Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

SÃO SEBASTIÃO: PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Cunha e Silva Filho

 

 

                 Salve,  São  Sebastião, hoje no seu dia, que é  feriado na Cidade Maravilhosa de São Sebastião. Salvai o Rio de Janeiro! Salve! Protegei a nossa cidade tão necessitada de vossa ajuda, de vosso cuidado, de vossa força. São Sebastião, não só salvai a cidade, os cariocas, ma também a   todos os que por por essa cidade passem como visitantes, turistas, nacionais ou estrangeiros. Salvai o Estado do Rio de Janeiro, os fluminenses, os emigrantes, os imigrantes, os refugiados, os que aqui se estabeleceram e ficaram para sempre.

                 Salve São Sebastião! Salvai todos os que têm o Rio de Janeiro no coração! Ó Sebastião, tende piedade de nós que atravessamos crises diversas em quase todos os setores do governo estadual principalmente. Ó São Sebastião, livrai a nossa cidade dos malfeitores, dos maus políticos, dos que querem afundar o Rio de Janeiro por causa de sua ganância, de sua falta de dignidade e respeito à população. Salve, São Sebastião!

                   Ó São Sebastião, não permitais que os oportunistas, os demagogos, os parasitas do Estado do Rio de Janeiro conspurquem o bom nome sua capital ainda desfruta junto à comunidade mundial Salve São Sebastião! Ó São Sebastião, afastai todas as mazelas morais, políticas, financeiras que só têm infernizado os habitantes dessa excelsa cidade e deste Estado amado”

                 Sei, São Sebastião, que hoje, no seu dia tão esperado e digno de tantas honrarias, haveis de olhar pelo aflições por que passamos todos os que convivemos sob a sua proteção e as suas energias. Não só olheis para o Rio da Zona Sul, a área da Barra da Tijuca, do Recreio dos Bandeirantes mais bem cuidados e servidos, mais cantado em prosa e verso por seus cronistas, poetas e letristas. Olhai também e com o mesmo desvelo para a Zona Norte, para os subúrbios ( muitas vezes esquecidos), para as periferias, para as comunidades sofridas e humilhadas.

                Olhai pela nossa saúde, nossa moradia, nosso transporte, nossa educação, nosso lazer, Livrai de nós os violentos, os criminosos, os homens maus. Desterrai para bem longe os traficantes, curai os drogados, olhai pelas nossa crianças, sobretudo pelas mais carentes. Não permitais que os malfeitores nos espreitem e nos matem nas ruas, nos parques, nas praças, nos restaurantes, nas lojas, nos shoppings, nos locais mais humildes.

                Devolvei à nossa cidade e ao nosso Estado a paz, a tranquilidade, a alegria antiga dos cariocas s e dos fluminenses. Olhai também para os defeitos que o Rio apresenta: lixos derramados pelas exalados por excrementos de cachorros e dos humanos desalmados, o mau-cheiro de alguns lugares, os esgotos e ralos entupidos, calçadas maltratadas, os prédios pichados, os monumentos, estátuas, hermas, vítimas de vândalos, tal como já fizeram com as estátuas do poeta Carlos Drummond de Andrade, com a do compositor Noel Rosa e de outros nomes ilustres.

                São Sebastião, bem que podeis dar uma mãozinha em todos esses defeitos que o Rio de Janeiro ainda possui. No tempo de Machado de Assis, ele já dizia: “Os cariocas somos pouco dados ao jardins públicos.” Ainda vale essa crítica do fino escritor carioca, visto que praças existem que nos envergonham pelo pouco zelo com que o povo e o próprio governo municipal as tratam.

                 Salve, São Sebastião! Salvai-nos das agruras do Rio de Janeiro, livrai-nos de todos os males da terra e do espírito. Dai-nos governantes responsáveis, competentes, amigos da cidade e do seu Estado, homens íntegros, probos que possam gerenciar nossa cidade e nosso Estado em benefício da população. Livra o Rio de Janeiro, a cidade e o Estado dos seus inimigos. Tende piedade de nossa cidade e do nosso Estado.

              Queremos que o Rio de Janeiro “continue lindo de braços abertos (como na belíssima escultura de Cristo situada no Corcovado) para todos os que aqui nos venham visitar, conhecer nossas maravilhas, nosso s encantos, nosso charme, nosso charme, nossos lugares paradisíacos, nosso espírito brincalhão, galhofeiro, nosso um tanto abalado bom humor, nossas gírias, nosso “s” medial ou final chiado que encanta e até é imitado por nordestinos ao voltarem para a terra natal e se passarem por cariocas. Salve São Sebastião! Defendei seus devotos e não devotos, i.e., todos os que sonham com um Rio de Janeiro dos idos tempos melhores e mais serenos!

                 Enfim, para concluir esta crônica me valho para estancar o desespero da cidade e do Estado do Rio de Janeiro, neste dia do padroeiro, a estrofe inicial do poema “Rio de Janeiro, extraído da obra Estrela da tarde (1960) de Manuel Bandeira, outro artista apaixonado pelo Rio de Janeiro: Louvo o Padre, louvo o Filho/E louvo o Espírito Santo./Louvado Deus, louvo o santo/De quem este Rio é filho./Louvo o santo padroeiro/___Bravo São Sebastião__/ Que num dia de janeiro/Lhe deu santa defensão.

              Salve, São Sebastião! O Rio de Janeiro salvai! Meu São Sebastião, tende misericórdia dos males que afligem tanto o Rio de Janeiro, cidade e Estado que não merecem todas as aperturas financeiras vividas agora pelos funcionários estaduais vítimas dos desatinos e da rapinagem dos, pelo menos, últimos governantes. Ó São Sebastião, por favor, não esqueçais de nós, habitantes castigados pelos que decerto não amam esta cidade “de encantos mil”. Salve, Salve, nosso padroeiro! Salvai-nos!

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

13.05.2017 - História de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

08.05.2017 - Tradução de um poema de Félix Maria Samaniego (1745-1801)

10.04.2017 - A MEDIDA QUE FAZIA FALTA

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

06.03.2017 - VERDADE E PÓS-VERDADE NA POLÍTICA COM REFLEXOS NAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

01.03.2017 - Tradução de um poema de Auguste Angellier (1848-1911)

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

25.01.2017 - Aviso aos leitores

23.01.2017 - DIÁLOGO COM TODAS AS COISAS, OBJETOS E SERES: A POESIA DE NATHAN SOUSA

21.01.2017 - SÃO SEBASTIÃO: PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

15.01.2017 - O QUE É O HOMEM BRASILEIRO?

10.01.2017 - O RIO DE JANEIRO PEDE SOCORRO

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br