Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

O RIO DE JANEIRO PEDE SOCORRO

           [Cunha e Silva Filho]

         Há quase cinquenta e três anos moro no Rio de Janeiro. É a minha cidade natal por adoção. Em todo o longo período de residência nesta cidade, umas das mais admiradas no mundo inteiro, não existe turista que não se encante com ela e é por esse motivo que muitos estrangeiros passam por aqui e terminam ficando para sempre. Com uma vocação sem paralelo para o turismo, dadas as suas qualidades sobejamente cantadas em prosa e verso, a cidade de São Sebastião, assim como todo o interior do Estado homônimo, sofre uma das maiores crises estruturais de sua história. Nesses anos todos, pude observar o mandato de diversos governos estaduais, até mesmo dos biônicos do tempo da ditadura militar.

       Contudo, desde quando se tornou governador fluminense, o Sr. Sérgio Cabral, a meu ver, se mostrou, sobretudo no segundo mandato, o pior governador que já teve o Rio de Janeiro. Durante as duas gestões marcadas pelo autoritarismo e pela falta de diálogo, todos os setores da vida pública foram afetados pela sua péssima e fraudulenta administração a ponto de, ao ser empossado o novo governador eleito, Sr. Pezão, logo no início começaram a desandar com tal magnitude, agravada ainda mais por uma doença de que foi acometido.

        A máquina da administração estadual entrou em regime de UTI: falência nas finanças, nos setores da educação estadual (ensino médio e universitário, representado este pela franca decadência financeira de um universidade do porte da UERJ ), na saúde pública que está com seus hospitais quase fechando, e sobretudo com a pior situação já vivida pelo funcionalismo público, desde o ano passado, recebendo seus vencimentos atrasados com atraso e em parcelas irrisórias, com exceção das privilegiadas áreas do ministério público, do alto escalão da Justiça estadual (juízes, desembargadores, procuradores do Estado), do Executivo (governador, vice-governador, secretários e do Legislativo. Estes estão incólumes, têm poder nas mãos e nas leis.Os seu salários são líquidos e certos. Para eles, cumpra-se a lei e ela é cumprida. Porém, os barnabés inativos, os terceirizados ficam em último plano. Injustiça maior não pode haver mais do que tudo isso.

       Entretanto, há que se perguntar muita coisa que fica no ar: o Estado do Rio de Janeiro continua arrecadando impostos em dia, o turismo tem enchido os cofres do governo com os milhares de turistas nacionais e internacionais que visitam o Rio ou que já o visitaram aos milhares nos tempos da Copa Mundial e das Olimpíadas. Para onde foi – pergunto - canalizado todo o lucro dessa atividade econômica colossal? Assis como to os outros impostos recebidos pela Fazenda Estadual?

      Reconheço que o governo estadual gastou muito com a preparação para os dois megaeventos atrás mencionados, com a reforma gigantesca do Estádio do Maracanã. Por outro lado, por que não pensaram antes tanto o governo federal, a prefeitura municipal e o governo estadual na conturbada situação financeira do governo Dilma, quer dizer, por que foram se endividar astronomicamente com tantos gastos só para sediar aqueles megaeventos que, na realidade, trazem alegria para o povo, mas demandam altíssimos gastos com construções de estádios de futebol e de toda a infraestrutura requerida para tais realizações? O Brasil não estava em condições de bancar ou complementar tantas despesas.

       Há que se levar em conta o superfaturamento em obras públicas, que é do conhecimento de todos. Ora, tanta sangria só poderia resultar na mais desastrosa bancarrota da história dos governos do Rio de Janeiro. Por conseguinte, todos os setores da administração pública, federal, estaduais e municipal têm responsabilidade na falência administrativa do Rio de Janeiro.

     O Sr Pezão, que pertenceu ao governo passado, obviamente sabia de tudo que iria herdar do fatídico governo precedente. O desgoverno do Sr Sérgio Cabral foi tão nocivo à população do Rio de Janeiro que o resultado aí está aos olhos dos que o elegeram em dois mandatos: encontra-se preso por corrupção e malversação do dinheiro público. Toda a rapinagem acontecida no governo do Cabral explica a bancarrota do Rio de Janeiro. No entanto, cabe acrescentar que o Estado do Rio de Janeiro, é perdulário: só com os poderes legislativo e judiciário têm uma despesa monumental, se levar-se em conta as chamada mordomias, salários polpudos, benesses e regalias faraônicas.

     Ninguém me venha dizer que toda essa despesa conjunta não tem sua parcela de responsabilidade na derrocada das finanças estaduais. Sendo tão caótica a crise financeira do Estado Rio de Janeiro, com uma dívida também volumosa com o governo federal, é urgente que o governo federal venha socorrer o Rio de Janeiro, mas sem exigências tantas contrapartidas do governo estadual, as quais só irão ainda mais pesar no bolso do funcionalismo estadual já com seus salários atrasados, segundo já assinalei, sem perspectiva de reajuste mesmo a longo prazo e impossibilitado de suportar qualquer medida do Executivo que venha piorar os já combalidos proventos dos barnabés do Rio de Janeiro e o funcionamento dos setores vitais da máquina administrativa estadual.

