Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 27 de junho de 2017
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

UM PINGO NO OCEANO

          Cunha e Silva Filho

            
       Muitas vezes tenho a sensação de que o mundo precisa de menos  livros. Será que estou  dizendo Uma heresia? Ou estou  exagerando? Ou estou, na condição de autor,   com  medo da competição diante de milhões de livros espalhados pelo mundo afora?  Como se poderia   fazer  uma   rigorosa  estatística dos livros que circulam globalmente? Em quantas línguas? Com quantos leitores? Em quantas editoras? Livros para todas as idades, gostos, assuntos, livros para isso, livros para aquilo. Seriam  ainda válidos os versos  magníficos, a seguir citados,  de Castro Alves (1847-1871) exaltando  o valor  dos livros:  Ó bendito o que semeia/ livros, livros à mancheia/ e manda o povo pensar./ E o livro caindo n'alma,/ é germe que faz a palma,/ é chuva que faz o mar." (...) Claro que seriam bem-vindos. Porém, o meu medo é que sejam  mal distribuídos,  mal lidos,  pouco lidos,  desprezados,  não reconhecidos, vistos com indiferença,  e o que é pior,  jogados no  lixo.
         Somos, globalmente,  uma ilha gigantesca cercada de livros. Isso é bom? E, para os bibliófilos, como ficará  esta questão geral  de publicações? Não precisamos de ir muito longe. Basta um Estado brasileiro. Quantos  autores temos num só Estado? Quantos nos chegam ao conhecimento? Quantos são conhecidos? Quantos são lidos? Quantos serão  impressos e jamais lidos  pela maioria dos leitores? Estamos afundados em livros que nunca haveremos de ler, principalmente porque não teremos  tempo de vida para fazê-lo. Que pena não podermos ler nem a milésima parte  desses livros difundidos num só país. É isso que me  incomodo  também como  leitor. E olhe que estou  me referindo a livros impressos,  não aos e-books, não aos que têm  existência apenas virtual e encontrados nos blogs, nos sites, os quais se contam aos milhares. 
   São obras que não acabam mais. Seria necessário que tivéssemos várias  reencarnações a fim de que  pudéssemos dar conta da leitura  de muitos deles – milhares deles preciosos. E estou  pensando  só nos que  compõem   o número elevado no terreno  da literatura. Imagine-se nos outras  áreas do   conhecimento humano!
     Por outro lado,  existe algo que me inquieta: os livros ainda são caros, sobretudo os recém-lançados por editora  famosas. Até os dos sebos à moda  antiga, em espaço físico de uma livraria antiga, assim como os sebos  virtuais,   já têm preços elevados. Alguns, caso sejam  muito procurados,  viraram  produto  de luxo.
  Enquanto isso, os autores, muitíssimos,  estão no limbo, esquecidos quase que por completo a menos que haja um pesquisador  que,  voltando-se para o passado,   necessitem  de ler alguns desses volumes esquecidos a fim de completarem suas pesquisas acadêmicas.
    Já disse alhures que os críticos, por exemplo, hoje têm que limitar-se a períodos da história literária,  a fim de possam fazer seus recortes  de temas e de autores. O crítico militante de hoje é um  indivíduo  restrito  às  suas possibilidades de querer  estar acompanhando essa enorme  quantidade  de obras lançadas a público, nacional e mundialmente. Ou seja,  não terão tempo  suficiente nem terão tempo de vida  necessária a uma maior  dedicação às resenhas,   às análises dos livros saídos, lançados,   escritos e divulgados, quer impressos, quer  pelo  espaço virtual. Já se se foi o tempo das resenhas de rodapés das décadas de trinta,   quarenta, cinquenta, sessenta, a cargo, às vezes,  de um ou dois críticos militantes por jornal. 
  O número de autores,  ruins, bons e ótimos  subiu vertiginosamente. Assim também o  número de editoras espalhadas pelo país. Levando em conta cada Estado da Federação,  com  o  aumento  do número de universidades e faculdades  privadas e o consequente número de estudantes  de todos os níveis,   proliferaram  livros e autores em todos os gêneros, didáticos,  não didáticos,  obras de referências,  obras de artes etc.
   O fato paradoxal  é que, num país com  graves problemas  financeiros e com altos índices de analfabetos  e analfabetos funcionais,  ainda assim é espantosa  a quantidade  de livros  lançados. 
      Entretanto,  há dois aspectos curiosos   no meio dessa realidade  editorial:  os livros  de autores  nacionais  bem vendidos e em  edições de boa  tiragem  e  livros  igualmente de autores  nacionais  pouco vendidos e em edições  modestas. Para saber  quais  fatores  são determinantes na elucidação  desses  dois tipos de vendagem seria o  caso de ter que  se fazer um análise  aprofundada da  questão.   Some-se a isso  a circunstância de que  não sabemos ao certo se os livros bem vendidos são realmente lidos  pelos compradores, e bem assim  os poucos vendidos.  
    E o problema desse desequilíbrio ainda se agrava mais com a concorrência dos livros chamados best sellers, dos livros traduzidos,  ricamente  impressos, com  capas  chamativas,  e tendo  na retaguarda uma poderosa  logística  de  publicidade,  divulgação  e distribuição em grandes  livrarias    de potenciais   compradores   de classes mais elevadas.  
  Os autores não bafejados  por essa retaguarda de elite dificilmente  conseguirão  ter voz e vez e seus livros, em geral,  se transformam  em  encalhes  fragorosos ou  senão vão engrossar  os milhões de livros  dos grandes sebos  virtuais.
   Os autores não muito lidos nem  muito conhecidos ou não conhecidos, por força do impulso  da criação, não desistem de escrever para se sentirem  úteis. Quem sabe, um dia  serão descobertos... Ou então, terão o destino  certo dos escritores, em vários gêneros,  que estão lá  nas prateleiras  de um velho sebo   ou nas estantes de uma biblioteca  imensa povoada de tantos outros autores  hibernando  por falta  de quem  os procure e lhes dê o prazer de um  leitura  só pelo amor  aos livros. Isso  pode acontecer numa cidade,  num Estado, num país e no mundo. Um pingo no oceano.     

