Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

POR QUE SÓ AGORA?

 

                                                                      "Os homens criaram chefes para defenderem sua liberdade!"

                                                                          JEAN -JACQUES ROUSSEAU

                                                                                                      

                                                                               CUNHA E SILVA fILHO

 

              Se os políticos, alguns até aliados dos governos Lula e Dilma, apearam do poder a senhora Dilma Rousseff, por que antes não se prepararam para realizar uma reforma conjuntural do país, seja pela moralização, seja pelas reformas que atendessem aos trabalhadores brasileiros e à sociedade em geral em questões que há tempos vinham se mostrando cada vez mais urgentes, como normalizar a Previdência Social e, em especial, melhorar a vida dos que se aposentam livrando estes de longo tempo das aflições dos minguados vencimentos de inativos?

           Quem tem um mínimo de experiência de vida brasileira sabe que essa urgência e açodamento de, a fórceps, desejarem realizar uma reforma da Previdência Social, se deve a fatores exógenos, i.e., ao fato de que o rombo da corrupção via desvios multimilionários dos cofres públicos, é o bode expiatória que o atual governo Temer quer impingir ao cidadão brasileiro.

         O que não pôde, ou deliberadamente, não quis o governo federal fazer para recuperar os assaltos ao Erário Público, que dilapidaram praticamente as nossas finanças através dos inúmeros escândalos financeiros investigados pela Operação Lava-Jato, agora o governo federal, para tapar seus rombos gerados pelas falcatruas e graves lesões aos ativos financeiros, levantaram a bandeira de salvar a Previdência às expensas dos que mais trabalharam para o desenvolvimento do país, os aposentados com as suas parcas aposentadorias, segundo já assinalei atrás.

        Não são somente os gastos do governo federal com os aposentados que impossibilitam o gerenciamento da folha de pagamento da Previdência, mas sim os gastos gigantescos, estratosféricos que as mordomias (altos salários dos parlamentares, de ministros, de assessores, dos altos escalões da administração publica) dos três poderes acarretam (sobretudo dos poderes executivo e legislativo).

        Por que só agora, num mandato-tampão, tanta pressa de querer passar o país a limpo quando o governo atual tem vários membros que participaram (base aliada) tanto dos dois mandatos do senhor Lula quanto do mandato senhora Dilma? Seria muito mais verdadeiro politicamente se o atual governo Temer, usando de suas prerrogativas e de sua promessa de cumprir a Constituição Brasileira,tomasse decisões que atendessem aos reais direitos do povo brasileiro, agindo com isenção e com civismo mais no sentido de moralizar a imagem do seu curto mandato do que permitindo que alguns de seus ministros permaneçam na Pasta tendo o nome relacionado entre políticos denunciados nas investigações da Operação Lava-Jato.

      É claro que a crise financeira que ainda ronda pelo país é uma prioridade a ser atacada com firmeza. Porém, realizar reformas ditadas de cima para baixo sem um amplo e profundo debate entre o governo e a sociedade não seria agora oportuno. A maior crise por que passa o governo federal é de ordem moral e de credibilidade.

       Se a classe política está praticamente desmoralizada diante da opinião pública, não só de iletrados como também de pessoas com boa formação cultural, seria mais do que urgente que o presidente da República procurasse se comportar como um estadista e o exemplo que melhor me vem à mente é o do presidente americano Abraham Lincoln (1809-1865), aquela figura sisuda para quem um governante ideal seria aquele que está ao lado “do povo, pelo povo e com o povo,” conforme proclamou no famoso discurso de Gettysburgo (Gettysburg Address) em 19 de novembro de 1863.

     O Brasil está carente de homens públicos dessa estirpe. Postado por Cunha e Silva Filho às 10:05 Nenhum comentário: Links para esta postagem

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

13.05.2017 - História de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

08.05.2017 - Tradução de um poema de Félix Maria Samaniego (1745-1801)

10.04.2017 - A MEDIDA QUE FAZIA FALTA

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

06.03.2017 - VERDADE E PÓS-VERDADE NA POLÍTICA COM REFLEXOS NAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

01.03.2017 - Tradução de um poema de Auguste Angellier (1848-1911)

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

25.01.2017 - Aviso aos leitores

23.01.2017 - DIÁLOGO COM TODAS AS COISAS, OBJETOS E SERES: A POESIA DE NATHAN SOUSA

21.01.2017 - SÃO SEBASTIÃO: PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

15.01.2017 - O QUE É O HOMEM BRASILEIRO?

10.01.2017 - O RIO DE JANEIRO PEDE SOCORRO

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br