    O que a crise financeira está acarretando à população mais humilde que se vê privada da assistência hospitalar e de outros setores importantes do governo, vai-se se refletir nas próximas eleições. Não se tenha dúvida disso, tanto na esfera estadual quanto federal. O eleitor brasileiro, após tanta crise institucional e corrupção, decerto sairá mais amadurecido politicamente e dará o seu troco nas eleições vindouras.

       Não se oprime uma sociedade por tanto tempo, como são ilustrativos os sofrimentos e as aflições vividos pelo povo do Rio de Janeiro, cariocas e fluminenses, atravessando hoje situações angustiantes, como o seu ensino superior representado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ ), praticamente paralisado nas suas atividades normais, nas suas pesquisas, na interrupção de suas aulas da graduação e pós-graduação.

    No mesmo descompasso de decadência, temos o Hospital Pedro Ernesto, que é o hospital-universitário da UERJ. Podiam-se citar outros importantes hospitais estaduais, todos em petição de miséria, sem condições de atenderem à população mais humilde que não dispõe de plano de saúde, que procura tratamento emergencial ou mesmo laboratorial. Hospitais esses sem insumos básicos ao funcionamento normal, prestes a fechar suas portas, porquanto seus funcionários é imperioso frisar - estão sem receber salários, assim como os funcionários terceirizados.

     Só para finalizar este artigo, o Rio de Janeiro, como o resto do Brasil, vale sempre lembrar - está ainda vivendo esse problema nº1 que afeta impiedosamente a sociedade brasileira, a violência sem freios infernizando a todos nós que precisamos de sair, de viver em paz e não conseguimos, visto que ,em cada canto, em cada esquina, em cada rua da cidade, tanto quanto até em algumas cidades do interior do Estado, pode um bandido estar pronto a nos assaltar ou,o que é pior, tirar-nos o bem maior - a vida.

     O Presidente Temer parece que não está vivendo no Brasil. Talvez com os horrores bestiais (com cenas gravadas por celulares e viralizadas nas redes sociais, com gritos de alegria de criminosos diante das atrocidades cometidas), à maneira de execuções dos membros  do Estado Islâmico,  praticados   e aqui imitadados , ocorridos há poucos dias em Manaus e Roraima, ele possa despertar para a carnificina, a crueldade holocaustiana em que se transformou a triste realidade social brasileira.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (2)

Estimado amigo Miguel Carqueija: Suas palavaras só me estimlam a perseguir alaguns dos meu objetivos na via: escrever e ser útil ao leitores, ainda que, em alguns aspectos, não concordem com minhas ideias. V. já provou que é um leitor com o qual posso contar. porquanto V. é ótimo leitor como é também um grande narrador. Ainda estou lhe devendo o texto sobre o que me pediu. Reconheço que estou lhe devendo isso, mas tenha paciência. Por vezes, até pode pensar: o Cunha escreve sempre e esquece de mim. Mas, a verdade não é esta. Sou tentado a escrever muitas vezes por impulsos que provêm de vários apelos imediatos, Os mediatos vou adiando um pouco. No final, termino fazendo aquilo que prometo. V. tem razão, o estrago do indigno Cabral seguido pelo burlesco Pezão, onde há o agravante de ainda ter pertencido ao pavoroso e maldito governo do Cabral. Pezão sabia de tudo, juntando incompetência e descaramento. Não pode permanecer como governador do importante Estado do Rio de Janeiro. Tem que ser impedido pela Alerj Até já afundou a UERJ, os hospitais, as UPAS. A violência piorou ainda mais em seu desgoverno.Pezão, ainda por cima tendo este sobrenome, é um zero à esquerda. É preciso tirá-lo do governo. Um abraço do Cunha e Silva Filho

Cunha e Silva Filho
postado:
17-01-2017 14:43:58

Cunha, seu artigo é completo e irrespondível. A meu ver o ponto mais escandaloso é esse: os que mais precisam, os servidores humildes com suas famílias, são tratados como refugo - salários atrasados e pagos em parcelas, endividamento crescente, nome sujo, quem sabe até despejos pois pobre mora de aluguel. Enquanto isso os grandalhões do estado recebem normalmente seus polpudos salários e até as mordomias! Pode isso? Pezão precisa ser afastado, existem pedidos de impedimento mas a Alerj tem de agir. Ou então deveria renunciar, pois não está governando, sou a favor mesmo da intervenção federal para que esse homem seja afastado. Já soa como deboche um governador se intitular "Pezão", como o outro "Garotinho". Vivemos tempos difíceis. Um grande abraço.

Miguel Carqueija
postado:
12-01-2017 13:26:23

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

13.05.2017 - História de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

08.05.2017 - Tradução de um poema de Félix Maria Samaniego (1745-1801)

10.04.2017 - A MEDIDA QUE FAZIA FALTA

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

06.03.2017 - VERDADE E PÓS-VERDADE NA POLÍTICA COM REFLEXOS NAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

01.03.2017 - Tradução de um poema de Auguste Angellier (1848-1911)

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

25.01.2017 - Aviso aos leitores

23.01.2017 - DIÁLOGO COM TODAS AS COISAS, OBJETOS E SERES: A POESIA DE NATHAN SOUSA

21.01.2017 - SÃO SEBASTIÃO: PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

15.01.2017 - O QUE É O HOMEM BRASILEIRO?

10.01.2017 - O RIO DE JANEIRO PEDE SOCORRO

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br