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

15.06.2017 - HOJE É CORPUS CHRISTI, SIM, SENHOR

11.06.2017 - UM PINGO NO OCEANO

06.06.2017 - SOBRE O BRASIL ATUAL: ALGUMAS INDIGNAÇÕES

02.06.2017 - O Olho mortal: das aventuras a outras questões

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

13.05.2017 - História de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

08.05.2017 - Tradução de um poema de Félix Maria Samaniego (1745-1801)

10.04.2017 - A MEDIDA QUE FAZIA FALTA

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

06.03.2017 - VERDADE E PÓS-VERDADE NA POLÍTICA COM REFLEXOS NAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

01.03.2017 - Tradução de um poema de Auguste Angellier (1848-1911)

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

27.06.2017 - Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

Consciência de Classe - György Lukács - Capítulo V

25.06.2017 - Histórias de Évora em dois bilhetes internéticos

vc me fez reviver um passado bem parecido, cheio de brincadeiras, namoricos, cachaçadas, festas, incursões aos saudosos lupanares e demais entretenimentos de nossos tempos de antanho.

25.06.2017 - A DIMENSÃO DO MAR

A DIMENSÃO DO MAR

24.06.2017 - Encontro com Sophia de Mello Breyner

Encontro com Sophia de Mello Breyner

23.06.2017 - ONDE LOCALIZAR A CRISE BRASILEIRA?

Fala-se, em toda

21.06.2017 - Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

Uma tarde na Fazenda Não me Deixes

20.06.2017 - ROGEL SAMUEL: BREVE MANUAL DE DIDÁTICA GERAL

Por que a didática geral?

19.06.2017 - Vozes da ribanceira

O autor escreve sobre o romance Vozes da ribanceira, do acadêmico Oton Lustosa.

19.06.2017 - Psycho Pass episódio 6: Akane confronta a crueldade humana

Prosseguindo a guia de episódios do seriado de ficção científica "Psycho Pass" chegamos ao chocante sexto episódio, onde Akane enfrenta uma esquartejadora.

19.06.2017 - Lançamento em Parnaíba de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro

O SESC convida para o lançamento de Histórias de Évora e A Menina do Bico de Ouro em Parnaíba

18.06.2017 - A REGRA E AS EXCEÇÕES

Alguém, de forma

16.06.2017 - Cruzando os Mares

A Bordo de um Cargueiro

16.06.2017 - Ariano e a estética do Não Foi Bem Assim

Essas coisas são inventadas por heróis picarescos, gente que para fugir da fome tem que remar o dia todo, a vida inteira.

16.06.2017 - Livros e raparigas

Um dia destes, em conversa com a mulher de um jornalista, escritor e (grande) tradutor brasileiro, falávamos de Os Desastres de Sofia e da famosa colecção Biblioteca das Raparigas

16.06.2017 - A gênese de nossa criação literária

A base de nossa criação literária fundamenta-se, portanto, na tentativa de fundir memória, imagem e sensação.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br