unidos : seu povo e sua política externa

Deve-se distinuir a sociedade

19.08.2014 - O monstro da mitologia fenícia

O Leviathan

18.08.2014 - Maestro J. Antunes é candidato a deputado distrital

Ele é o melhor candidato, em Brasília, em nossa opinião

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br