Dilson Lages Monteiro Sábado, 25 de abril de 2015
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

Um poema de Alphonse de Lamartine






                    Falar de  Alphonse de Lamartine (1790-1869) é falar do clamor da alma, do amor natureza, porém não uma natureza meramente copiada, mas de uma natureza transfigurada pelos sentimentos discretos, melancólicos, elegíacos. Lamartine é considerado o primeiro grande poeta romântico francês.
                 Lamartine nasceu em Mâcon. Sua infância se passou no campo e nesse ambiente sofreu a influência encantadora e piedosa de sua mãe, segundo informa , num resumo biobibliográfico Maria Junqueira Schmidt, fonte da qual estou extraindo esses comentários. 
                   Ainda me lembro que, no curso científico, me encantara com um poema seu célebre: "Le lac". Me lembro mesmo que li parte dele em sala de aula, para a rigorosa professora Madame Helena no Liceu Piauiense, professora de francês, casada com um médico francês que aportara em Teresina. Não sei ao certo, mas me informaram que a Madame, como era mais conhecida entre os estudantes, saíra do Teresina e fora para Minas Gerais. Daí então, não mais tive notícias de suas atividades docentes.
                 Lamartine leu os antigos autores com grande entusiasmo, sobretudo Bernardin de Saint Pierre e Chateaubriand, suas duas grandes admirações. Obras: Méditations, Nouvelles Méditations, Harmonies poétique et religieuses; em prosa: Graziella, Voyage en Orient, Histoire dês Girondins.
               Caro leitor, abaixo lhe trago minha tradução bilíngüe do poema L’Automne. Esse poema, aliás, foi lido e traduzido de improviso, em aula por meu pai, que me lecionou francês no Ginásio “Des. Antônio Costa”, mais conhecido por “Domício”, já que , quando se falava nessa escola, que ia do primário até a 4ª série ginasial, ela era sinônimo ou metonímia do nome todo da escola, instituição muito popular em Teresina durante longos anos. O nome “Domício” foi-lhe dado em razão de um de seus diretores-proprietários se chamar professor Domício Melo Magalhães, professor de história, mestre bonachão, divertido, conversador, piadista, muito querido dos alunos. O outro diretor se chamava Francisco Melo Magalhães professor de matemática. Era o oposto do irmão, sério, rigoroso, mas nem tanto. Foram dois grandes e estimados educadores piauienses.


                   L’Automne
 

Salut, bois couronnés d’um reste de verdure!
Feuillages jaunissants sur lês gazons;
Salut, derniers beaux jours! Le deuil de la nature
Convient à la douleur e plait à mes regards,

Je suis d’un pas rêveur le sentier solitaire;
J’aime à revoir encor, pour la derniére fois,
Ce soleil pâlissant, dont la faible lumière
Perce à peine à mes pieds l’obscurité des bois.

Oui, dans ces jours d’automne où la n ature expire,
À sés regards voilésje trouve plus d’attraits;
C’est l’adieu d’um ami, c’est le dernier sourire
Dês lèvres que la mort va fermer pour jamais.

Ainsi prêt à quitter l’horizon de la vie,
Pleurant de mês longs jours l’espoir évanoui,
Je me retourne encore, et d’um regard d’envie,
Je contemple ces bviens dont je n’ai pas joui.

Tere, soleil, vallons, belle et douce nature,
Je vous dois une larme aux bords de mon tombeau!
L’air est si parfumé! La mumière est si pure!
Aux regards d’un mourant le soleil est si beau!

Je voudrais maintenant vider jusqu’à la lie
Ce calice mêlé de nectar et de fel:
Au fond de cette coupe où je buvais la vie,
Put-être restait-il une goutte de miel!

Peut-être l’aveilr me gardait-il encore
Un retour de bonheur dont l’espoçir est perdu!
Peut-être, dans la foule, une âme que j’ignore
Aurait compris mon âme e m’aurait respondu!...

La fleur tombe en livrant ses parfums au zéphirere;
À lavie, au soleil, ce sont là sesu adieux;
Mois, je meurs; et mon âme, au moment qu’elle expire
S’exhale comme un son triste et mélodieux.

                 

                                   O Outono


Salve, bosque coroado dum resto de verdura!
Folhagens amarelentas na relva esparsa;
Salve, derradeiros dias! O luto da natureza
Convém à dor e agrada aos meus olhos.

Sigo com passo sonhador o atalho solitário;
Amo rever ainda, pela última vez,
Este sol pálido, do qual a tênue luz
Mal me chega aos pés na obscuridade dos bosques.

