Dilson Lages Monteiro Segunda-feira, 29 de maio de 2017
JANELA PARA A CRÔNICA - ANTÔNIO F. SOUSA
Antônio Francisco Sousa
Tamanho da letra A +A

DONOS DA VERDADE

Sempre que irrompem as crises, principalmente, econômicas – já que políticas são pratos do dia a dia -, com elas surgem os arautos da verdade absoluta, os conhecedores de todas as causas e porquês. No entanto, assim como, geralmente, não foram ouvidos no momento em que poderiam, senão combatê-las, minimizar-lhes os efeitos, também não o são no interregno das mesmas, e então voltam a navegar no mar de sua insignificância: como referências citadas e ouvidas, mas, de fato, não escutadas. Até que nova convulsão econômica ou política ocorra, modorram no ostracismo. Esses sábios de quem se está falando, aos quais, certamente, todos conhecem, quando em atividade profissional ou funcional, portam-se como bombeiros relapsos, que avisam sobre incêndios, às vezes, localizam-nos, mas não são capazes de debelá-los. Economistas, administradores, cientistas políticos, consultores generalistas; enfim, ditos experts, são os primeiros procurados por quem, no máximo, o que quer é, meramente, ouvir suas opiniões; seguramente, porque aqueles não querem resolver os problemas pautados e os consultados não podem fazê-lo; assim, resulta, quase que invariavelmente em oratória ou dialética vazia, loas, conversa para boi dormir, as intervenções feitas por uns e outros. Na verdade, salvo honrosas exceções, especialistas em situações de caos, geralmente, são indivíduos que já estiveram servindo a governos – que, ora, adulam ou execram -, como auxiliares diretos, próximos, umbilicais; uma vez do lado de fora, quando demandados, ufanam-se, deleitando-se com divagações, lançamento de avisos, presságios, devaneios ou espalhando pavor; invariavelmente, as mensagens que transmitem, ou não têm substância ou são de difícil prática. Fato é que esse fenômeno de tentar ouvir a quem, outrora, fez-lhe ouvidos de mercador, não é diferente aqui do que ocorre no restante do globo. São as convulsões econômicas ou políticas trazidas à superfície e, lá estão eles - velhas e conhecidas figuras, reitere-se, elementos que, enquanto agentes públicos, não raro, se não foram responsáveis por iniciar as crises que, ora, reincidem ou se reinstalam, pouco ou nada tentaram fazer para evitá-las - sendo chamados para explicá-las. Transformados, então, em especialistas ou iluminados gurus, metem-se a ensinar como as combater ou eliminar. No mais das vezes, a emenda fica pior que o soneto: e vida que segue. Ou seja, em vez de protagonistas na solução de crises decorrentes de problemas econômicos, políticos ou sociais que ocorreram durante suas gestões ou enquanto auxiliavam quem detinha o poder, muitos dos consultados a dizer como fazer o que, antes, deveriam ter feito, mas não fizeram, na verdade, não passam de parlapatões falaciosos e demagogos. O pior defeito de quem administra ou exerce o poder público, talvez não soe leviano afirmar, é não se desfazer do egoísmo; também é comum àquele pensar a coisa pública como viúva, cujo patrimônio deve beneficiar a espertalhões vivos. Antônio Francisco Sousa – Auditor-Fiscal (afcsousa01@hotmail.com

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

17.05.2017 - ESTAMOS, OU NÃO, PERDIDOS, SANDOVAL?

03.04.2017 - UM NOVO TRIBUTO

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

02.03.2017 - CARTA AOS AGIOTAS E USURÁRIOS DE PLANTÃO

05.02.2017 - O QUE É A MORTE?

04.01.2017 - DOS SINDICATOS, TEMPLOS E PARTIDOS POLÍTICOS

01.12.2016 - A AVÓ

04.11.2016 - A MORTE É SEMPRE UMA VIOLÊNCIA

10.10.2016 - DONOS DA VERDADE

09.09.2016 - PARA ONDE IRÃO OS BURROS?

11.08.2016 - A MEU PAI

01.08.2016 - CONCEPÇÕES SOBRE IMPUNIDADE

04.07.2016 - O IRMÃO DE TODOS

02.06.2016 - O BOM POLÍTICO

04.05.2016 - AMOR NUNCA É DEMAIS

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.05.2017 - Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

Incursão à Fazenda Bom Gosto (Século XVIII)

28.05.2017 - Versos de Moradora no Harém

Poetisa Amante

28.05.2017 - Palmas para o Tocantins

O autor discorre sobre participação piauiense na Feira Literária Internacional do Tocantins (FLIT), realizada em julho de 2011.

27.05.2017 - A questão da pós-verdade e suas consquências danosas à ética individual e coletiva do mundo globalizado.

O tema escolhido

27.05.2017 - Feitosa, dos Inhamuns

O acadêmico Reginaldo Miranda analisa a obra genealógica do escritor Aécio Feitosa, que escreve sobre a importante família Feitosa, dos Inhamuns.

26.05.2017 - ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

ROGEL SAMUEL: TEORIA DA CRISE

26.05.2017 - POEMA 'ÁGUA FRIA'

poesia

26.05.2017 - O RIO NEGRO

O RIO NEGRO

25.05.2017 - Teresina

O acadêmico Reginaldo Miranda escreve sobre a cidade de Teresina, capital do Piauí, por ocasião da outorga da Comenda Conselheiro Saraiva.

25.05.2017 - A enigmática Etrúria

Desprezada por muitos leitores, a Arqueologia é uma Ciência que vale a pena ser estudada pelos leigos, pois se revela muito interessante.

25.05.2017 - EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

EM BUSCA DA POÉTICA DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

24.05.2017 - O dia em que saí no Ibrahim Sued

Era a sexta-feira do dia 17 de maio de 1985

23.05.2017 - UM AMIGO DE INFÂNCIA

No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena casa dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal

23.05.2017 - Fraternidade Espiritualista Universalista

Em pleno cerrado de Goiás...

22.05.2017 - Um livro infantil de Irá Rodrigues

A literatura infantil é parte importante de nossa cultura, pois devemos estimular nossas crianças ao saudável hábito da leitura.

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br