Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 30 de maio de 2017
LETRA VIVA - CUNHA E SILVA FILHO
Cunha e Silva Filho
Tamanho da letra A +A

DESPEDIDA DO ANO DE 2016

                                                                                                       

                                                                                                               Cunha e Silva Filho

 

        Perguntaria a você. leitor, seria justo mesmo desejarmos que este fiapo de ano logo se desfaça e em face de alguns acontecimentos duros e trágicos por que a humanidade e, para o nosso caso, o Brasil, passou e passa ainda que menos traumático? No meu juízo, não. O ano de 2016 também poderia ser olhado sem muita impaciência desde que saibamos onde ele nos foi por vezes bom ou até, em algumas poucas situações, ótimo.

       Todavia, aqui se visto de uma perspectiva bem particular, pessoal senão subjetiva. Não devemos descurar a circunstância de que um ano não termina rigorosamente com a virada do calendário. Ele é novo por outros motivos. Porque faz a vida prosseguir arrastando atrás de si alguns restos indesejáveis do Ano Velho. Só com o passar dos dias, dos meses que virão, ele vai adquirindo uma feição própria, uma sensação concreta deque alguma coisa está mudando e de que novos fatos, novas notícias serão incorporadas na linha do tempo.

        Talvez, por isso o Ano Novo seja tão ansioso por melhoras em todos os sentidos da vida humana, talvez ainda porque o Ano Novo é um porvir, algo que ainda não sucedeu no tempo e no espaço. Pode-se vaticinar o que possa vir de melhor, uma vez que ao ser humano repugna desejar coisas ruins tanto em fim de ano quanto em começo de ano. O futuro é sempre esperado como alvissareiro, como um tempo que venha nos trazer paz e felicidade, bons momentos e vitórias. Ninguém aprecia previsões aziagas. Há uma força interior do nosso ser que aspira ao melhor que possa vir.

         Por estas razões é que, ao fim de um ano, há tantos votos de melhores dias, de mais paz, de mais saúde, de mais sucessos em mensagens bela e confortadoras trocadas entre amigos, entre as famílias e no mundo inteiro. Deixemos as tragédias serem narradas pelos programas de fim de ano.Por que repetir tudo aquilo que somente nos provocou repugnância, dor, aflição, indignação.

      O limiar de um Ano Novo é, antes, convidativo à confraternização, a um apelo à paz, à saúde, à amizade, ao amor referidos nacional e universalmente. Só o fanatismo não tem trégua na sua maldade de ações contínuas e mais perversas. Só os ímpios não nos dão sossego nem desejam instaurar o clima da convivência e harmonia entre pessoas, nações sob o apanágio do sentimento humanista, quiçá a primeira via de mudanças para um mundo melhor e para nações que se dividem belicamente entre si.

       Eu costumo dizer que ser bom é, em nossos tempos globalizados, um comportamento muito difícil de manter, ao passo que ser mau é fácil, dá menos transtornos mas também é evidência de que o sentido da humanidade dá um passo para trás e, em geral, sua consequência é a criação de abismos sempre distantes da fraternidade e do bem-querer. A quem está perto de cair no abismo, seria tão bom se a pessoa estivesse imbuída de algumas afirmações de profundo sentido humanitário, como “Ama a teu próximo como a ti mesmo,” ou, para resumir, basta pôr em prática a oração de São Francisco de Assis (1182-1226). Não precisa ser erudito, não precisa ser sábio, nem precisa ser santo para entender que a única porta do respeito aos outros, aos diferentes, aos excluídos, aos injustiçados, aos preteridos, aos ludibriados, aos explorados não é uma teoria da bondade humana, mas uma real prática desta.

     Que o Ano Novo de 2017 lhe traga, leitor, todos os meus votos de paz e alegria em direção à simples e pura felicidade entre os homens de bem em qualquer parte desse amado e tantas vezes maltratado planeta Terra.

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

13.05.2017 - História de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

08.05.2017 - Tradução de um poema de Félix Maria Samaniego (1745-1801)

10.04.2017 - A MEDIDA QUE FAZIA FALTA

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

06.03.2017 - VERDADE E PÓS-VERDADE NA POLÍTICA COM REFLEXOS NAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

01.03.2017 - Tradução de um poema de Auguste Angellier (1848-1911)

25.02.2017 - SEM DOURAR A PÍLULA

25.01.2017 - Aviso aos leitores

23.01.2017 - DIÁLOGO COM TODAS AS COISAS, OBJETOS E SERES: A POESIA DE NATHAN SOUSA

21.01.2017 - SÃO SEBASTIÃO: PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

15.01.2017 - O QUE É O HOMEM BRASILEIRO?

10.01.2017 - O RIO DE JANEIRO PEDE SOCORRO

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

29.05.2017 - Eleição Direta é Golpe

Para esses oportunistas golpe tem dois pesos e duas medidas

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br