Sim nestes dias de outono ,onde a natureza expira,
Encontro mais atrativos em seus olhares velados;
De um amigo é o adeus, é o derradeiro sorrsio
que dos lábios a morte vai fechar para sempre.

Assim prestes a deixar da vida o horizonte,
Em meus longos dias chorando a desvanecida esperança,
Mais uma vez retorno e, com um olhar de inveja,
Estes bens dos quais não desfrutei contemplo.

Terra, sol, vales, bela e doce natureza,
Uma lágrima vos devo à beira do meu túmulo.

O ar perfumado está! tão pura é a luz!
Aos olhos dum moribundo é mais belo o sol!

Agora desejava, até ao fundo esvaziar,
misturado de néctar e de fel, este cálice:
Ao fundo desta taça, uma gota de mel!

Quem sabe o futuro reservasse ainda
Uma vez mais a felicidade da qual se perde a esperança!
Quiçá, na multidão, uma alma que não conheço
Minh’alma teria compreendido e uma resposta me daria !...

Cai a flor entregando ao zéfiro seus perfumes;
À vida, ao sol, apenas sobram adeuses;
Eu, morro, sim, e minh’alma, no instante em que expira,
Qual plangente e melodioso som se exala..






 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (3)

Caro amigo, Quanta saudades dos professores Melo e Domício. Sou ex-aluno da Escola Domício em Teresina. Existia uma frase na entrada da escola que dizia assim: "A ignorância é o pior de todos os males." Um grande abraço.

Robert Peres
postado:
21-04-2014 14:23:28

SONETO A ALPHONSE DE LAMARTINE – Nascimento do poeta em 21.10.1790 – In Memoriam - Porto Alegre – RS, 21.10.2011, às 17h55min. – Bairro Tristeza.- . - Recordo-me do seu poema “Outono”, que o Irmão Érico, enfaticamente, lia alto, na aula, com tamanho entono, que despertava a comoção na gente... Saudava a natureza, tristemente, como se a visse ficar no abandono pela queda das folhas, de repente, ao reclinar pra o derradeiro sono! Nesse cálice em que bebia a vida, talvez, houvesse uma gota de mel, após ter sorvido néctar e fel... Na multidão uma alma desconhecida, quem sabe, o compreendesse com bondade e lhe desse, afinal, felicidade !... IALMAR PIO SCHNEIDER VOTE NO SONETO. AGRADEÇO-LHE. CLIQUE EM http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=19646

Ialmar Pio Schneider
postado:
21-10-2012 12:44:03

gosto muito do idioma francês e gostaria de encontrar o poema le lac. sew possivel mande-me esse poema com a tradução. quero também lhe parabenizar pelo seu trabalho.

ozinak da costa mendonça
postado:
02-10-2009 20:57:23

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

22.04.2015 - Apenas memórias (9)

21.04.2015 - Explicação necessária

16.04.2015 - Minha formação (8)

15.04.2015 - Minha formação (7)

14.04.2015 - Minha formação (6)

12.04.2015 - Minha formação (5)

10.04.2015 - Minha formação (4)

03.04.2015 - Minha formação (3)

03.04.2015 - Minha formação (3)

02.04.2015 - Minha formação (2)

02.04.2015 - Minha formação (2)

31.03.2015 - Minha formação

30.03.2015 - Primeiro eles, depois ou nunca, os outros

28.03.2015 - A tragédia que poderia ser evitada

24.03.2015 - Os autores esquecidos e outras reflexões sobre literatura brasileira

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

24.04.2015 - DUGPA RINPOCHÊ

DUGPA RINPOCHÊ

24.04.2015 - Relato de uma indigente em Roraima: qualquer semelhança é mera coincidência

043

22.04.2015 - Apenas memórias (9)

Já morando no novo endereço

22.04.2015 - OS MUNDOS

OS MUNDOS

21.04.2015 - BOURNEMOUTH

BOURNEMOUTH

21.04.2015 - Explicação necessária

A partir desta coluna

20.04.2015 - DUGPA RINPOCHÊ

Observa muito longe em ti

19.04.2015 - Fluência em leitura, um direito da criança

Fluência é elemento necessário para a compreensão leitora

17.04.2015 - DUGPA RINPOCHE

DUGPA RINPOCHE

16.04.2015 - Minha formação (8)

O Olavo era useiro e vezeiro em enviar cartas

16.04.2015 - DUGPA RINPOCHE

Aprende o poder de amor da meditação

16.04.2015 - Redução da maioridade penal

Quem objeta essa medida esquece a permissão para votar e dirigir carro

15.04.2015 - Minha formação (7)

Um Ano difícil

14.04.2015 - Meu cavalo chegou

Meu cavalo chegou

14.04.2015 - Minha formação (6)

O subúrbio

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br